Descrição de chapéu

Muitos para trás

Falta de protocolo para repatriação na pandemia compromete ação do Itamaraty

Palácio do Itamaraty, em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress

No começo de abril, sequiosa em adaptar as pérolas de sabedoria de Jair Bolsonaro para o público digital, a Secretaria de Comunicação da Presidência lançou o slogan “Ninguém Fica Pra Trás”.

O mote fala de forma genérica da crise da pandemia, mas soa especialmente insultuoso para um contingente de cerca de 4.000 brasileiros. O grupo é composto por cidadãos que estavam fora do país quando começaram a ser fechadas fronteiras em todo o mundo para conter o avanço do Sars-CoV-2.

Há apreensão e desespero em muitos dos casos. A severa restrição ao transporte aéreo também fez subir preços de passagens, impossibilitando a volta de muitos.

O Itamaraty afirma ter auxiliado 22 mil pessoas a retornar, mas nada comparável à fanfarra de aviões presidenciais resgatando um pequeno grupo em Wuhan, quando a pandemia era um surto chinês.

Foi criada uma equipe para coordenar os esforços, mas os relatos pelo mundo são os mesmos: tudo depende da boa vontade do serviço consular mais próximo.

Não há um protocolo único de repatriação. As verbas de assistência variam e as representações se queixam de insuficiência de fundos.

Ao fim, há pessoas que voltam em aviões fretados pelo governo, outras que nada pagam em voos comerciais, enquanto algumas arcam com preços acima do usual.

Há decerto que levar em conta as particularidades de cada país, como burocracias e disponibilidade de conexões aéreas. Mas, até aqui, o risco de mais um vexame internacional prevalece.

Nada anormal para o ministério, cuja condução por Ernesto Araújo o faz competir com a Educação de Abraham Weintraub pelo título de mais obscurantista de um governo de resto trevoso.

Além da imagem externa destroçada pela ausência de políticas nacionais para o ambiente e a Covid-19, o Brasil passa vergonhas adicionais na crise.

Seu propalado alinhamento automático aos EUA de Donald Trump não impediu o veto à entrada em solo americano de pessoas que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias, salvo algumas exceções.

Na contramão da propaganda, mais brasileiros serão deixados para trás —inclusive por aqui mesmo.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.