Descrição de chapéu

Inépcia mortal

Incipiente, vacinação em cerca de 50 países evidencia incompetência de Bolsonaro

Profissional de saúde é vacinado contra a Covid-19 em Viena, Áustria - Lisi Niesner/Reuters

Países bem-sucedidos no controle da epidemia, como Taiwan e Nova Zelândia, devem começar a vacinação contra a Covid-19 apenas a partir do segundo trimestre deste 2021. Assim também será na Coreia do Sul, embora o plano do governo seja objeto de críticas duras.

Os Estados Unidos previam vacinar 20 milhões de pessoas antes do final do ano passado, mas chegaram perto de apenas 3 milhões.

O país mais avançado na campanha é Israel, que já imunizou mais de 11% de sua população. O Canadá tem contrato firme para a compra de doses suficientes para vacinar seus habitantes cinco vezes. Em contraste, nações mais pobres talvez não tenham acesso aos produtos antes do próximo ano.

O cenário mundial da vacinação é muito irregular, como se vê. Campanhas de imunização se mostram ainda muito incipientes e com resultados variados até agora.

De mais certo, nota-se que os países mais ricos correram para reservar doses mais do que suficientes para proteger seus habitantes, segundo dados coletados pelo Centro de Inovação em Saúde da Universidade Duke (EUA).

Além de providências localizadas e mal explicadas na China e na Rússia, a vacinação começou em dezembro, de modo em geral vagaroso, no restante do mundo. Produtores de petróleo e membros da União Europeia também estão entre os mais adiantados.

Cerca de 50 países já iniciaram o processo, embora os números sejam precários e díspares, com somente algumas centenas de doses aplicadas em alguns casos.

Tendo esses dados em vista, o Brasil não pareceria tão atrasado se não fosse o fato de que as perspectivas de imunização aqui são apenas virtuais —nenhum produto encomendado foi aprovado até o momento, faltam estratégias concretas e, no caso do governo federal, até seringas.

Dadas a experiência e a infraestrutura brasileiras de vacinação, houvesse doses suficientes e começando já os procedimentos, pode-se estimar que toda a população adulta poderia estar protegida pouco depois de meados do ano.

Façam-se as comparações. Segundo dados compilados pela Universidade Oxford, até o final do ano passado o México vacinara 0,02% de seus habitantes; no Brasil, isso equivaleria a mais de 40 mil vacinados. No Chile, 0,05%, o equivalente a cerca de 106 mil brasileiros.

Seria um progresso considerável a esta altura, que já estaria beneficiando profissionais de saúde, idosos e outros estratos vulneráveis à doença. Dificilmente, porém, a campanha brasileira começará antes do terço final deste janeiro, e a incompetência mortal do governo Jair Bolsonaro tende a ficar mais evidente a cada dia.

editoriais@grupofolha.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.