Descrição de chapéu Coronavírus

Brasil despenca em ranking global de felicidade em 2020

Segundo pesquisadores, pandemia afetou o mundo, mas saíram-se melhor os países com 'bons exemplos e liderança eficaz'

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Bruxelas

A pandemia de Covid fez o Brasil despencar no ranking de felicidade do WHR, grupo de estudo coordenado entre outros pelo economista Jeffrey Sachs, diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade Columbia (EUA), pelo Centro de Pesquisa de Bem-Estar da Universidade Oxford (Reino Unido) e pelo Programa de Bem-Estar da London School of Economics and Political Science.

Considerando apenas o ano de 2020, o Brasil ficou em 41º lugar entre 95 países pesquisados pelo instituto Gallup. No ranking de 2019 do WHR, que usa a média dos três anos anteriores, o país ocupava a 29ª posição. Segundo essa comparação, os brasileiros ficaram relativamente mais infelizes (ou seja, perderam posições no ranking) de forma mais acentuada que seus vizinhos de continente. Argentinos passaram de 45º para 47º, chilenos, de 34º para 38º (ultrapassado o Brasil), e uruguaios, de 25º para 30º.

O trabalho deste ano usou essa comparação apenas com 2020 para poder observar o impacto específico da pandemia. De qualquer forma, a infelicidade provocada pela crise sanitária fez o país recuar também quando se considera o resultado médio de 2018 a 2020, conforme a metodologia do WHR.

De acordo com essa comparação, o Brasil caiu seis pontos, para o 35º lugar.

Independentemente do recorte feito, a Finlândia continuou ocupando o primeiro lugar no estudo, que tem como objetivo oferecer uma forma de comparar a sensação de bem-estar de populações e servir como ferramenta para avaliar o impacto de políticas públicas.

No ano da pandemia, havia dois objetivos principais: observar o efeito da Covid-19 na qualidade e estrutura de vida das pessoas e descrever e avaliar como governos de todo o mundo lidaram com a crise. Os pesquisadores também tentam explicar por que alguns países se saíram tão melhor que outros.

Acesso imediato a bons exemplos, liderança eficaz —capaz de agir de forma rápida e adequada— e uma sociedade receptiva são as conclusões do estudo. “Em conjunto, nossas medidas de riscos de infecção e apoios de políticas se combinam para explicar dois terços das diferenças nas taxas de letalidade entre os países”, afirmam. Países em que a letalidade foi muito maior que a prevista foram em geral aqueles “onde havia ceticismo no mais alto nível político sobre a gravidade do vírus”.

Como exemplo, os autores citam Brasil e EUA sob Donald Trump. Outra causa para um aumento excessivo de mortes foi a falsa disputa entre saúde e economia, grupo no qual também estão Suécia e Reino Unido.

“As evidências de 2020 sugerem fortemente que os países que priorizaram a supressão da transmissão também conseguiram obter melhores resultados econômicos e sociais”, afirmam. Isso aconteceu tanto globalmente quanto dentro de cada região, onde o risco de doenças e a exposição são mais comparáveis.

Segundo os pesquisadores, o caminho para o sucesso em ambos os campos —na saúde e na economia— veio de uma intervenção rápida e decisiva, incluindo testes, rastreamento, isolamento e informação sobre medidas para evitar a transmissão, como uso de máscaras e distanciamento físico.

O pior efeito da pandemia nas medidas gerais de felicidade foram os 2 milhões de mortes por Covid-19 em 2020, um aumento de quase 4% no número anual de mortes em todo o mundo, que, segundo os autores do estudo, representa uma grave perda de bem-estar social.

“Para os vivos, tem havido maior insegurança econômica, ansiedade, perturbação em todos os aspectos da vida e, para muitas pessoas, estresse e desafios para a saúde física e mental”, escrevem.

Com base em amostras do Reino Unido, eles detectaram mudanças bruscas em emoções positivas e negativas no ano passado, com quedas rápidas no balanço onde há confinamento, mas recuperação também rápida quando ele é retirado.

Uma das chaves para entender as diferenças internacionais é a confiança e a capacidade de contar com os outros (por exemplo, acreditar que uma carteira perdida na rua será devolvida).

Segundo os autores do estudo, a confiança afeta mais a sensação de felicidade que outros quatro itens avaliados: renda, saúde, liberdade e generosidade.

Para o mundo como um todo, a mudança mais relevante foi entre os que se disseram tristes ou preocupados no dia anterior da pesquisa: o aumento médio foi de 10%.

Não poder trabalhar teve um impacto negativo no bem-estar, num ano em que o PIB global encolheu 5%, segundo estimativas, na maior crise econômica das últimas décadas.

Nos cálculos do estudo, o desemprego durante a pandemia está associado a um declínio de 12% na satisfação com a vida e a um aumento de 9% nos sentimentos negativos. Para a inatividade no mercado de trabalho, esses valores são de 6,3% e 5%, respectivamente.

Embora os jovens relatem níveis mais baixos de bem-estar do que outras faixas etárias, o efeito de não poder trabalhar é menos grave do que entre os mais velhos, sugerindo que eles podem ser mais otimistas sobre as oportunidades futuras. Os pesquisadores ressalvam, porém, que suas conclusões sobre o efeito da Covid-19 na felicidade são provisórias, porque “a pandemia ainda está longe do fim”.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.