Descrição de chapéu Venezuela

Rebelião em cadeia venezuelana deixa ao menos 47 mortos

Presos tentaram fugir após restrição de visitas por causa do coronavírus

Caracas | AFP

Ao menos 47 presos morreram numa rebelião na Venezuela nesta sexta-feira (1º).

A revolta aconteceu no Centro Pentenciário de Los Llanos, em Guanare, no estado de Portuguesa, oeste do país, e teria acontecido após presos romperem as grades e tentarem uma fuga em massa.

Também há ao menos 75 feridos, entre eles o diretor da unidade, Carlos Toro. Ele foi ferido nas costas com um objeto pontiagudo quando funcionários do centro, junto com militares, tentavam negociar com o líder da rebelião.

Além dele, uma tenente também ficou ferida pelos estilhaços de uma granada. Há relatos de que o hospital da cidade colapsou por causa do atendimento aos feridos.

A rebelião se dá após a proibição de visitas, determinada em março, para retardar a propagação do novo coronavírus no país. Na Venezuela, os dados oficiais apontam para 335 casos confirmados e 10 mortes.

O governo do ditador Nicolás Maduro ainda não confirmou infecções dentro de presídios.

Policiais e profissionais da saúde esperam a chegada de presos em hospital de Guanare após rebelião na prisão de Los Llanos
Policiais e profissionais da saúde esperam a chegada de presos em hospital de Guanare após rebelião na prisão de Los Llanos - Manuel Alvarado/Reuters

Em tempos normais, os presos recebem comida e remédios por meio de familiares e amigos.

Para Carolina Girón, do Observatório Venezuelano de Prisões (OVP), ONG que defende os direitos de reclusos, a revolta se deu porque "os presos estão irritados com a proibição de visitas, não têm água nem comida" num presídio superlotado.

"A quantidade de comida que lhes dão não tem as calorias necessárias que devem ingerir. Às vezes recebem só um caldo de feijão", disse ela.

Segundo Girón, Los Llanos tem capacidade para 750 presos, mas abriga atualmente cerca de 2.500. Até a noite de sábado, o governo não havia se pronunciado sobre o que aconteceu no presídio.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.