Descrição de chapéu Governo Trump Coronavírus

Trump suspende pagamentos à OMS durante a crise do coronavírus

Americano acusa organização de ter promovido desinformação criada pela China

São Paulo e Washington | Reuters

O presidente americano, Donald Trump, ordenou nesta terça-feira (14) a interrupção, ao menos temporária, do pagamento das contribuições dos EUA à Organização Mundial da Saúde (OMS).

O líder republicano justificou a decisão ao criticar a forma com que a entidade tratou a pandemia de coronavírus.

Durante entrevista coletiva na Casa Branca, Trump afirmou que a OMS "falhou em seu dever básico e deve ser responsabilizada". Disse também que a organização promoveu desinformação criada pela China sobre o vírus –o que, na opinião do presidente, provavelmente levou a um surto maior do que o previsto.

O americano criticou a entidade por ter "acreditado nas garantias dadas pela China" e culpou a OMS por um aumento de 20 vezes do número de casos em todo o mundo.

Pequim e Washington travam uma disputa de narrativas sobre a crise da Covid-19. Trump já se referiu várias vezes ao novo coronavírus como "vírus chinês". O país asiático, por sua vez, acusa o americano de xenofobia.

No início de março, autoridades do regime chinês divulgaram teorias sobre uma suposta conspiração e apontaram que o coronavírus foi levado à China por militares dos EUA.​

Donald Trump nos jardins da Casa Branca para entrevista coletiva sobre a resposta dos EUA à pandemia do coronavírus
Donald Trump nos jardins da Casa Branca para entrevista coletiva sobre a resposta dos EUA à pandemia do coronavírus - Leah Millis/Reuters

Os Estados Unidos são os maiores doadores da OMS —em 2019, o país desembolsou US$ 400 milhões (R$ 2,06 bilhões), equivalente a cerca de 15% do orçamento da organização sediada em Genebra.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que este é o momento de a "comunidade internacional trabalhar em solidariedade para impedir o vírus e suas consequências devastadoras".

Esta não é a primeira vez que os Estados Unidos de Donald Trump confrontam a atuação de órgãos multilaterais.

Em janeiro de 2019, tanto os EUA quanto Israel deixaram a Unesco, agência de educação, ciências e cultura das Nações Unidas.

Os dois países alegaram que o organismo estimula um sentimento anti-israelense —um dos exemplos citados foi o fato de a Autoridade Palestina ter sido aceita como membro em 2011.

No entanto, Washington já não contribuíra para o órgão desde 2011—até então, os EUA respondiam por 22% do orçamento total da entidade.

O mesmo viés contra Israel foi citado quando Washington decidiu deixar o Conselho de Direitos Humanos da ONU, em junho de 2018.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.