Descrição de chapéu Eleições 2018

Record diz repudiar falas de Haddad e 'alguns veículos de comunicação'

Em nota, emissora diz que 'ofensas atingem diretamente todos os funcionários e colaboradores'

São Paulo

Em comunicado divulgado à imprensa nesta quinta-feira (25), a Record disse repudiar veementemente "declarações caluniosas, falsas e preconceituosas" do candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad.

De acordo com a nota, as "ofensas atingem diretamente todos os funcionários e colaboradores do jornalismo". 

Ainda segundo o informe, a emissora disse não aceitar "ataques covardes" e que a conduta de seus profissionais é pautada na imparcialidade.  

Na semana passada, Haddad afirmou que a Igreja Universal do Reino de Deus tem "pretensões de governar o país" e que seu líder, o bispo Edir Macedo, coloca a TV Record, da qual também é dono, a serviço do candidato do PSL, Jair Bolsonaro.

Fernando Haddad durante entrevista após encontro com Laura Chinchilla, chefe da missão da OEA (Organização dos Estados Americanos) que acompanha as eleições no Brasil - Andre Penner - 25.out.2018/AP

Haddad fez as declarações em entrevista ao jornalista Bob Fernandes na TVE Bahia. Na ocasião, o petista, que foi questionado a respeito de Macedo, não citou nominalmente o bispo, a igreja ou a Record.

Anteriormente, o ex-prefeito de São Paulo também associou o líder religioso ao "fundamentalismo charlatão" e disse que Macedo tem "fome de dinheiro".

Além de repudiar as declarações de Haddad, o comunicado da Record "denuncia a estratégia de alguns veículos de comunicação" que, segundo o texto, objetivam apoiar a candidatura do petista. 

O texto também afirma que a Record "procura sempre apresentar suas reportagens jornalísticas de forma equilibrada, mesmo com as críticas infundadas e ofensivas de qualquer candidato". 

No fim de setembro, em publicação feita em conta pessoal no Facebook, Macedo anunciou apoio a Bolsonaro. Uma semana depois, o deputado federal, líder nas pesquisas de intenção de voto, concedeu entrevista ao Jornal da Record no mesmo dia e horário em que foi realizado debate com presidenciáveis, no primeiro turno

O candidato se ausentou do debate porque se recuperava de duas cirurgias após ter sido esfaqueado durante ato público em Juiz de Fora (MG).

A entrevista foi motivo de representações de adversários de Bolsonaro no Tribunal Superior Eleitoral, que consideraram a exibição como “tratamento privilegiado” a um candidato, o que é proibido pela lei.

O Ministério Público Eleitoral, porém, fez posicionamento favorável à emissora e ao candidato, pois avaliou que a reportagem atendia ao interesse jornalístico, uma vez que dava informações sobre uma figura política que havia sofrido um atentado contra sua vida.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.