Descrição de chapéu Legislativo Paulista

PSL quer investigação sobre contas de campanha do presidente da Assembleia de SP

Deputado eleito Gil Diniz diz que pedirá à Promotoria que investigue o tucano Cauê Macris

São Paulo

O deputado eleito Gil Diniz, líder da bancada do PSL, diz que pedirá ao Ministério Público de São Paulo que investigue as contas da campanha de Cauê Macris (PSDB) à reeleição para deputado estadual.

Cauê é presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo e tentará se reeleger ao cargo no próximo dia 15, início da nova legislatura na Casa.

Gil afirma que há suspeita na compensação de cheques no valor de R$ 266 mil da campanha de Cauê por um posto de combustíveis do qual o tucano é sócio, em Limeira (SP). Seu pai, o deputado federal Vanderlei Macris, compensou outros R$ 615 mil. A transação foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Apesar dos repasses, a empresa do deputado não aparece na relação oficial de fornecedores das duas campanhas. Eles afirmam que o posto servia apenas como intermediário de pagamento de cabos eleitorais que não têm conta e moram no interior.​

O presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Cauê Macris - Bruno Santos/Folhapress

Nas contas de Cauê e do pai analisadas pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral), os cheques não são mencionados.

Gil Diniz já havia ido à Promotoria pedir apuração sobre doações de R$ 103,5 mil que nove funcionários comissionados da Assembleia, entre assessores e diretores, fizeram para Cauê.

Em ambos os casos, o tucano nega irregularidades e diz que agiu dentro da lei e que sua prestação de contas foi aprovada na Justiça Eleitoral.

O depoimento de Gil foi enviado ao procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Smanio, a quem cabe decidir sobre o encaminhamento do caso.

O parlamentar do PSL diz que pode adicionar as informações sobre o posto de combustíveis ao pedido de investigação já aberto ou apresentar um novo requerimento.

“As explicações dadas até agora não foram satisfatórias”, afirma Gil. Janaina Paschoal, sua colega de partido e oponente de Cauê na disputa pela presidência da Casa, também se disse favorável a uma investigação. Ela diz, porém, que não entrará com pedido.

“É uma situação tão grave que o Ministério Público haveria de agir de ofício [por iniciativa própria]. Por envolver uso de dinheiro do fundo eleitoral, até mesmo a Polícia Federal poderia agir”, diz Janaina.

Em nota, Cauê afirmou que, “para facilitar o pagamento de cabos eleitorais, muitos deles sem conta bancária”, utilizou o posto “para descontar cheques e garantir a agilidade do pagamento aos trabalhadores”.

Diz que fez isso “de maneira totalmente transparente e legal, como pode ser comprovado na sua prestação de contas aprovada pela Justiça Eleitoral”.

Segundo ele, “os cheques emitidos foram nominais e os colaboradores tiveram contrato de trabalho, foram pagos e assinaram recibo”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.