Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Maioria discorda de frases de Bolsonaro sobre Nordeste, filhos e cocô, diz Datafolha

Levantamento aponta que 70% discordam de declaração do presidente sobre beneficiar filho com indicação de embaixador

São Paulo

​A maioria da população discorda de declarações controversas dadas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) nas últimas semanas, aponta pesquisa do Datafolha.

Desde que incorporou à sua rotina manifestações diárias a jornalistas na frente do Palácio da Alvorada, no mês de julho, o presidente subiu o tom de declarações, contribuindo até para uma crise diplomática por causa de comentários sobre incêndios na Amazônia.

Em pesquisa feita entre os dias 29 e 30 de agosto em 175 municípios em todo o país, o Datafolha questionou os entrevistados especificamente sobre quatro afirmações feitas por Bolsonaro recentemente.

O presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa ao deixar o Palácio da Alvorada
O presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa ao deixar o Palácio da Alvorada - Antonio Cruz - 24.jul.19/Agência Brasil

Uma dessas frases foi sobre preservação ambiental: "É só você deixar de comer um pouquinho. Você fala para mim em poluição ambiental. É só você fazer cocô dia sim, dia não". A declaração foi dada a jornalistas na saída do Alvorada em 9 de agosto.

Segundo o Datafolha, 88% dos entrevistados disseram discordar da declaração do presidente, e 10% disseram concordar com o que foi dito. Não concordam nem discordam 1% dos entrevistados, e 2% não souberam responder.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%. Foram ouvidas 2.878 pessoas.

Outra declaração pesquisada pelo Datafolha em contexto de discussão sobre meio ambiente foi: "As pessoas que têm mais cultura têm menos filhos. Eu sou uma exceção à regra, tenho cinco".

Em relação a essa afirmação, dada também no dia 9, 63% disseram que discordam de Bolsonaro, e 33% afirmaram que concordam.

Uma das afirmações de Bolsonaro que geraram mais repercussão nos últimos meses usou um termo pejorativo para se referir ao Nordeste.

"Daqueles governadores 'de paraíba', o pior é o do Maranhão. Tem que ter nada com esse cara", disse antes do início de um café com jornalistas em julho.

Segundo a pesquisa, disseram discordar com essa afirmação 69% dos entrevistados, e 22% concordaram. 

O Datafolha também ouviu os entrevistados sobre afirmação feita por Bolsonaro a respeito da indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho dele, para a Embaixada do Brasil em Washington.

"Pretendo beneficiar um filho meu, sim. Pretendo, está certo. Se puder dar um filé mignon ao meu filho, eu dou", disse o presidente no dia 18 de julho, em transmissão ao vivo em redes sociais.

Em relação a essa declaração, disseram discordar 70% dos entrevistados, e 27% disseram concordar. Não concorda nem discorda 1%.

No recorte por estrato da população, a rejeição às afirmações de Bolsonaro tende a cair alguns pontos percentuais no Sul do país, onde o presidente conseguiu seu melhor resultado no segundo turno da eleição de 2018, e entre eleitores que declararam ter escolaridade de nível fundamental. 

A discordância às quatro afirmações citadas sobe entre jovens de 16 a 24 anos e no grupo com renda familiar mensal de mais de dez salários mínimos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.