Descrição de chapéu
Ronaldo de Almeida

O sacrifício de Crivella

Ex-prefeito classificou a primeira prisão como um erro de juventude; e agora?

Ronaldo de Almeida

Professor do Departamento de Antropologia da Unicamp e pesquisador do Cebrap, é autor de ‘A Igreja Universal e seus demônios’

Após a eleição de Marcelo Crivella para a Prefeitura do Rio de Janeiro, em 2016, publiquei nesta Folha o artigo “Os espinhos na carne de Crivella” (17.nov.2016), valendo-me da metáfora bíblica citada por ele durante a campanha eleitoral.

O espinho assumido por Crivella era sua prisão por um dia (vejam só!), durante a juventude, por ter usado de violência para expulsar o vigilante morador de um terreno da Igreja Universal. A história foi divulgada pela revista Veja durante a campanha, com a foto de capa de Crivella fichado pela polícia. Esta capa só saiu no Rio de Janeiro, enquanto no restante do país a revista estampou a prisão de Eduardo Cunha, então presidente da Câmara dos Deputados.

Naquele artigo afirmei que o prefeito eleito teria outros três ferrões a lhe maltratar a carne: a Rede Globo, que temia (teme) a concorrente TV Record; o próprio vínculo com a Igreja Universal; e os esquemas de corrupção dos atores políticos que desembarcaram em sua candidatura no segundo turno contra o hoje deputado Marcelo Freixo, do PSOL.

Ao lado da antropóloga carioca Lívia Reis, do Iser (Instituto de Estudos da Religião), acompanhei in loco os passos da campanha de Crivella naquele segundo turno. Como morador de São Paulo, senti que poucos paulistanos se aperceberam de alguns sinais já presentes na eleição municipal no Rio que explodiram nacionalmente em 2018. Em São Paulo, o pleito havia sido decidido logo no primeiro turno com João Doria (PSDB), candidato da antipolítica que se apresentava como gestor de empresas e com discurso neoliberal.

Mas, na cidade maravilhosa, Crivella se apresentava como “cuidador de pessoas” e fortemente ancorado no discurso conservador dos costumes. “Ideologia de gênero”, casamento gay, aborto, família tradicional, entre outros, foram mobilizados contra seu opositor, gerando pânico moral. Em 2020, na campanha da reeleição, Crivella tentou reavivar esse clima contra Eduardo Paes (DEM), mas não colou.

Sobre a vulgaridade de sua gestão, destaco apenas dois episódios. O primeiro foi o clientelismo religioso quando ofereceu aos evangélicos de sua base de apoio o contato de uma assessora (“a Márcia”) para resolver problemas pendentes com a prefeitura. O segundo episódio foi o dos “Guardiões do Crivella”, grupo formado por pessoas pagas para atrapalhar o trabalho da imprensa na frente de hospitais da prefeitura. A assessora Márcia e o recrutador dos “guardiões”, o pastor Marco Paulo de Oliveira Luciano, são ligados à Igreja Universal.

Não é raro na Igreja Universal a sobreposição de fiéis e militantes (pagos e não pagos); de pastores e mediadores comunitários; e de bispos, empresários e atores políticos. Trata-se de uma engrenagem econômica-política-religiosa que se retroalimenta e da qual o ex-prefeito Crivella é uma das partes centrais.

Entre os que foram alcançados pelos mandados de prisão está o pastor Paulo Lopes, ex-suplente de Crivella no Senado —que já foi responsável pela Folha Universal (principal jornal impresso da Igreja Universal) e é considerado o articulador político da igreja no Rio de Janeiro. Foi preso também o ex-tesoureiro de campanha, Mauro Macedo, primo do bispo Edir Macedo.

Este não é o primeiro escândalo de alguém central da Igreja Universal. O ex-deputado federal Bispo Rodrigues, então articulador político da igreja no Congresso Nacional, esteve envolvido no caso do mensalão em 2004 e renunciou. Depois foi alvo da Polícia Federal na “Operação Sanguessuga”, em 2006.

Sem titubear, Edir Macedo sacrificou o seu bispo, assim como tantos outros que comprometeram o tabuleiro de seu “Plano de Poder” (título de um dos seus livros).

Mas o que fazer agora com o seu quadro político mais promissor e que também é um parente, o filho da irmã? Quando Crivella se referiu ao seu espinho na carne, na campanha de 2016, tinha em mente o que chamou de um “erro de juventude”.

Perguntei ao final do meu artigo de 2016 se os possíveis espinhos que ele teria na gestão poderiam se converter em uma coroa (de espinhos). Hoje, pergunto se essa coroação, como no mito cristão, será seguida também de um sacrifício. A ver.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.