Descrição de chapéu Opinião Marta Suplicy

Em que mundo vive Damares?

Uma ministra tem de estar conectada à realidade

A futura ministra da mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, fala a jornalistas após ser indicada por Jair Bolsonaro - Sergio Lima - 6.dez.18/AFP
Marta Suplicy

A cabeça da futura ministra Damares Alves (da Mulher? da Família? dos Direitos Humanos?) pensa ao avesso: a solução para menos aborto é educação sexual nas escolas! A legalização, até o terceiro mês, evitaria milhares de mortes, como tem ocorrido em outros países.

Quanto ao estupro, quem decide se tem condição de ter a criança é a mulher estuprada, e não a pastora Damares. Bolsa estupro! Ficou louca? É isso? Um dinheiro resolve o futuro e os sentimentos?

A ministra indicada, pastora da Igreja Quadrangular, nos brinda agora com mais essas sandices, tais como meninas devem ser tratadas como "princesas", e meninos como "príncipes"... Infelizmente, já ouvimos que gravidez é um "problema" que dura só nove meses... e que "o aborto dura uma vida inteira da mulher".

Outras pérolas: "...gostaria de estar em casa toda tarde, numa rede, e meu marido ralando, muito, muito, para me sustentar e me encher de joias e presentes. Esse seria o padrão ideal da sociedade". Não dá para falar isso, hoje em dia, nem mesmo por brincadeira, e foi dito por Damares logo no Dia Internacional da Mulher deste ano.

Essa frase diz muito sobre a visão dela de mundo, de gênero, dos sonhos, das aspirações e da percepção da mulher na organização familiar e na posição em sociedade. 

Duas coisas: gravidez é bênção e alegria para a maior parte das mulheres. Quando uma mulher decide pelo aborto, qual seja o motivo, é uma decisão difícil, mas, na maioria das vezes, não provoca arrependimento. O sentimento maior é de alívio.

Constatei isso em inúmeros casos de consultório e de pessoas amigas. Deixemos de hipocrisia. A prova está no gigantesco número de mulheres que provocam o aborto arriscando suas vidas. É o quarto índice de morte materna no Brasil.

Entretanto, o investimento na prevenção, que tem na escola seu lugar com melhor resultado, Damares é contra. 

São tantas as barbaridades e a falta de compreensão, de informação, de quais sejam as principais reivindicações das mulheres no século 21, que acabei ficando indignada com a irresponsabilidade da indicação.

Se o presidente eleito fala sério, quando disse, no dia de sua diplomação, que seria o presidente de todos, certamente, poderia ter encontrado uma senhora evangélica que não produzisse tantos vexames e reação tão adversa nos movimentos de mulheres e nas que pensam e atuam nessa área há décadas.

Uma ministra ou um ministro tem de escutar, aprender, estudar e estar conectado com a realidade do país. A pastora não está. Quando muito, tem o apoio dos 118 grupos que subscreveram a sua candidatura e que, provavelmente, são o núcleo duro do pensamento dos eleitores de Bolsonaro.

A última aberração é transformar o aborto em crime hediondo. Damares não acredita que o aborto clandestino seja um problema de saúde pública. Desconhece que nos países onde o aborto foi legalizado ocorreu uma diminuição de casos.

Ela veio para converter os índios e a nós também. Bonde errado. O mundo e a maioria dos brasileiros não almejam aculturar índios, e nossa Constituição preserva suas terras.

Quanto às suas ideias para mulheres, que fale com qualquer menina de 15 anos e saberá, de imediato, que a maioria quer estudar, trabalhar e ter independência financeira. Em algum momento poderá casar e ter filhos. Mas não é essa a preocupação maior nem delas nem das mulheres adultas.

A arrogância e certezas caracterizam suas falas: "...nenhum homem vai ganhar mais que uma mulher, nesta nação, desenvolvendo a mesma função"... "vou para a porta da empresa"... "acabou isso no Brasil"... Palmas para ela.

Em 2016, disse à sua congregação "é a hora de a igreja dizer à nação que chegamos ...é a hora de a igreja governar".

Deus nos proteja.

Marta Suplicy

Senadora desde 2011 (sem partido-SP); ex-prefeita de São Paulo (2001-2004), ex-ministra do Turismo (2007-2008, governo Lula) e da Cultura (2012-2014, governo Dilma)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.