Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Parentes de Bolsonaro foram a casamento de Eduardo em helicóptero da Presidência

Segundo Planalto, voo foi autorizado para garantir a segurança dos familiares do presidente

São Paulo

​Um helicóptero da Presidência da República foi usado para transportar convidados para o casamento do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), em maio. O governo alegou "razões de segurança" para autorizar o voo.

Vídeos da ocasião foram divulgados em redes sociais por um sobrinho do presidente, Osvaldo Campos Bolsonaro. A informação foi revelada nesta sexta-feira (26) pelo site G1.

Eduardo se casou com a psicóloga gaúcha Heloísa Wolf, no dia 25 de maio, em cerimônia no Rio de Janeiro. Familiares da região do Vale do Ribeira, em São Paulo, que foram chamados para o evento se deslocaram de helicóptero entre o aeroporto de Jacarepaguá e o Santos Dumont, que fica próximo do local da celebração.

De carro, o trajeto tem cerca de 35 km e levaria 35 minutos. Segundo o site, foram 14 minutos de voo na aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira).

Nas imagens que foram publicadas, é possível ver que o grupo de aproximadamente dez pessoas chegou de van à pista de embarque. No veículo estavam irmãs de Bolsonaro e o deputado federal Helio Lopes (PSL-RJ), o Helio Negão, amigo do presidente.

Em nota, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) informou que, pela lei, é "responsável por zelar pela segurança do presidente e vice-presidente da República, bem como de seus familiares".

"Por razões de segurança, o coordenador de segurança de área neste evento, exercendo competências contidas no decreto nº 4.332, de 12 de agosto de 2002, decidiu que o presidente da República e familiares fossem transportados em helicópteros da Força Aérea Brasileira", afirmou a pasta.

Segundo o GSI, o procedimento adotado foi justificável e seguiu, "na íntegra, a legislação vigente".

Eduardo, que foi indicado pelo pai para ser embaixador do Brasil em Washington, se uniu a Heloísa em uma casa de festas em Santa Teresa (região central do Rio), com vista para o Pão de Açúcar e para o Corcovado. O local é cercado por comunidades com altos índices de violência.

Como a Folha registrou na ocasião, o evento contou com cerca de 150 convidados e foi realizado sob forte esquema de segurança, a cargo de homens da Polícia Militar e do Exército.

O gabinete do deputado Hélio Negão informou ao G1 que ele integrava a comitiva presidencial e acompanhou Bolsonaro até o casamento. Segundo o relato do site, as imagens indicam que ao lado do helicóptero no qual os parentes embarcaram estava estacionado um outro, que é usado pelo presidente.

Na gravação feita pelo sobrinho de Bolsonaro, ele anuncia aos seguidores: "Vamos passear de... helicóptero, helicóptero. Vamo lá". No momento em que descem da van, Osvaldo grita: "Saiu a caravana do Vale do Ribeira! Direto para o Rio de Janeiro. Vamo, caravana!"

O vídeo foi apagado do perfil dele nesta sexta, depois que o episódio se tornou público.

Líder da oposição ao governo na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (PSB-RJ) cobrou investigação da PGR (Procuradoria-Geral da República) sobre o caso.

"Se o helicóptero presidencial foi usado irregularmente, para levar parentes do presidente para o casamento de um de seus filhos, a ordem deve ter partido do Gabinete de Segurança Institucional ou da Presidência da República", afirmou em uma rede social.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no Senado, também criticou a carona, disse que entrará com processo contra o governo e prometeu acionar o Ministério Público Federal.

"Vamos pedir na Justiça ressarcimento aos cofres públicos, através de uma ação popular, do uso indevido do helicóptero da FAB para transportar parentes de Bolsonaro ao casamento do filho 03", afirmou o parlamentar.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.