Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro diz que seu filho Carlos falou 'o óbvio' em mensagem sobre democracia

Em entrevista, presidente disse que frase teve grande repercussão só porque foi escrita por seu filho

Gustavo Uribe
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) saiu em defesa nesta segunda-feira (16) de seu filho Carlos Bolsonaro, vereador pelo PSC-RJ, e disse que ele falou "o óbvio" em mensagem sobre democracia publicada na semana passada em rede social.

O filho do presidente escreveu que, por meios democráticos, não haverá as mudanças rápidas desejadas no país, o que foi visto como uma ameaça ao atual sistema político e criticado tanto por entidades civis como pela classe política.

O presidente Jair Bolsonaro chega ao Palácio da Alvorada após passar dias em São Paulo, onde foi submetido a uma cirurgia para correção de uma hérnia
O presidente Jair Bolsonaro chega ao Palácio da Alvorada após passar dias em São Paulo, onde foi submetido a uma cirurgia para correção de uma hérnia - Pedro Ladeira/Folhapress

Em entrevista à TV Record, Bolsonaro disse que o vereador tem razão, já que, em um governo de exceção, medidas seriam aprovadas mais rapidamente, mas defendeu o regime democrático e afirmou que respeita o Poder Legislativo.

"É uma opinião dele e ele tem razão. Se fosse em Cuba ou na Coreia do Norte, já não teria aprovado tudo o que é reforma? Sem Parlamento? Demora porque tem a discussão, isso é natural", afirmou.

O presidente disse que não tem o poder de influenciar o Congresso Nacional e ressaltou que nem pretende tê-lo "em nome da democracia". Para ele, a declaração teve grande repercussão só porque foi dita por um filho dele.

"São demoradas, sim, e ele até falou o óbvio. Eu se tivesse no português agora, no meu tempo de garoto, ia falar que essa é uma figura de linguagem conhecida como pleonasmo abusivo. Como o leite é branco, o café é preto ou o gelo é gelado. Coisa óbvia", disse.

Ele ressaltou que o presidente é ele, não o vereador, e que ele nunca disse que a democracia poderia ser feita de maneira diferente. Bolsonaro acrescentou que tem buscado o Poder Legislativo sempre que possível.

"Logicamente, tenho minhas críticas ao Parlamento e o Parlamento tem para comigo. Gostaria que fosse mais rápido, até por questões óbvias, porque o Brasil não pode continuar marcando o passo em algumas coisas", disse.

Na mesma entrevista, o presidente antecipou que o discurso que pretende fazer na abertura da Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), na semana que vem, terá um tom conciliatório em defesa da soberania nacional.

"Eu tenho de estar preparado para sustentar um discurso de 20 minutos. Já comecei a rascunhar. Será um discurso diferente dos que me antecederam. É conciliatório, sim, mas vai reafirmar a questão da nossa soberania e do potencial que o Brasil tem", disse.

Bolsonaro fez mais um aceno ao ministro da Justiça, Sergio Moro, que vem sendo desautorizado pelo presidente nos últimos meses. Ele disse que o auxiliar presidencial tem prestado um bom trabalho ao Brasil.

O ministro visitou o presidente, acompanhado de sua esposa, ao hospital na capital paulista onde ele permaneceu por mais de uma semana após realizar cirurgia para correção de uma hérnia.

"Não se visita com a esposa se não houver um clima amistoso. Era para ser cinco minutos e ficamos quase uma hora", disse. "Quero agradecer o Moro pelo trabalho que ele tem prestado ao Brasil", acrescentou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.