Descrição de chapéu Eleições 2018

Candidatos pagam para alcançar eleitores de adversários no Facebook

Na pré-campanha, ferramenta detectou que Alckmin mirou em Ciro Gomes e Lula no Nordeste

Paula Soprana
São Paulo

Pela primeira vez, as campanhas eleitorais poderão incluir anúncios pagos na internet. Isso significa que os 13 candidatos à Presidência da República podem impulsionar propaganda em plataformas digitais como o Facebook. 

O InternetLab, centro de pesquisa independente em Direito e Tecnologia, identificou que candidatos pagam para que seus conteúdos atinjam eleitores de outro espectro político. Esse e outros apontamentos foram divulgados pelo relatório do Você na Mira, uma ferramenta instalada em navegadores de internet, como Google Chrome e Firefox, que identifica a prática conhecida por “microdirecionamento”. 

Microdirecionamento é quando um anúncio leva em conta características demográficas (como idade, gênero e geografia), bem como interesses específicos dos usuários, como posicionamento político e páginas curtidas no Facebook. 

Retrato de uma urna eletrônica
Urna eletrônica usada nas eleições municipais de 2016 - Diego Herculano/Folhapress

Com dados coletados desde o dia 1º de junho, o Você na Mira identificou mais de 27 mil anúncios de mais de 579 usuários. Dentre os maiores destaques das informações cruzadas até agora, estão a mira dos candidatos em usuários que curtem páginas de políticos de oposição (uma tentativa de angariar eleitores do lado adversário) e o foco em eleitores que curtem páginas populares no Facebook, como Quebrando o Tabu, Catraca Livre e Socialista de iPhone.

A equipe de campanha de Manuela D’Ávila, que seria candidata pelo PC do B e agora integra a chapa do PT com Fernando Haddad, apresentou a estratégia mais elaborada nas redes sociais. Pagou para que conteúdos aparecessem a uma audiência jovem e com interesses em feminismo, movimento social, ativismo, comunidade LGBT, caridade e causas, voluntariado e filantropia. 

Também mirou em pessoas que curtiram as páginas Catraca Livre e Quebrando o Tabu, e direcionou conteúdos a interessados em Dilma Rousseff e Marcelo Freixo.

Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT, focou uma audiência ampla, com um público de 18 anos ou mais em todo o Brasil, e sobretudo em quem já curtia a página do candidato. Um anúncio apresentou direcionamento mais específico: um vídeo sobre o Encontro Nacional do PT foi destinado à região Nordeste.

A campanha de Guilherme Boulos, candidato do PSOL, mirou em pessoas de 16 a 45 anos. “Uma demografia de audiência em específico, contudo, chamou atenção. Dentre os anúncios veiculados por Boulos, um deles consiste em um vídeo no qual ele fala sobre o tema da depressão”, diz o relatório. Nesse caso, além de pessoas interessadas por política, o foco foi mulheres de 16 a 40 anos.

Já o candidato do MDB, Henrique Meirelles, foi o segundo maior anunciante na amostra coletada até agora. A audiência visada foi plural, com direcionamento a um público de 13 anos ou mais no Brasil.

Um vídeo chamado “Minha Trajetória”, que conta a história e experiência do candidato, foi segmentado a homens de 25 anos ou mais. Já o vídeo “Experiência e Coragem”, narrado por uma voz feminina, foi destinado a pessoas de 18 anos ou mais, homens de 25 anos ou mais e mulheres de 25 anos ou mais. No seu foco, também estão eleitores com interesse em agricultura e empreendedorismo.

Marina Silva, da Rede Sustentabilidade, teve oito anúncios coletados. O que mais chama atenção são dois vídeos, um que conta sua história e outro que critica o “centrão”. Ambos foram pagos para atingirem pessoas que curtem a página Quebrando o Tabu.

O Você na Mira coletou apenas dois anúncios veiculados pela página de Geraldo Alckmin, do PSDB: um vídeo sobre a fome no Brasil e um depoimento de apoio do apresentador Datena ao pré-candidato. Ambos foram direcionados também a pessoas que curtem a página do candidato do PDT, Ciro Gomes — o que refletia a disputa pré-eleitoral nas negociações pelo apoio do “centrão”.

A ferramenta é uma parceria com a Who Targets Me, versão europeia do plugin, e não representa uma base estatística, visto que a maior parte dos usuários que instalaram a ferramenta estão concentrados no eixo Sul e Sudeste e se autodeclararam de esquerda.

Francisco Brito Cruz, diretor do InternetLab e autor do relatório, esclarece que o programa é importante para auxiliar o usuário comum a entender qual partido lhe dirige conteúdo político.

“Para a sociedade, é importante saber como o impulsionamento é usado pelas campanhas. Esse relatório dá um primeiro retrato de como ele servirá de estratégia política. A ideia é trazer transparência para a estratégia e, depois, discutir suas consequências”, diz.

O microdirecionamento nas redes sociais ganhou atenção nos últimos anos por influenciar as campanhas políticas ao redor do mundo. O InternetLab lembra que estudos recentes apontaram para consequências democráticas diante de anúncios pagos em uma operação do serviço de inteligência russo, que teve o objetivo de influenciar as eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016.

O Você na Mira coleta dados que usuários fornecem ao instalar a extensão no navegador e os cruza com informações disponibilizadas pelo próprio Facebook.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.