A suspensão de Donald Trump no Twitter e o dilema das redes; ouça podcast

Banimento do presidente dos EUA pela rede social reacende debate sobre liberdade de expressão e regulação de plataformas de internet

São Paulo

A poucos dias de deixar a Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi banido de forma permanente do Twitter, um de seus principais megafones. Tomada na esteira da invasão à sede do Legislativo americano, a medida se deveu, segundo a empresa, ao "risco de mais incitação à violência" por parte do republicano.

Diante da suspensão, apoiadores de Trump migraram para a Parler, rede social que diz ser uma opção de "discurso livre" por não ter moderação nas publicações. No Brasil, por exemplo, o presidente Jair Bolsonaro convidou seus seguidores a aderirem. A plataforma, no entanto, foi banida das lojas do Google e da Apple e removida dos servidores da Amazon nos últimos dias sob acusações de disseminação de conteúdo violento.

Em meio às discussões sobre limites da liberdade de expressão e da regulação das redes, o Café da Manhã desta terça (12) ouve o diretor do InternetLab, Francisco Brito Cruz, e o professor da USP (Universidade de São Paulo) Pablo Ortellado sobre as decisões tomadas pelas empresas de tecnologia.

O programa de áudio é publicado no Spotify, serviço de streaming parceiro da Folha na iniciativa e que é especializado em música, podcast e vídeo. É possível ouvir o episódio clicando abaixo. Para acessar no aplicativo basta se cadastrar gratuitamente.

Ouça o episódio:

O Café da Manhã é publicado de segunda a sexta-feira, sempre no começo do dia. O episódio é apresentado pelos jornalistas Magê Flores e Bruno Boghossian, com produção de Bianka Vieira, Laila Mouallem e Victor Lacombe. A edição de som é de Natália Silva e Thomé Granemann.

Imagem de capa do podcast Café da Manhã, com o nome do programa escrito sobre vários recortes de jornais. Logos de de Spotify e Folha de S.Paulo podem ser vistas nos cantos
Podcast Café da Manhã - Reprodução
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.