Descrição de chapéu Diplomacia Brasileira

Falas de Bolsonaro sobre Bachelet constrangem agenda de chanceler do Chile no Brasil

Ministro Teodoro Ribera realiza nesta quinta-feira (5) agenda oficial em Brasília

Ricardo Della Coletta
Brasília

Os ataques do presidente Jair Bolsonaro (PSL) à ex-presidente do Chile Michelle Bachelet criaram um constrangimento para o chanceler do país sul-americano, Teodoro Ribera, que realiza nesta quinta-feira (5) uma agenda oficial em Brasília. 

O ministro das Relações Exteriores do Chile encontrará o chanceler Ernesto Araújo, no Palácio do Itamaraty. 

O presidente Jair Bolsonaro na ocasião da visita do presidente do Chile, Sebástian Piñera, em Brasília - Adriano Machado - 28.ago.2019/Reuters

No dia seguinte, o chileno se reúne com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB)

As falas de Bolsonaro —que acusou Bachelet de defender "direitos humanos de vagabundos" e atacou o pai da ex-mandatária, morto pela ditadura de Augusto Pinochet— geraram forte repercussão negativa no meio político e na imprensa do Chile. 

O presidente do Senado chileno, Jaime Quintana, exigiu publicamente uma "resposta contundente" do presidente Sebastián Piñera e da sua chancelaria.

Diante das cobranças, o presidente chileno declarou em um pronunciamento que não compactua com as falas de Bolsonaro

Interlocutores que acompanham o tema afirmaram que Ribera estava em voo com destino ao Brasil enquanto ocorriam as manifestações de repúdio, no Chile, às declarações de Bolsonaro. 

O desconforto gerado foi tamanho que, ao chegar ao Brasil, ele divulgou um vídeo com um desagravo a Bachelet.

Nele, o chanceler chileno diz que a ex-presidente do seu país "teve um papel determinante" na construção do Chile atual. 

"E a República do Chile reconhece e valoriza sua contribuição para o país", completou. 

Apesar disso, o diplomata chileno afirma no vídeo que as declarações de Bachelet enquanto alta comissária da ONU são um "assunto próprio" da organização internacional. 

"O Chile e o Brasil têm interesses comuns e uma relação histórica que transcende conjunturas e governos", afirmou. 

Um interlocutor disse à Folha, sob condição de anonimato, que é preciso colocar "panos frios" no tema, principalmente diante da repercussão que o caso ganhou no Chile.

Diplomatas ouvidos pela Folha afirmaram que os ataques de Bolsonaro criaram um ambiente ruim para a realização da agenda oficial.

Bolsonaro reagiu nesta quarta a uma entrevista de Bachelet, alta comissária da ONU para os direitos humanos, que disse que o Brasil sofre uma "redução do espaço democrático", especialmente com ataques contra defensores da natureza e dos direitos humanos. 

"Michelle Bachelet, seguindo a linha do [presidente francês Emmanuel] Macron em se intrometer nos assuntos internos e na soberania brasileira, investe contra o Brasil na agenda de direitos humanos (de bandidos), atacando nossos valorosos policiais civis e militares", escreveu o presidente em uma rede social.

"Diz ainda que o Brasil perde espaço democrático, mas se esquece de que seu país só não é uma Cuba graças aos que tiveram a coragem de dar um basta à esquerda em 1973, entre esses comunistas o seu pai brigadeiro à época", prosseguiu Bolsonaro.

Alberto Bachelet, pai de Michelle, era general de brigada da Força Aérea e se opôs ao golpe militar dado por Pinochet em setembro de 1973. Ele foi preso e torturado pelo regime e morreu sob custódia, em fevereiro de 1974. 

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.