Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Revelação de candidatos laranjas constrange PSL e governo, e Bolsonaro não atende ministro

Folha mostrou que partido do presidente criou candidata para usar verba de R$ 400 mil

Brasília e São Paulo

A revelação de que uma inexpressiva candidata do PSL em Pernambuco recebeu a terceira maior fatia da verba pública de campanha do PSL  causou constrangimento no partido e no governo, que abrigaram neste domingo (10) discussões internas sobre o caso.

Reportagem da Folha publicada neste domingo mostra que Maria de Lourdes Paixão obteve apenas 274 votos apesar de ter recebido R$ 400 mil do fundo partidário do PSL quatro dias antes da eleição. Ela se tornou candidata por decisão do grupo político de Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, partido de Jair Bolsonaro.

Nem a candidata nem a gráfica para a qual ela diz ter direcionado a maior parte do dinheiro souberam explicar detalhes da suposta campanha.

Bivar deu neste domingo explicações sobre o episódio no grupo de WhatsApp que reúne os parlamentares da legenda. Foi defendido por dirigentes estaduais, mas, segundo relatos, a maioria dos congressistas (55 deputados federais e 4 senadores) se manteve calada.

Jair Bolsonaro e o presidente do PSL Luciano Bivar
Jair Bolsonaro e o presidente do PSL Luciano Bivar - Divulgação

Bastante ativos nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seus filhos não se manifestaram diretamente até o início da noite. Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), porém, que é deputado federal, compartilhou mensagem de um internauta afirmando ser preciso separar o PSL do presidente, que nada teria a ver com o fato. "É mais uma facada que ele leva."

A Folha apurou que Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência) tentou falar neste domingo por telefone com Jair Bolsonaro, para explicar o caso, mas o presidente, que se recupera da cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia, não quis atender o ministro.

Bebianno foi o responsável formal em liberar a verba para a candidata de Pernambuco, já que era presidente interino do PSL nacional durante a campanha. O cargo voltou depois para Bivar, que é o fundador da sigla que abrigou Bolsonaro e seu grupo político no primeiro semestre de 2018.

A Folha encaminhou perguntas a Bebianno, que não quis se manifestar.

Na semana passada a Folha havia publicado que o atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, patrocinou um esquema de candidaturas de fachada em Minas que também receberam recursos volumosos do fundo eleitoral do PSL nacional e que não tiveram nem 2.000 votos, juntas. Parte do gasto que elas declararam foram para empresas com ligação com o gabinete de Álvaro Antônio na Câmara.

A Folha enviou perguntas a Bebianno nessa ocasião. Ele também não se manifestou. Após essa revelação, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, afirmou que esse caso deveria ser investigado.

Desde a campanha, com foco de Bolsonaro em discurso de ética e combate à corrupção, Bebianno não tem bom relacionamento com dois dos filhos do presidente, o deputado federal Eduardo e o vereador Carlos, esse último uma espécie de mentor e coordenador do conteúdo das redes sociais do pai.

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), defendeu Bivar a disse que, como dirigente do partido em Goiás, considera a situação absolutamente normal.

Bivar (R$ 1,8 milhão) e Delegado Waldir (R$ 420 mil), que foram eleitos, foram os dois que mais receberam dinheiro do PSL nacional. A terceira foi Maria de Lourdes Paixão, que é secretária administrativa do PSL de Pernambuco, terra de Bivar.

Waldir comparou o caso às apostas de cavalo.

"Você já foi em jóquei? Já fez aposta, quando começou a Copa do Mundo, por exemplo? Bolão? Nem sempre aquilo que você aposta vai ser o primeiro lugar. Às vezes um grande time acaba sendo rebaixado, nós não temos bola de cristal. Ele apostou em mim e eu fui o líder de votos no país, proporcionalmente. Ele apostou em mim e deu certo, mas apostou na outra candidata e não deu."

O deputado também disse não ver problema na transferência do dinheiro para Lourdes Paixão às vésperas da eleição. Segundo ele, é possível a apenas um funcionário distribuir nove milhões de santinhos em um único dia.

A Folha tentou ouvir todas as parlamentares eleitas do PSL. Algumas só aceitaram falar sob condição do anonimato, outras não quiseram se manifestar.

As que deram declarações públicas defenderam investigação, caso, afirmam, haja elementos para suspeita.

"Dr. Bebianno me ofereceu o fundo eleitoral, sem pedir nada em troca, e eu recusei. Defendo a extinção tanto do fundo eleitoral como do fundo partidário", disse Janaina Paschoal (SP), a deputada estadual mais votada do país. "É preciso tentar compreender se houve produção de material de dobrada [quando aparecem um candidato a deputado federal e outro a estadual, por exemplo], o que seria lícito, ou se houve a utilização das candidatas. O simples fato de as candidatas não terem sido eleitas não significa que sejam laranjas. Acho importante esclarecer melhor", acrescentou.

"Se realmente tiver acontecido isso, acredito que tenha que ser investigado, seja de qual partido for", afirmou a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

As duas, Paschoal e Zambelli, não receberam verba do PSL para suas campanhas e defendem o fim do direcionamento de dinheiro público para os candidatos.

Parlamentares da oposição se manifestaram de forma crítica nas redes sociais.

"É o terceiro caso de laranjas usados pelo PSL. O primeiro foi Flávio Bolsonaro [caso de seu ex-motorista, Fabrício Queiroz]. O segundo foi o Ministro do Turismo. Agora Luciano Bivar. PSL, Partido Suco de Laranja", escreveu o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP).

"Primeiro foi o Queiroz, Flávio e Jair Bolsonaro com o seu laranjal nos gabinetes. Depois o Ministro do Turismo com candidatas laranjas. Hoje na Folha, PSL criou candidata laranja para usar verba pública de R$ 400 mil, quatro dias antes das eleições. Teve 274 votos. Tão chamando de Partido Só de Laranjas (PSL)", escreveu Ivan Valente (SP), líder da bancada do PSOL na Câmara.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.