Suíça já devolveu ao Brasil R$ 1,4 bilhão relacionado a casos da Lava Jato

Mais R$ 2,6 bilhões sob suspeita seguem bloqueados no país europeu

Sede da Petrobras, no Rio de Janeiro - Sergio Moraes/Reuters
Genebra | AFP e Reuters

A Suíça anunciou nesta terça-feira (9) que já devolveu ao Brasil 365 milhões de francos suíços (cerca de R$ 1,4 bilhão) que haviam sido confiscados pela Justiça em relação ao caso de corrupção que envolve as empresas Petrobras e Odebrecht, parte da operação Lava Jato. O dinheiro retorna ao Tesouro Nacional.

Autoridades dos dois países se comprometeram a intensificar a cooperação para investigar o caso de corrupção na Petrobras, do qual cerca de 700 milhões de francos suíços (R$ 2,6 bilhões) permanecem congelados na Suíça.

"Até agora a Suíça devolveu cerca de 365 milhões de francos suíços a favor dos prejudicados no Brasil, com o consentimento das pessoas autorizadas", afirmou a Procuradoria-Geral da Suíça (OAG). "As últimas devoluções, de 9 milhões de francos suíços (R$ 34 milhões), foram realizadas no fim de março".

Cerca de 70 processos criminais estão em curso na Suíça, dois dos quais investigam grupos financeiros suíços, disse a OAG depois que o Procurador-Geral da Suíça, Michael Lauber, e a Procuradora-Geral do Brasil, Raquel Dodge, se encontraram em Brasília na segunda-feira (8).

"As duas partes assinaram uma declaração conjunta reafirmando seu compromisso de continuar e intensificar sua cooperação", afirmou a OAG em um comunicado.

Cerca de 15 processos criminais abertos na Suíça foram repassados às autoridades brasileiras. O caso também atingiu os principais operadores globais de commodities baseados na Suíça.

Os suíços estão ajudando os promotores brasileiros a investigar supostos vínculos de suborno e corrupção com as empresas Vitol, Trafigura e Glencore.

Iniciada há cinco anos, a Lava Jato revelou um esquema de desvio de dinheiro público orquestrado entre políticos, empresários e funcionários da Petrobras. Mais de 130 empresários e políticos foram condenados no Brasil pelo caso, acusados de envolvimento em propinas políticas e lavagem de dinheiro na Petrobras e na Odebrecht

Desde abril de 2014, o Ministério Público suíço investiga o caso, "em particular as suspeitas de lavagem de dinheiro com agravante e, em muitos casos, as suspeitas de corrupção de agentes públicos estrangeiros", afirmou o órgão, em comunicado.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.