Militares que deram golpe no Mali indicam coronel reformado como presidente interino

Bah Ndaw deve liderar período de transição de 18 meses no país africano

Bamaco (Mali) | AFP e Reuters

A junta militar que deu um golpe no Mali no mês passado —e que está no poder desde então— nomeou um novo presidente para o país.

Coronel reformado e ex-ministro da Defesa, Bah Ndaw, 70, foi indicado para liderar o Mali por um período de transição de 18 meses. Ao fim desse prazo, a junta prometeu devolver o poder aos civis.

O cargo de vice-presidente será ocupado pelo líder da junta, o também coronel Assimi Goita. A posse de ambos está prevista para sexta-feira (25).

O coronel Assimi Goita, líder da junta que deu um golpe de Estado e futuro vice-presidente interino, marcha no enterro do ex-presidente do país Moussa Traoré
O coronel Assimi Goita, líder da junta que deu um golpe de Estado e futuro vice-presidente interino, marcha no enterro do ex-presidente do país Moussa Traoré - Michele Cattani/AFP

O grupo —que chegou a deter o presidente deposto, Ibrahim Boubacar Keita, durante nove dias— vem enfrentando pressões da Comunidade dos Estados da África Ocidental (Cedeao) para retomar a ordem constitucional e nomear um primeiro-ministro civil.

Não se sabe se a Cedeao aceitará o arranjo feito no comando do país. Na semana passada, a organização ameaçou impor um embargo econômico ao Mali caso os militares não acatassem suas exigências. Em retaliação ao golpe, ela já havia fechado as fronteiras e interrompido fluxos financeiros com país.

Uma delegação da Cedeao encabeçada pelo ex-presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, visitará o Mali na quarta-feira (23) para retomar as negociações iniciadas em agosto, que não chegaram a um acordo.

A escolha de Ndaw e Goita dividiu o Movimento 5 de Junho-União de Forças Patriótica (M5-RFP), grupo de partidos de oposição que liderou uma onda de protestos contra Keita e que vinha negociando um roteiro de transição com os militares.

O presidente deposto do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, durante conferência na Mauritânia, em junho
O presidente deposto do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, durante conferência na Mauritânia, em junho - Ludovic Marin - 30.jun.20/AFP

Setores do M5-RFP haviam exigido que o presidente indicado fosse civil, mas a liderança do grupo declarou apoio oficial a Ndaw.

“Ele é um homem de princípios, um nacionalista leal que ama o seu país. Não é manipulável”, disse Nouhoum Togo, um porta-voz do M5-RFP que trabalhou para Ndaw no Ministério da Defesa. Ele acrescentou que esperava que o primeiro-ministro indicado fosse membro do grupo.

Segundo a agência de notícias Reuters, há uma preocupação entre líderes da Cedeao e de países parceiros do Mali, como França e EUA, de que o golpe abra um precedente perigoso e enfraqueça o combate a grupos radicais islâmicos que controlam partes ao centro e ao norte do país.

Os franceses têm mais de 5.000 militares na região.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.