MBL admite culpa por polarização no país e exagero em sua agressividade retórica

Coordenador Renan Santos diz que grupo se distancia de Bolsonaro e quer ser 'paz e amor' no diálogo

Carolina Linhares Fábio Zanini
São Paulo

Prestes a completar cinco anos e com um documentário no forno, o MBL (Movimento Brasil Livre) quer sanar o debate público que admite ter ajudado a deteriorar.

Em entrevista à Folha, o coordenador nacional Renan Santos, 35, reconhece que ele e seus colegas abriram "a caixa de Pandora de um discurso polarizado". 

Ao assumir exageros, como no episódio do cancelamento da mostra Queermuseu, o MBL se distancia ainda mais do governo Jair Bolsonaro (PSL). A postura crítica já lhes rendeu a perda de 400 mil seguidores em diversas redes sociais, pouco menos de 10% do seu público.

Com 5.500 membros em 250 cidades, Santos diz que o movimento, que ficou conhecido pela agressividade retórica contra opositores e a imprensa, pretende agora se voltar mais para temas locais em detrimento dos nacionais. Promete ser "paz e amor na forma de dialogar com o outro". ​

O coordenador do MBL Renan Santos, no escritório do MBL, na Vila Mariana, em São Paulo - Eduardo Anizelli/Folhapress

Passados o impeachment e a eleição de 2018, qual balanço você fazVamos fazer cinco anos em novembro. No impeachment, tivemos um protagonismo grande, foi uma coisa tangível. E tem também o intangível. O discurso que o Paulo Guedes tem hoje, sobre privatização, a ideia de enxugar gastos, muito antes disso os temas liberais já estavam sendo levados por nós. O problema é que focamos muito o liberalismo econômico, e o liberalismo político perdeu força. Tanto que a ideia de democracia é questionada. Tivemos um déficit de atuação nesse ponto.

Vem daí o distanciamento do MBL com o Bolsonaro? Em parte, sim. A direita que surgiu no Brasil é dividida em três partes: uma é baseada na ideia de ordem; outra é moralista, quase udenista, a da Lava Jato; e outra é reformista e modernizadora, a do MBL. Em 2015, entramos com liminar para proibir o pessoal da intervenção militar de se manifestar no nosso ato. Hoje, eles são mainstream. Então, tem alguma coisa que não está funcionando.

Como vê a crítica de que o MBL ajudou a criar essa situação? A antipolítica esteve em conflito conosco já em 2015. O Olavo de Carvalho defendia a tese da intervenção militar, que invadissem o Congresso. Nós mesmos não nos importamos muito com isso na época. E aí entra o nosso erro. Trabalhamos a ideia de espetacularização da política, e isso funcionou para a gente enfrentar os inimigos. Mas começou a funcionar para todo mundo, inclusive para pessoas que não têm as mesmas concepções que as nossas. A gente tem uma responsabilidade num agravamento do discurso público? Temos. Temos que fazer essa mea culpa. O que queremos é que os outros agentes políticos também a façam: a esquerda, a imprensa...

O que fariam de diferente? A gente espetacularizaria menos, simplificamos demais a linguagem política. A gente polarizou, e era fácil e gostoso polarizar. Quando começaram a proliferar as camisetas do Bolsonaro e as pessoas diziam "mito, mito", a ideia de infalibilidade dele, muito foi porque ajudamos a destampar uma caixa de Pandora de um discurso polarizado.

Vocês sempre tiveram uma retórica agressiva. Houve exagero? Nós exageramos em diversos momentos? Sim. Muitas vezes a Folha, o Estado [de S. Paulo], cometeram injustiças com a gente. Se você ficasse quieto e tomasse porrada, perderia uma determinada narrativa. A questão é que, a partir de determinado momento, a narrativa valia mais que o objeto da nossa ação.

Algum exemplo de exagero? Fizemos um vídeo atacando o Luciano Huck, que poderia ser candidato [a presidente]. Eu escrevi o roteiro. Passou dois ou três dias, falei: por que eu fiz esse vídeo? Desnecessariamente agressivo.

Como se sente quando o MBL é chamado de traidor da direita? Eu não dou bola. Nós criamos os estímulos da polarização, e esses estímulos podem ser usados contra nós mesmos. O cara da extrema direita ganha muito ao nos chamar de traidor. Ganha views, ganha likes.

Foi um erro ter apoiado Bolsonaro no segundo turno? Foi um erro endossar candidaturas majoritárias. Erramos em apoiar [João] Doria. Erramos em endossar Bolsonaro no segundo turno. Mas também não havia o que fazer. Se o PT chegasse ao poder, a gente teria guerra civil. A classe média e o centro-sul não iriam aceitar o resultado.

Você vê o PT como um mal maior que Bolsonaro? Sim. Vejo o PT com zero de autocrítica.

Qual avaliação faz do governo? [Pensa por 8s, ensaia responder e pensa mais 7s] É mais ou menos o que eu estava esperando. Tem uma dose grande de patrimonialismo, uma visão da máquina pública diferente da que nós reformistas temos. E tem o Paulo Guedes, é um governo que lida com essas contradições.

