Aécio não constrange, meu partido tinha Queiroz, diz Frota ao se filiar ao PSDB

Doria afirma que entrada de deputado expulso do PSL não visa fazer oposição ao governo Bolsonaro

Carolina Linhares
São Paulo

Ao formalizar sua filiação ao PSDB após ter sido expulso do PSL, o deputado federal Alexandre Frota (SP) afirmou nesta sexta-feira (16) que não fica constrangido em pertencer ao partido de Aécio Neves, acusado de corrupção.

"Não fico [constrangido], imagina, eu estava num partido que tinha o Queiroz", disse a jornalistas, referindo-se ao escândalo de movimentações suspeitas nas contas do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). 

Frota afirmou que a eventual expulsão do ex-governador de Minas é "um problema do PSDB e do Aécio".

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com Alexandre Frota, durante evento de filiação do deputado federal ao PSDB - Eduardo Anizelli/Folhapress

O evento de filiação teve a participação do governador paulista, João Doria (PSDB), que articulou a entrada de Frota no partido, e do presidente da sigla, Bruno Araújo (PE).

"Não estamos filiando Alexandre Frota para fazer oposição ao governo Bolsonaro, estamos filiando Frota para ajudar a defender o Brasil", disse Doria.

"Para ajudar esse novo Brasil, nós não precisamos estabelecer nenhum tipo de antagonismo com quem quer que seja, mas defender as boas causas", completou o tucano.

"No novo PSDB, tem espaço para quem toma decisões, tem espaço para quem tem coragem de falar", disse Doria, referindo-se à postura de Frota. 

Frota foi expulso do PSL, partido de Jair Bolsonaro, na terça (13), por ter feito críticas reiteradas ao presidente e a seu governo. Ele foi acusado de infidelidade partidária. 

Ao acolher o deputado, Doria dá mais um sinal de distanciamento do presidente da República.

Ambos devem se enfrentar em 2022, já que o tucano tem planos de concorrer à Presidência. Após ter colado em Bolsonaro para se eleger no segundo turno no ano passado, Doria tem feito contrapontos ao presidente e já disse não ter alinhamento político com ele. 

Por outro lado, Frota, que já criticou o PSDB no passado, disse ter mudado de ideia em relação ao partido. "É, mudei, estou aqui", respondeu. O parlamentar já chamou o PSDB de sujo e corrupto em vídeo gravado antes da campanha eleitoral de 2018.

Na gravação, Frota critica duramente o então pré-candidato Geraldo Alckmin (PSDB) por sua aliança com partidos do centrão. Diz que o tucano “está de quatro” e outras referências mais impublicáveis. Afirma que o PSDB e o PT são igualmente corruptos, é que a sigla tucana é “suja como a bunda do PT”.

Nesta sexta, Frota afirmou que não se arrepende de nada do que disse e que não deve desculpas. "O novo PSDB pra mim começa agora, então o passado é o passado, mas eu não tenho que pedir desculpa a ninguém, nem ao Alckmin."

Alckmin não esteve no evento de filiação, que teve a presença do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), de dirigentes locais e dois deputados federais. A militância tucana estava em menor número em comparação com atos semelhantes anteriores.

Alexandre Frota (de pé) discursa no evento em que se filiou ao PSDB; sentados, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, o presidente nacional do partido, Bruno Araújo, o governador João Doria e o presidente do Instituto Teotônio Vilela em São Paulo, Flávio Amary
Alexandre Frota (de pé) discursa no evento em que se filiou ao PSDB; sentados, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, o presidente nacional do partido, Bruno Araújo, o governador João Doria e o presidente do Instituto Teotônio Vilela em São Paulo, Flávio Amary - Eduardo Anizelli/Folhapress

A chegada de Frota encontra resistência entre alguns tucanos, que estudam entrar com uma representação contra a filiação. A possibilidade de isso prosperar, porém, é baixa porque a presidência nacional do partido, nas mãos de Araújo, é alinhada a Doria

A filiação do deputado também foi recebida com ressalvas na bancada feminina do PSDB. Em 2015, em entrevista na televisão, ele narrou um suposto estupro que cometeu. O caso lhe rendeu uma acusação de apologia ao estupro, que terminou arquivada.

Em sua fala ao lado dos tucanos, Frota afirmou que "não teve dúvida em aceitar o convite de Doria", a quem chamou de amigo. "Eu venho para somar, não para disputar lugar, para dividir, chego para trabalhar de verdade", disse.

"Sou soldado, sou guerreiro, vou pra cima. Se o João [Doria] soltar a rédea, eu vou pra cima. Quem vai segurar é ele", completou. O deputado disse esperar ter liberdade e independência no PSDB. 

Doria também rasgou elogios a Frota, dizendo que sua relação com ele é anterior à entrada de ambos na política. O governador paulista lembrou que o deputado apoiou sua eleição em 2018, contrariando orientação da direção estadual do PSL na época. 

"Este rapaz aqui, no PSL, disputando seu mandato, ao lado da Joice Hasselmann [PSL-SP], foram os dois que tiveram a coragem de nos apoiar durante a difícil campanha para o governo do estado de São Paulo. Frota e Joice fizeram isso corajosamente, dando demonstração de independência, de autonomia e de discernimento. E pra isso não precisaram ofender a ninguém", disse. 

Próxima de Doria, Joice planeja concorrer à Prefeitura de São Paulo no ano que vem, e era a candidata apoiada por Frota. Nessa sexta, questionado pela imprensa, Frota disse que, estando no PSDB, irá apoiar a reeleição de Covas.

Durante o evento, a atuação de Frota pela reforma da Previdência foi elogiada pelos tucanos. O próprio deputado disse que chegou ao Congresso desacreditado.

Araújo afirmou que tinha dúvida sobre "a eficiência de Alexandre Frota na vida pública" e se surpreendeu. "Foi um deputado sereno, maduro, corajoso e que se aliou com as posições que o PSDB defende", disse.

Já Covas afirmou que Frota será o único deputado federal tucano da capital —nenhum foi eleito em 2018. Com ele, a bancada na Câmara é de 31 deputados.

Ainda no evento, Frota agradeceu os convites de outros partidos —DEM, PRB, Podemos, PL, MDB e PP.

O deputado estava acompanhado da mulher, do filho e da filha, de apenas seis meses. 

Em entrevista à Folha publicada nesta sexta, o deputado afirmou que Bolsonaro é um "idiota ingrato que nada sabe", que a cadeira de presidente ficou grande para ele e que o atual governante do país "se lambuzou com o mel da Presidência". Frota disse ainda que Bolsonaro foi quem pediu sua expulsão do PSL.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.