Descrição de chapéu Coronavírus

Livro de fotos mostra faces de privação, tristeza e dor na Itália durante pandemia

Trabalho foi organizado por fotógrafa brasileira

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Roque

Desde o começo da pandemia, a Itália tem estado em sinistra evidência: foi dos primeiros países europeus a registrar mortes pela Covid, lamentavelmente também foi pioneiro em lockdown e em superlotação hospitais e de UTIs, assim como ainda permanece no noticiário por conta da avassaladora segunda onda de contaminações, mais letal que a primeira.

Ao longo de todos estes meses de privações, desafios, tristeza e dor, os italianos têm resistido bravamente. E foi justamente para documentar e sobretudo para compartilhar as duras emoções desta trajetória que a fotógrafa brasileira Bettina Musatti idealizou um concurso que se tornou uma exposição que resultou num livro de fotografias. Um surpreendente, poético, dramático e necessariamente triste livro de fotografias.

Bettina trabalhou na Folha nos anos 1980 e mora há duas décadas em Como, na Lombardia, norte da Itália, região das mais assoladas pela pandemia. Ali ocorreu a maior parte dos casos e das mortes e é onde se vive há meses um pesadelo que parece não ter fim. As fotos do livro “Suspended Freedom – Covid-19” (Liberdade Suspensa, em português), que foi patrocinado por diversas instituições públicas e privadas da região, deixam isso muito claro.

Foram mais de 700 imagens inscritas, cem delas selecionadas, em três categorias: people, street e creative (pessoas, rua e criativo). Aceitaram-se trabalhos de fotógrafos profissionais, diletantes e de total amadores, o que empresta satisfatória diversidade ao resultado final, como demonstram as reproduções desta página.

A dimensão deste conjunto de imagens —que poderia inspirar algo semelhante no Brasil— pode ser percebida no relato de um paciente ao médico Giuseppe Milesi, autor de uma das fotos publicadas no livro. Na linha de frente do hospital da cidade de Brescia, Milesi recebeu uma carta de uma pessoa que ele ajudou a sobreviver. Nela, o paciente diz: “enquanto estive entre a vida e a morte, este homem só encontrou forças para seguir em frente.”

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.