Descrição de chapéu Eleições 2018

Deputados do PSL assinam manifesto de apoio ao voto BolsoFrança

Parlamentares do PSL querem encerrar a disputa entre PT e PSDB em São Paulo e reforçar a neutralidade de Bolsonaro nas eleições estaduais

Gabriela Sá Pessoa
São Paulo

Cinco deputados estaduais e três deputados federais eleitos pelo PSL, partido de Jair Bolsonaro, manifestaram apoio nesta quarta-feira (24) à candidatura do governador Márcio França (PSB) à reeleição.

São eles: Coronel Tadeu, Abou Anni e Guiga Peixoto (federais) e Major Mecca, Delegado Bruno Lima, Rodrigo Gambale, Tenente Nascimento e Coronel Nishikawa (estaduais).

No manifesto lido por Tadeu, os parlamentares do PSL dizem querer encerrar a disputa entre PT e PSDB em São Paulo e reforçaram a neutralidade de Bolsonaro nas eleições estaduais.

Filho de Márcio França, deputado estadual reeleito Caio Franca e deputado estadual Rodrigo Gambale em evento com deputados eleitos do PSL
Filho de Márcio França, deputado estadual reeleito Caio Franca e deputado estadual Rodrigo Gambale em evento com deputados eleitos do PSL - Gabriela Sá Pessoa/Folhapress

“Aqui não tem traidor, aqui tem palavra e compromisso, disse Gambale.

Os bolsonaristas destacaram os gestos de Márcio França em defesa dos policiais nos últimos meses.

França afirmou que acredita que o apoio explícito dos bolsonaristas, que vestiam camisetas com a imagem do capitão reformado, não deve afastar o voto no PSB do paulista que prefere Fernando Haddad (PT) ou rejeita o candidato do PSL.

Para o governador, são duas eleições diferentes e quem vencer o pleito no domingo (28) governará para todos quando tomar posse.

O agente federal Danilo Balas, também eleito pelo PSL, foi ao evento para cumprimentar a vice de França, a coronel PM Eliane Nikoluk (PR), que não compareceu. Balas, porém, não assinou o manifesto ou declarou apoio, já que ainda integra a Polícia Federal e disse estar de folga.

Líderes do PSB e do Governo na Assembleia Legislativa, os deputados Caio França e Carlos Cezar disseram que o apoio agora não significa necessariamente a composição com o PSL no parlamento, caso França seja eleito, mas o evento hoje pode ser um primeiro passo nessa direção. 

Impulsionado por Janaina Paschoal, campeã de votos no país, o PSL elegeu 15 deputados na Assembleia e se tornou a maior bancada, maior até que o PSDB. Paschoal mantém neutralidade na disputa estadual.

O evento desta quarta-feira (24), em um hotel na zona sul de São Paulo, contou com a articulação de Major Olímpio, senador eleito do PSL e chamado de “nosso grande líder” pelos ali presentes. 

Márcio França voltou a dizer que a associação de sua campanha à divulgação de um suposto vídeo íntimo do adversário João Doria (PSDB) é uma acusação leviana.

“Tenho zero assunto relacionado ao vídeo. Eu respondi [ontem] a um comentário que o jornalista Lauro Jardim pegou da assessoria do Doria”, disse.

“Leviano. É só olhar a cena é ver se tem alguém com a minha cara ali.”

O governador disse também que a campanha de Doria foi punida pela Justiça Eleitoral por divulgar propagandas com informações incorretas a seu respeito.

“Quando fizeram acusação minha pública, disse o seguinte: se tiver meu nome [em depoimento da Lava Jato] eu renuncio, porque aí fica incisivo, a pessoa percebe que é mentira”, afirmou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.