Procurador que denunciou Glenn foi do Exército e já processou Lula em duas ações

Wellington Oliveira, do Ministério Público Federal em Brasília, tem perfil discreto e é avesso ao contato com a imprensa

Brasília

De perfil discreto e avesso ao contato com a imprensa, o procurador da República Wellington Oliveira, 51, é visto como membro isolado da estrutura do Ministério Público Federal.

Oliveira denunciou nesta terça-feira (21) sete pessoas sob acusação de envolvimento no hackeamento de mensagens de autoridades como o ministro da Justiça, Sergio Moro. Entre os denunciados está o jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, que recebeu os diálogos de uma fonte anônima.

Membro do MPF desde março de 2004, Oliveira foi do Exército durante 13 anos, onde chegou a sargento. Também atuou na Defensoria Pública do Distrito Federal entre julho de 2002 e março de 2004.

Em 2019, sofreu ataques de grupos ligados à esquerda quando denunciou o presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz, sob a acusação de ter caluniado o ministro Moro. A ação foi rejeitada pela Justiça.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também já foi alvo do procurador em duas oportunidades.

Em 2007, Oliveira acusou o petista de improbidade administrativa ainda no exercício da Presidência, sustentando que o governo fez superávit primário com recursos que deveriam ser usados em ações sociais —a ação foi rejeitada.

À época, Oliveira disse que iam interpretá-lo como um "pobre maluco" que "não tinha o que fazer" e que trabalhou por sete meses para "perseguir Lula". "Talvez o presidente Lula diga que não sabia outra vez. Como ele disse que não sabia o que acontecia do lado do gabinete do mensalão."

O então presidente Lula lê panfleto no Palácio do Planalto, em 2003, com crucifixo ao fundo
O então presidente Lula lê panfleto no Palácio do Planalto, em 2003, com crucifixo ao fundo - Alan Marques - 19.set.03/Folhapress

Em 2016, o procurador pediu ao então juiz Sergio Moro acesso a documentos relativos aos presentes recebidos por Lula durante a Presidência. Ele abriu uma investigação sobre suposta apropriação indevida de um crucifixo por Lula.

Dois anos depois, Oliveira chegou a pedir o arquivamento das investigações, mas a decisão foi rejeitada pela Justiça. Ele saiu do caso logo em seguida.

O processo segue em andamento, sob a responsabilidade do procurador Frederico Paiva.

Procurado, Wellington Oliveira não se manifestou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.