E o Moro? Respeito pra caramba o trabalho da Lava Jato, mas não era bom colocar uma figura da Lava Jato como ministro. Quando a gente começa a misturar com governo, a gente passa a cruzar algumas linhas que não acho bom. 

E os diálogos vazadosO grande problema é: o que disso foi editado? Dando esse material como verdadeiro, não vi nada capital, mas vi algumas coisas que não são boas, e que ao se acumularem podem gerar um desengajamento moral nas pessoas.

A exposição do Queermuseu também merece mea culpa? Aquilo surgiu de uma matéria da Veja que disse que o MBL foi lá fazer um ato, e na verdade foi uma pessoa que não tinha nada a ver com o MBL. Eu acordei numa segunda-feira e de repente descubro que fechei o museu. Pensamos: bom, já que estão nos jogando na briga, vamos então comprar a briga de que, se as pessoas não acham correto dinheiro público financiar uma exposição em que não acreditam, têm direito a fazer boicote. Mas não deveríamos ter entrado e participado da polarização. Não precisávamos ter feito o barulho que fizemos.

Qual o futuro do MBL? Sair um pouco do debate do dia a dia. Em vez de ficar militando sobre qualquer microtema, vamos tirar o pé e estudar como construir uma nova linguagem política. Queremos ter uma relação mais humana com a galera que segue a gente, e não uma relação de "vamos para o pau".

Qual grande causa faria com que vocês colocassem gente na rua? Colocar gente na rua o tempo todo é sintoma de um problema. Não é abdicar disso. A manifestação tem que ser usada com inteligência. Se não, banaliza, vira festival, comício. O nosso principal papel, ainda que o mais emblemático sejam as manifestações, foi a participação no debate público, a criação de grupos em mais de 200 cidades. 

Vão olhar mais para a base? Sim, a política de verdade está no município. A política nacional virou espetáculo e narrativa. No município, os problemas são reais e não adianta justificar que foi o Foro de São Paulo ou o golpe das elites que fez o buraco na rua. Vimos que nosso discurso ficou muito preso num debate de classe média. Como levar o liberalismo para pessoas mais pobres? Vamos entrar num tema que é bem importante, que é a regularização fundiária. Vamos começar o conceito básico do liberalismo, a propriedade.

Ainda existe a ideia de formar um partido? Já existiu. Mas percebemos que não adianta formar um partido com um ambiente político deteriorado. Então, o trabalho do MBL é ajudar a sanar o ambiente político. Tivemos vários méritos em tornar ele mais participativo, mas tivemos deméritos em torná-lo mais tóxico. Hoje, grande parte das pessoas quer fechar o Congresso. Está errado, a gente errou também nisso daí.

Você falou de liberalismo político, o que propõem? Falamos em voto distrital misto e candidaturas independentes. O tema do nosso congresso nacional deste ano é reforma política. Queremos chamar elementos da esquerda para discutir, da direita. Todo mundo concorda que o sistema representativo não está a contento. Se conseguirmos que o debate seja saudável, voltaremos a fazer aquilo que ousamos em 2014, que é ser inovador na linguagem política.

O coordenador do MBL Renan Santos, no escritório do MBL, na Vila Mariana, em São Paulo - Eduardo Anizelli/Folhapress

​​No começo, vocês tinham uma marca de rebeldia. Agora vocês estão se tornando algo mais parecido com a política institucional? Hoje, buscar o diálogo e fugir da treta é a maior rebeldia que se pode ter. Eu já tive banda, frequentava a rua Augusta. Hoje, se eu passar na Augusta, vai ter porrada. O que deu errado? Eu quero concordar com um cara de esquerda com quem eventualmente eu conversava. O que podemos fazer para reestabelecer pontes com as pessoas? 

Seria o MBL paz e amor? É um MBL que não abdica de seus valores. Não é uma frouxeza no caráter ou nas convicções, mas uma abertura de espírito, uma paz e amor na forma de dialogar com o outro. 

Essa mudança está pacificada no movimento? Nós conversamos e isso vai ser implementado. Não temos pessoas convictas contrárias a isso. Temos pessoas que estão viciadas e presas. Muitas pessoas, incluindo nós, viramos cracudos, craqueiros políticos. Tem que fazer o cara largar da droga do discurso fácil. É simbólico que a gente lance o documentário neste momento, é como se encerrasse um ciclo. Agora vai começar o MBL que chamamos de 3.0.


DOCUMENTÁRIO SERÁ LANÇADO EM SETEMBRO

O filme "Não Vai Ter Golpe", sobre a atuação do MBL no impeachment de Dilma Rousseff (PT), tem pré-estreia programada para 2 de setembro em São Paulo. No dia seguinte, será exibido no Rio e, no dia 4 de setembro, em Curitiba.

O MBL negocia a distribuição do documentário com plataformas de VOD (Video On Demand). Com 9 capítulos e duração de 2 horas, o filme foi produzido pelo próprio MBL, que diz tê-lo bancado com recursos próprios e não sabe estimar quanto custou.

Os diretores Alexandre Santos e Fred Rauh iniciaram o projeto em 2018. São entrevistados Janaina Paschoal (PSL), Bruno Araújo (PSDB), Ronaldo Caiado (DEM), Luiz Felipe Pondé, Rodrigo Constantino e outros nomes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.