Descrição de chapéu

Reações à morte de Marielle refletem a polarização ideológica, diz leitor

Em rede social, desembargadora afirmou que vereadora 'estava engajada com bandidos'

Marielle Franco

Uma desembargadora praticamente culpa, em uma rede social, a vereadora Marielle Franco pelo próprio assassinato e, depois, afirma que nem sequer tinha ouvido falar da vítima e se baseou em informações que leu no texto de uma amiga. Uma deputada, na Câmara dos Deputados, diz que as balas foram azeitadas pelo golpe. São exemplos de como a polarização ideológica obscurece o raciocínio e de que a educação formal não garante a competência moral. É triste que muitos se informem e pensem como elas.

Aluisio  Serodio, médico e professor da Unifesp (São Paulo, SP)

 

Marielle foi covardemente assassinada não por ser negra, homossexual e favelada, mas sim por estar ameaçando poderosas organizações criminosas. Fosse branca, heterossexual e rica, ela seria assassinada da mesma forma. O PSOL, partido com pouca significância, está vergonhosamente explorando politicamente o acontecido. Seguindo nessa intensidade, em breve acusarão a CIA de envolvimento no caso.

Geraldo Siffert Junior, médico (Rio de Janeiro, RJ)

 

O artigo de Vinicius Torres Freire foi o que tratou mais a fundo da abrangência do “Estado do crime” em nosso país. A paralisia nacional nos impede de ter a consciência de que o crime já se institucionalizou. A situação é gravíssima e não é de hoje. Mas, como sempre, andamos aos solavancos, enquanto inocentes pagam com as suas vidas por essa letargia e por promessas vãs dos governantes.

Paulo Matsushita, servidor público federal (Jundiaí, SP)

 

Que alívio ler nesta segunda-feira (19) a coluna de Celso Rocha de Barros e constatar que existe jornalista honesto e que não tem medo —condições necessárias na profissão— de “gente bem ruim, gente bem armada”. “Gente que matou Marielle põe para correr a elite da bancada da bala” é o título que sua coluna merece. Parabéns.

Ana Rita Leite Feitosa  (São Paulo, SP)


Previdência

Sobre o editorial “Mais Uma Batalha”, deve-se ter em mente que São Paulo compromete apenas 36,9% de sua receita corrente líquida com todas as despesas com pessoal, afastando o discurso do Executivo de que “falta saúde e educação” em virtude dos gastos com os servidores e sua Previdência. Cerca de 40% dos servidores em atividade ingressaram na prefeitura após 2003 e não teriam direito à aposentadoria com paridade. Tais aposentados receberam, nos últimos 15 anos, reajustes anuais de 0,01%.

Cássio Vieira Pereira dos Santos, presidente da Fasp (Federação das Associações Sindicais 
e Profissionais da Prefeitura de São Paulo)


Geraldo Alckmin

Confio no governador Geraldo Alckmin (“Não vou brigar com o PT, vou olhar para o futuro”). Ele é coerente e, embora não tenha carisma, sempre fala baseado em números, exemplos e realizações. Não procura convencer usando apenas o gogó, nem salientando suas convicções pessoais. Se eleito, acredito que será um grande presidente e ideal para o momento.

Galdino Assis (Rafard, SP)


João Doria 

Quem muito fala muita besteira fala. João Doria, tentando justificar a sua saída precoce da prefeitura, afirmou: “São Paulo não perde um gestor. São Paulo ganha dois gestores. Um no governo e outro na prefeitura”. Ele quis dizer que, até então, São Paulo não tinha dois gestores, ele próprio e Geraldo Alckmin? Qual dos dois não era um gestor?

Antonio Pedro da Silva Neto (São Paulo, SP)


Imposto de Renda

Excelente a explicação acerca do PGBL (“Leão morde o resgate do PGBL). Marcia  Dessen faz uma explanação muito didática e objetiva, de forma que o leitor, mesmo se não tiver grande conhecimento sobre o assunto, poderá compreendê-lo com facilidade.

Nelson Marcelino (São Paulo, SP)


Contaminação

A Noruega é famosa pelo nível de vida de seus habitantes, pela educação deles e pelo respeito ao meio ambiente. Mas, quando investe em países como o Brasil, onde tudo é na base do jeitinho, contamina a água de Barcarena? A empresa Norsk Hydro pedirá desculpas, mas a coisa errada já foi feita.

Zureia  Baruch  Jr. (São Paulo, SP)


Segurança

Brilhante o artigo de Alfredo Attié  (“Os inimigos do povo”). Só faltou o essencial: ele diz que a solução da segurança e da violência está nas mãos da sociedade, mas não diz como deve agir essa sociedade, que é vítima diária da desumanidade dos bandidos. A sociedade assumirá o papel de polícia ou deverá catequizar os criminosos? Criticar eu também sei, mas, se não houver uma proposta concreta para colocar no lugar, de que servirá a crítica?

Roberto Doglia  Azambuja (Brasília, DF)


Kim Kataguiri

Simplesmente deplorável o artigo do não menos lamentável Kim Kataguiri. O jornal deve ser pluralista, democrático e estar aberto a todas as vertentes políticas e correntes de opinião, mas tudo tem limites. Kim não tem o menor conteúdo, lastro. Ele não passa de um oportunista, como é o MBL. Usar o concorrido espaço da Folha para fazer loas à campanha do ultrarreacionário dono da Riachuelo é um verdadeiro ultraje e desrespeito aos leitores e assinantes.

Renato Khair (São Paulo, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.