Efeito das fake news sobre o voto não é tão dramático quanto se pensa, diz cientista política

Para Nara Pavão, notícias falsas ainda serão um problema nas eleições de 2020, mas instituições estão mais preparadas para lidar com a questão

São Paulo

Pesquisadora de temas como opinião pública e comportamento do eleitor, a cientista política e professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Nara Pavão afirma que fake news são utilizadas como estratégias de campanha —e precisam ser punidas como tal.

Nara participou de um estudo que analisou a crença em fake news e o sucesso de suas correções antes e durante as eleições de 2018. Os resultados, diz, trazem um certo alento. 

Nara Pavão, 36, é professora da Universidade Federal de Pernambuco e tem PhD em ciência política pela Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos. Fez ainda pós-doutorado no Centro para Estudos das Instituições Democráticas da Universidade Vanderbilt, também nos EUA - Leo Caldas/Folhapress

Embora um terço das pessoas acredite em fake news, e o chamado “fact checking” tenha pouco impacto, os mais influenciados são aqueles que já têm convicções políticas muito fortes e não têm a escolha do voto afetada pelas notícias, sejam elas verdadeiras ou falsas.

A maior parte da população é composta por apartidários, que são os que mais desconfiam das informações adulteradas e os que mais acreditam nas checagens. 

“Essas são as pessoas que poderiam ser manipuladas por notícias falsas, mas são as que têm menor taxa de crença. As outras já sabem em quem vão votar”, afirma.

Embora considere que a sociedade ainda está distante de encontrar uma solução para o dilema, Nara acredita que as instituições brasileiras estão mais preparadas para reagir ao fenômeno nas eleições que se aproximam.

“Em 2018 [o fenômeno] pegou todo mundo de surpresa. A coisa tomou uma dimensão que ninguém acreditava. Em 2020 as instituições já vão estar mais cientes do problema, das peculiaridades do caso brasileiro”, afirma.

De que forma é possível relacionar o nível de informação do cidadão à percepção sobre corrupção? Em geral, o nível informacional das pessoas é muito baixo. Quando a gente vai para a esfera da política, fica mais baixo ainda. Quando a gente pensa na economia, as pessoas estão bem informadas porque conseguem obter informações diretas. Vão na loja, veem que o preço está mais alto, sentem no bolso. É a experiência direta das pessoas. Corrupção é completamente diferente. Por definição ocorre em segredo.

Não é uma informação de fácil acesso e é enviesada. A gente acredita quando comprova aquilo que a gente já pensa sobre política e rejeita as informações que contradizem nossas predisposições políticas.
Não existe essa relação direta entre nível informacional e uma percepção maior ou menor de corrupção. Está mais correlacionada com questões de natureza política. Se eu gosto do governo, eu vou percebê-lo como sendo menos corrupto. Depende dos alinhamentos políticos, e não necessariamente do grau informacional. 

É possível relacionar de alguma forma a percepção sobre a corrupção na sociedade e a disseminação de fake news? A literatura associa crença em fake news e descrença nas instituições, e isso por si tem um pezinho na corrupção. A partir dessa relação, existiria, sim, uma relação entre percepção de corrupção e crença em notícia falsa, mas sempre passando por essa questão de descrença nas instituições, na mídia, na informação formal. 

Qual deve ser o papel das fake news nessas eleições? As fake news estão ocupando muito as pessoas. Eu e três coautores fizemos uma pesquisa nas eleições de 2018. O que a gente encontra é que mais ou menos um terço da população acredita em notícia falsa. Nada foi feito de muito grave para diminuir a crença [em notícias falsas], então deve ser alta [em 2020]. A preocupação maior não é nem com a crença em si, mas é como a gente faz para corrigir. Será que tem como fazer isso? Talvez algumas medidas que não deram tempo de ser tomadas em 2018 possam ser tomadas agora. 

O que a gente encontra na pesquisa é que correção não funciona. O efeito que encontramos é antes das eleições. Durante [a eleição], o efeito se acaba porque as predisposições políticas ficam muito acentuadas. As pessoas acreditam em notícia falsa porque querem acreditar naquilo.

A correção só funciona para pessoas que não têm convicções políticas muito arraigadas, os não partidários. [O fenômeno das fake news] Vai ser um grande problema [em 2020].

Como foi feito o estudo sobre fake news em 2018

1 Participantes analisaram 4 notícias falsas a favor do PT, 4 contra e 4 sobre outros temas não relacionados à política. Todas elas circularam pelas redes sociais 

2 Depois, foram apresentados à checagem das informações falsas. Um grupo teve acesso à checagem profissional e um outro foi apresentado à uma checagem de autoria do próprio PT. Um terceiro não teve acesso a nenhuma checagem

3 Foram feitas duas rodadas, ambas em MG (o estado é considerado representativo do cenário nacional). A primeira, em maio, com 4.500 pessoas. A segunda, às vésperas do 1º turno, em outubro, com 2.200 respondentes

“Em 2020 as instituições já vão estar mais cientes do problema, das peculiaridades do caso brasileiro. A gravidade deve continuar, mas acho que vamos ter uma capacidade maior que em 2018 para lidar com isso", diz a cientista política Nara Pavão - Leo Caldas/Folhapress

Quantas são essas pessoas não partidárias? Elas são maioria? São maioria. A gente encontra um contingente grande de pessoas que não tem partidarismo nem positivo nem negativo. Essas são as pessoas que poderiam ser manipuladas por notícias falsas. As que têm partidarismo forte já sabem em quem vão votar. Essas pessoas não vão mudar de escolha por uma notícia —verdadeira ou falsa.
As pessoas não partidárias não só têm uma taxa de crença em notícia falsa menor que os partidários como acreditam mais na correção. Dá um certo alento.

