Confira resumos de conversas grampeadas de Lula com Temer e aliados

Petista disse a diferentes interlocutores que relutou em aceitar o convite de Dilma para ser ministro e só topou após sofrer pressões

Ricardo Balthazar e Felipe Bächtold, da Folha Bruna de Lara, Paula Bianchi e Leandro Demori, de The Intercept Brasil
São Paulo e Rio de Janeiro

A Folha teve acesso a registros inéditos dos policiais federais que monitoraram ligações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2016.

Em 16 de março de 2016, quando o juiz Sergio Moro mandou interromper a escuta dos telefones do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, as operadoras levaram algumas horas para cumprir a ordem e a Polícia Federal continuou gravando suas conversas.

A Folha analisou, em em parceria com o site The Intercept Brasil, resumos produzidos por agentes da PF sobre  22 conversas grampeadas após a interrupção da escuta.

Essas conversas colocam em xeque a hipótese adotada na época por Moro, de que a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil, em 2016, tinha como objetivo travar as investigações sobre ele, transferindo seu caso de Curitiba para o STF. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.