Garotinho, Rosinha e subsecretário de Witzel são presos em operação no Rio

Casal é suspeito de superfaturamento em contratos com Odebrecht para construção de casas populares

Rio de Janeiro

Os ex-governadores do Rio Anthony e Rosinha Garotinho foram presos preventivamente nesta terça-feira (3) em operação realizada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

O casal é suspeito de ter superfaturado contratos celebrados entre a Prefeitura de Campos dos Goytacazes e a construtora Odebrecht durante os dois mandatos de Rosinha como prefeita, de 2009 a 2016.

Com as prisões, eles se juntam a Sergio Cabral e a Luiz Fernando Pezão no rol de ex-governadores fluminenses que estão detidos. Garotinho (atualmente sem partido) governou o Rio de 1999 a 2002 e Rosinha (Patriota-RJ), de 2003 a 2007. 

Os pedidos de prisão e de busca e apreensão foram determinados pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Campos dos Goytacazes. 

Os contratos sob suspeita foram firmados para a construção de casas populares dos programas Morar Feliz 1 e Morar Feliz 2.

As investigações começaram a partir de delações de dois executivos da Odebrecht, Leandro Andrade Azevedo e Benedicto Barbosa da Silva Junior, firmadas com o Ministério Público Federal no âmbito da Lava Jato.

Em seguida, promotores dizem ter verificado que os procedimentos licitatórios para a construção de moradias populares haviam sido direcionados para que a Odebrecht saísse vencedora. O órgão afirma ter identificado superfaturamento de pelo menos R$ 62 milhões.

Segundo o Ministério Público do Rio, foram pagos pela Odebrecht R$ 25 milhões em vantagens indevidas. De acordo com o órgão, os ex-governadores receberam quantias ilícitas em espécie. 

Os pagamentos teriam sido realizados pelo setor de operações estruturadas da Odebrecht, também conhecido como setor de propinas.

De acordo com o Ministério Público, as planilhas entregues pelos colaboradores indicavam o codinome do beneficiário, valor, data do pagamento e, em alguns casos, até a obra vinculada ao pagamento.

Além de Garotinho, Rosinha, Leandro e Benedicto, também foram denunciados e presos outro executivo da empresa, Eduardo Fontenelle, e três pessoas da confiança dos ex-governadores: Sérgio Barcelos, Ângelo Cardoso Gomes e Gabriela Quintanilha.

O Ministério Público diz que o trio ajudava a efetivar o recebimento das quantias.

Sérgio Barcelos é subsecretário na atual gestão Wilson Witzel (PSC) e, segundo o governo do estado, será exonerado do cargo. Ele foi nomeado em agosto na Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

Anteriormente, Sérgio havia passado pela liderança do PSL na Assembleia Legislativa do Rio e pelo gabinete do deputado estadual Gil Vianna (PSL).

Sérgio foi nomeado após o afastamento da ex-secretária de Direitos Humanos Fabiana Bentes pelo governo Witzel. A exoneração de Fabiana e de parte de sua equipe ocorreu no início de agosto.

OUTRO LADO

Em nota, a defesa de Garotinho e Rosinha nega as acusações, diz que a prisão é "ilegal e infundada" e que irá recorrer da decisão.

Ela afirma que a Odebrecht ingressou com uma ação contra o município de Campos para receber mais de R$ 33 milhões porque considerou ter sofrido prejuízo no contrato firmado.

"A defesa estranha, portanto, que o Ministério Público fale em superfaturamento quando a própria empresa alega judicialmente ter sofrido prejuízo", diz a nota.

O advogado de Garotinho e Rosinha diz ainda lamentar o que chama de "politização do Judiciário de Campos e do Ministério Público". 

Filha do casal, a deputada Clarissa Garotinho disse que Garotinho estava isolado dos demais detentos.

A defesa deverá reivindicar o mesmo tratamento conferido ao ex-governador Luiz Fernando Pezão, também detido preventivamente e que ocupa uma cela especial da Unidade Prisional da Polícia Militar, no bairro do Fonseca, em Niterói.

Garotinho, por sua vez, foi conduzido a Benfica, no mesmo presídio onde afirma ter sido agredido anteriormente com possível conivência de agentes de segurança.

A reportagem ainda não conseguiu falar com os advogados dos outros suspeitos.

HISTÓRICO

Garotinho já havia sido preso três vezes. Em novembro de 2016, na Operação Chequinho, foi detido acusado de comandar um esquema de compra de votos na eleição em Campos, sua base eleitoral.

Segundo as investigações, Garotinho usou o programa Cheque Cidadão para fins eleitorais, dobrando o número de beneficiários, que não passavam pelo crivo do cadastro ou avaliação de assistentes sociais. 

Ele chegou a ser condenado a 9 anos e 11 meses de prisão neste processo e preso outra vez em setembro do ano seguinte. Na ocasião, três agentes da Polícia Federal cumpriram mandado de prisão domiciliar contra o ex-governador, que apresentava seu programa de rádio.

Ao lado da mulher, Rosinha, o ex-governador foi preso novamente em novembro de 2017, a partir de investigações que apuravam os crimes de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação de contas eleitorais.

Inquérito da Polícia Federal identificou que a JBS havia firmado contrato fictício com uma empresa para repassar R$ 3 milhões para a campanha derrotada de Garotinho ao governo do Rio em 2014.

Rosinha foi solta dias depois por decisão do Tribunal Regional Eleitoral, enquanto Garotinho foi libertado em dezembro pelo então presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Gilmar Mendes.

Garotinho também foi condenado em 2010 por formação de quadrilha, sentença confirmada pelo TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) em setembro do ano passado.

O caso envolvia a nomeação de policiais civis, que assumiam delegacias na zona oeste para favorecer o contrabando de peças para máquinas de apostas e para permitir a exploração do jogo ilegal pelo grupo comandado pelo contraventor Rogério Andrade.

Em outubro do ano passado, o ministro do STF Ricardo Lewandowski determinou que Garotinho ficasse solto até que se esgotassem seus recursos na Justiça.

Garotinho tentou concorrer ao governo do Rio nas eleições de 2018, mas teve a candidatura barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), com base na Lei da Ficha Limpa.

Ele foi condenado por improbidade administrativa em maio de 2018, sob acusação de fraudes na saúde durante o mandato de sua mulher, Rosinha (2003-2006), que geraram mais de R$ 234 milhões de danos ao erário. Em dezembro do ano passado, Rosinha foi condenada na mesma ação. 

Além disso, o TSE avaliou que outra condenação também impedia Garotinho de ser candidato.

Em 2018, o ex-governador foi condenado em segunda instância por calúnia contra o juiz federal Marcelo Leonardo Tavares, a partir de publicações em seu blog pessoal, e teve seus direitos políticos cassados. Ele não recorreu e o processo foi definitivamente encerrado em março do ano passado.

Colaborou Catia Seabra

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.