Mesmo que essa correção não funcione tão bem justamente nas eleições? As correções tendem a perder ênfase durante as eleições porque o partidarismo e o antipartidarismo aumentam. Mas sempre tem um contingente não partidário. Os partidários e antipartidários acreditam em notícia falsa porque querem acreditar e não vão ser persuadidos por notícia. As fake news são danosas porque têm outros efeitos na política, diminuem confiança na democracia, nas instituições, têm uma série de outros efeitos, mas o efeito sobre a escolha do voto não é tão dramático quanto a gente imaginou que fosse.

Na média, o efeito das correções de checagem profissional no Brasil é menor que em outros países com estudos similares ao nosso, como os Estados Unidos. Uma das hipóteses que a gente tem é o grau de sofisticação do eleitor brasileiro, pelos níveis educacionais serem mais baixos. 

Haverá uma nova rodada da pesquisa nessas eleições?
Provavelmente vamos fazer para tentar entender a dinâmica da política local. Mas a gente acha que esse achado de que o efeito da notícia falsa sobre a escolha do voto é limitado porque a crença é restrita a partidários e antipartidários é uma lógica que se aplica também à política local.

O eleitor aprendeu com o fenômeno das fake news em 2018? Em 2020 pode estar mais preparado? Talvez o eleitor esteja mais sensível à possibilidade de estar entrando em contato com uma notícia que pode ser falsa. Essa relação é racional para parte da população, mas para outra parte o fato de ser falsa ou verdadeira não importa. O que importa é que vai trazer um conteúdo favorável ou desfavorável a um grupo político específico. Acho que não vai ser tão grave quanto em 2018. A gente está aperfeiçoando os mecanismos de controle.

Quais seriam esses mecanismos? O que pode funcionar? Essa questão, por exemplo, de reduzir o compartilhamento em massa. Notícia falsa é estratégia de campanha. Foi alguém que quis falsear aquela notícia para fins políticos. A capacidade dos tribunais de imputar alguma pena ou punição aos grupos que estão disseminando notícias falsas, aumentar a visibilidade de que isso é uma estratégia de campanha que não deveria ser permitida... É regular esse tipo de estratégia de campanha, porque é uma estratégia. 

Em 2018 [o fenômeno] pegou todo mundo de surpresa. A coisa tomou uma dimensão que ninguém acreditava. Em 2020 as instituições já vão estar mais cientes do problema, das peculiaridades do caso brasileiro. Aqui as pessoas se comunicam muito por WhatsApp. A gravidade deve continuar, com todas as nuances que já falei, mas acho que vamos ter uma capacidade maior que em 2018 para lidar com esse problema. 

A repórter da Folha Patrícia Campos Mello foi uma das autoras de uma reportagem sobre disparos em massa na eleição. Na semana passada, Hans Nascimento, fonte dessa reportagem, depôs na CPMI das Fake News, falou diversas mentiras ao Congresso e o caso repercutiu nas redes. Como esse episódio se relacionaria com o fenômeno que você mencionou de descrédito nas instituições [nesse caso, a imprensa] a partir da disseminação de informações falsas? O descrédito das instituições, da mídia, se relaciona com um fenômeno maior na própria estrutura da produção e disseminação da informação. Isso tem a ver com a ascensão e a centralidade das redes sociais como um meio de informação bastante acessível.

Esse fenômeno é frequentemente entendido como um processo de democratização da informação e popularização dos meios de comunicação, que em tese seria algo positivo, mas pode, sim, ser bastante problemático. Isso é potencializado por empresas que fazem disparo de massa. Tanto a produção como a disseminação das notícias ficam nas mãos de pessoas sem formação e sem entendimento dos procedimentos e regras básicas associadas à produção de notícias.

Uma segunda questão tem a ver com o custo reputacional de novos atores. O custo que eles têm para mentir e disseminar notícia falsa é zero. É diferente de um jornal como a Folha, que tem quase 100 anos, ou o Estadão. É um ponto que pensei muito quando acompanhei a história da CPI das Fake News e do caso com relação à jornalista Patrícia. Hans era um ator relevante porque trabalhava para uma empresa de disseminação de informação, mas o custo reputacional que ele enfrenta por mentir é zero. É uma pessoa que claramente não tinha preocupação nenhuma em dar uma informação correta. 

Nara Pavão, 36 

  • Professora da Universidade Federal de Pernambuco
  • PhD em ciência política pela Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos
  • Pós-doutorado no Centro para Estudos das Instituições Democráticas da Universidade Vanderbilt (EUA)
  • Estuda corrupção, comportamento eleitoral e opinião pública
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.