Biden se diz confiante em vitória após abrir vantagem na Pensilvânia

Em discurso no fim desta sexta (6), democrata também citou virada na Geórgia

Wilmington (Delaware)

Após ultrapassar Donald Trump em votos na Pensilvânia e na Geórgia e ficar ainda mais próximo da vitória, o candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden fez um discurso no fim da noite desta sexta-feira (6) em que se disse confiante na vitória, apesar de não haver uma declaração clara de que é o vencedor.

"Não há uma declaração de vitória clara, mas os números mostram uma trajetória clara e convincente."

Joe Biden discursa na noite desta sexta-feira (6) em Wilmington, Delaware, enquanto o resultado da eleição americana segue indefinido
Joe Biden discursa na noite desta sexta-feira (6) em Wilmington, Delaware, enquanto o resultado da eleição americana segue indefinido - Angela Weiss/AFP

Diante do atraso na contagem de votos e das investidas do presidente em contestar os resultados da eleição na Justiça, o democrata afirmou que não vai deixar que a apuração seja interrompida, por mais que as pessoas tentem. "Seus votos serão contados", afirmou.

Sem apresentar provas, Trump diz que os votos por correio —uma modalidade comum nas eleições dos EUA— são ilegais e não devem ser contabilizados. O temor do republicano é que a cédula postal, de maioria democrata, impulsione Biden em estados-chave, como tem acontecido na reta final da apuração.

"Nós estamos provando de novo o que provamos por 244 anos, essa democracia funciona [...] Eu não ligo para quanto as pessoas tentem parar [a contagem de votos]. Não vou deixar acontecer. As pessoas serão ouvidas", disse o democrata em um centro de convenções em Wilmington, no estado de Delaware.

O ex-vice de Barack Obama listou a vantagem que abriu nesta sexta em estados como Pensilvânia, onde ressaltou que os democratas reconstruíram "o muro azul" do Cinturão da Ferrugem, e disse que será o primeiro de seu partido em décadas a vencer na Geórgia e no Arizona.

No entanto, os resultados desses estados ainda estão em aberto, apesar de indicarem vantagem de Biden.

Para tentar barrar a narrativa de Trump de que sua possível vitória, caso confirmada, não seja legítima, Biden destacou que já contabilizou 74 milhões de votos —o recorde na história de um candidato à Presidência, ultrapassando Obama.

"Nosso total de votos segue crescendo, nossa vantagem segue crescendo", disse, antes de, mais uma vez, apelar para a união do povo americano.

"Não importa em quem você votou, vamos colocar a raiva para trás. Não vai ser fácil, mas temos que tentar."

Biden apostou na construção de um grande arco anti-Trump em torno da sua candidatura durante a campanha, mas não conseguiu, de acordo com número iniciais, ir muito além dos eleitores democratas.

Agora, perto de vencer a disputa, tenta se colocar como presidente de todos os americanos, para contrastar com Trump, conhecido por sua retórica divisionista.

"O que ficou mais claro a cada hora é que um recorde de americanos, de todas as raças, fé, e religões, escolheu mudar", disse Biden.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.