Descrição de chapéu

Reforma com foco

Sem o desvario da CPMF, mudança tributária deve mirar simplificação e justiça

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) - Adriano Machado/Reuters

Uma vez enterrado, ao que se espera, o desvario da recriação da CPMF, o debate sobre a reforma tributária pode voltar ao essencial. Em boa hora, pois a incerteza em torno do tema é mais um elemento a turvar as expectativas sobre a retomada da economia. 

Em que pese a ausência até o momento de uma proposta oficial do Executivo, os propósitos principais já estão postos e não se mostram conflitantes com os projetos que tramitam na Câmara dos Deputados e no Senado. Cumpre buscar um entendimento para acelerar tramitação nos próximos meses. 

O mais urgente para o setor produtivo é a simplificação do emaranhado de tributos incidentes bens e serviços, cuja complexidade chegou a ponto insuportável. Em paralelo, deve-se estabelecer maior progressividade na tributação direta da lucros e salários.

No primeiro caso, substituir a coletânea de siglas —PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS— por uma única cobrança com base no valor agregado ao longo da cadeia de produção alinharia o país ao padrão internacional, além de propiciar um grande espaço para redução de custos e ganhos de produtividade.

Trata-se de condição necessária, além disso, para maior abertura do país ao comércio internacional.   

O desafio, que até aqui inviabilizou as inúmeras tentativas de mudança, é compatibilizar os múltiplos interesses regionais e setoriais envolvidos. Desta vez, há fatores que ajudam na tarefa.

Os estados já não suportam a guerra fiscal, em que se concedem benefícios tributários para a atração de investimentos —a prática tornou a legislação ainda mais infernal e levou a perdas de receitas.

Resta definir como a arrecadação do novo imposto será partilhada, o que a proposta em tramitação na Câmara procura resolver mantendo a atual repartição de recursos por um longo período de transição.

O Executivo, cético quanto ao entendimento entre os estados, indica que apostará na simplificação apenas dos tributos federais, deixando para os entes regionais a opção de adesão. Se houver alinhamento no Legislativo para a inclusão de todos, muito melhor.

Pode-se ainda tornar o Imposto de Renda mais equânime sem necessidade de emenda constitucional. Seguindo tendência global, o governo pretende reduzir a cobrança sobre lucros das empresas e taxar a distribuição de dividendos. 

Uma ideia equivocada em circulação é a redução da alíquota máxima do IR, hoje de 27,5% e abaixo do padrão internacional.

Parece claro que o poder público não terá como reduzir a elevada carga tributária brasileira. Nesse cenário, resta torná-la mais eficiente e justa, reduzindo seu peso sobre o consumo e os mais pobres.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.