Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Não fiz campanha prometendo nada para ninguém, diz Bolsonaro sobre Malta

Presidente eleito diz que há espaço para o aliado em seu governo, mas não como ministro

Carolina Linhares
Cachoeira Paulista (SP)

Após as reclamações do senador Magno Malta (PR-ES) e de seu aliado, o pastor Silas Malafaia, por não ter sido contemplado no ministério de Jair Bolsonaro (PSL), o presidente eleito afirmou que não prometeu nada a ninguém.

"Não fiz campanha prometendo absolutamente nada para ninguém. Não temos como dar ministério para todo mundo. Gostaria, mas não seria producente", disse.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), durante visita ao Santuário Nacional de Aparecida
O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), durante visita ao Santuário Nacional de Aparecida - Thiago Leon - 30.nov.2018/Santuário Nacional.

Bolsonaro afirmou que há espaço para Malta no governo, mas não como ministro. Na opinião de Malafaia, o senador só não foi reeleito porque se dedicou à campanha de Bolsonaro.

O presidente eleito disse que Malta ajudou muito e que o respeita. "Ele não vai ficar abandonado, mas, por outro lado, ele tem como participar do governo em outra função."

O presidente disse que a pastora e advogada Damares Alves, assessora do senador, é forte concorrente para assumir uma pasta. "Damares é forte concorrente para um ministério que se identifica muito com ela, Família e Direitos Humanos", disse.

Bolsonaro afirmou ainda que está fazendo diferente ao nomear seu ministério sem aceitar indicação de partidos, mas disse que atendeu a grandes bancadas, como a ruralista. As indicações partidárias, disse, levaram à corrupção e são uma forma que "deu errado".

Segundo Bolsonaro, os militares futuros ministros são "pessoas técnicas, responsáveis e honestas". "Não escolhi porque são militares, mas pelo seu passado, seu conhecimento."


As declarações foram dadas à imprensa nesta sexta (30) durante visita à Comunidade Canção Nova, católica, em Cachoeira Paulista, a 200 km da capital. Antes disso, esteve em uma formatura de sargentos da Aeronáutica em Guaratinguetá (SP), cidade vizinha, e visitou o Santuário Nacional de Aparecida, também na região do Vale do Paraíba. 

Bolsonaro disse respeitar todas as religiões e afirmou que foi até a basílica por ser cristão e católico. "O meu nome Messias veio por conta da gestação complicada da mãe, que era católica fervorosa."

Ao lado de padres na Comunidade Canção Nova, se emocionou ao agradecer a Deus por ter sobrevivido ao atentado a faca em Juiz de Fora (MG), durante a campanha.

"Sou sobrevivente. Aqui só estou por interferência de Deus", afirmou. Bolsonaro disse ter pedido para que a filha de oito anos não ficasse órfã.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.