Descrição de chapéu Coronavírus

Após ignorar ministro, Bolsonaro diz ter vontade de baixar decreto para população poder trabalhar

Presidente justificou giro por comércio em Brasília para 'ouvir o povo' sobre os problemas do Brasil

Brasília

Na contramão das orientações do Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro conclamou as pessoas a voltar para as ruas para trabalhar e disse neste domingo (29) estar com "vontade" de fazer um decreto para liberar todas as atividades.

Em reação ao vazamento de reuniões com os seus ministros, ele desconsiderou acordo costurado no sábado (28) e passeou pelo comércio de Brasília, incentivando o coro de apoiadores a favor do fim do isolamento social em meio à pandemia do coronavírus.

O movimento do presidente frustrou uma ação coordenada entre líderes políticos, membros do Judiciário, ministros de Estado e alguns militares para cobrar de Bolsonaro uma defesa efetiva das ações do Ministério da Saúde diante do avanço da doença e uma espécie de voto de silêncio dele e da família.

Aliados do presidente afirmaram que Bolsonaro ficou irritado por ter saído da conversa como se tivesse sido "domado" pelos ministros.

"Alguns querem que eu me cale. 'Ah, siga os protocolos'. Quantas vezes o médico não segue o protocolo? Por que que ele não segue? Porque tem que tomar decisão naquele momento. Eu mesmo, quando fui operado em Juiz de Fora, se fosse seguir todos os protocolos, fazer todos os exames, eu teria morrido", disse o presidente ao voltar ao Palácio da Alvorada, após fazer o giro pelo comércio do Distrito Federal e incentivar que as pessoas voltem às ruas.

Ele justificou sua ida a Taguatinga e Ceilândia como uma forma de "ouvir o povo".

"Se eu não ouvir o cara falar que está na banana, como é que eu vou me sentir para poder agir?", disse.
O presidente afirmou ter pensado na ideia de fixar regras nacionais que permitissem a volta da população ao trabalho —medida que, além de desafiar governadores e prefeitos pelo país, poderia sofrer questionamentos legais.

"Eu estou com vontade, não sei se eu vou fazer, de baixar um decreto amanhã: toda e qualquer profissão legalmente existente ou aquela que é voltada para a informalidade, se for necessária para levar o sustento para os seus filhos, para levar leite para seus filhos, para levar arroz e feijão para casa, vai poder trabalhar", afirmou.

Questionado se o texto já estava em estudo, Bolsonaro afirmou que havia acabado de pensar na ideia, enquanto falava com jornalistas na porta do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro faz giro por comércio de Brasília neste domingo
Bolsonaro faz giro por comércio de Brasília neste domingo - Folhapress

Governadores pelo país responderam com indignação e falaram em reagir na Justiça contra eventual decreto.

Pelas redes sociais, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), disse que manteria a renovação das medidas restritivas e pediu que a população "não desafie o coronavírus" e "não se oriente por ações irresponsáveis de quem quer que seja".

"Aqui, não vamos recuar. Se for necessário, iremos até à Justiça", disse o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB).

Durante sua fala, o presidente endereçou recados aos que se queixam de seus gestos, mas não mencionou nomes, afirmou apenas que o vírus existe e é preciso enfrentar a realidade.

"Se você não estiver trabalhando aqui vai estar de casa. Ou vão estar de férias ou vão estar demitidos. Essa é uma realidade. O vírus está aí, vamos ter que enfrentá-lo. Vamos enfrentar como homem, pô, não como moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade, todos nós vamos morrer um dia", afirmou.

Para sustentar seu argumento de que o isolamento é prejudicial, Bolsonaro citou, sem apontar números, um aumento da violência doméstica.

"É só mostrar isso, tem mulher apanhando em casa. Por que isso? Em casa que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão. Como que acaba com isso? O cara quer trabalhar, meu Deus do céu, é crime agora isso?"

Ele falou ainda em "casos absurdos" como a detenção de pessoas que estavam passeando pela praia. Segundo o presidente, trata-se de um local "seguro" por ser aberto.

A orientação das autoridades e médicas é de desestimular que as pessoas frequentem locais públicos, como praias, parques e praças, para evitar aglomerações que favoreçam a disseminação do novo coronavírus.

A decisão de Bolsonaro de fazer um passeio pelo Hospital das Forças Armadas e comércios do DF foi tomada depois de ele ficar irritado com repercussão de notícias de que seus ministros estavam fazendo pressão para que ele amenize o tom sobre o novo coronavírus e siga as orientações do Ministério da Saúde.

O tema foi levado ao presidente por um grupo de ministros no Alvorada em reunião no sábado. Em uma conversa tensa, partiu do próprio titular da Saúde, Henrique Mandetta, alertar o presidente sobre os riscos que o país pode enfrentar se houver uma normalização das atividades.

O presidente defende o isolamento vertical, ou seja, apenas de grupos de risco, enquanto a orientação do ministério é para o isolamento social de toda a população.

Na contramão disso, Bolsonaro voltou a afirmar que é preciso se preocupar com o vírus, mas que a questão do desemprego deve ser priorizada.

No sábado, Mandetta criticou, por exemplo, as carreatas, impulsionadas por discurso do próprio presidente, que pedem a retomada da rotina em alguns estados.

Neste domingo houve mobilizações em cidades como Salvador, Caruaru (PE) e São Paulo, onde uma carreata passou pela avenida Paulista e foi recebida com panelaços de prédios e gritos de "Fora, Bolsonaro" no centro.

No sábado, ministros falaram que era preciso maneirar no discurso por haver um distanciamento entre o que Bolsonaro e seus filhos dizem nas redes sociais e as ações propostas pelo governo.

A trégua durou menos de 24 horas. Ainda na noite de sábado, o presidente compartilhou por WhatsApp com alguns presentes no Alvorada e outras pessoas reportagens mostrando que ministros pediram um tom mais moderado. Aos aliados escolheu um culpado: o ministro da Saúde.

Durante o encontro, foram apresentados cenários usados como parâmetro pela Saúde. Um deles prevê que o número de infectados no país chegue a 26 mil no dia 5 de abril.

O ministério tem trabalhado com quatro estudos para projetar a evolução do contágio, feitos pela Universidade Harvard, pela USP (Universidade de São Paulo), pela UnB (Universidade de Brasília) e pelo Cidacs (ligado à Fundação Oswaldo Cruz). O estudo da universidade americana é o que mais preocupa os técnicos.

As avaliações mostram a possibilidade de quase 2 milhões de infectados no Rio e em SP caso as medidas de restrições sejam aliviadas.

Mandetta mostrou imagens de uma pista de patinação em Madri abrigando mortos e de caminhões do Exército levando corpos na Itália.

Bolsonaro o criticou por não apresentar um planejamento para o país sair da atual situação. O ministro pontuou que era necessário aguardar a evolução do vírus esta semana para anunciar um planejamento nacional que estava sendo discutido com os estados.

Logo depois de sair do Alvorada, deixou claro a aliados que não pedirá demissão.

O ministro disse que ninguém veria no Diário Oficial a frase "exonerado a pedido", normalmente utilizada quando alguém pede para sair do governo.

A conversa de Mandetta com Bolsonaro foi bem vista entre técnicos e auxiliares da pasta. No domingo, após Bolsonaro romper o trato, Mandetta não se manifestou.

"'Ah, você viu o que o governador falou? O que o vice falou? Não me interessa", disse Bolsonaro, indicando que deve seguir destoando de outras autoridades, como seu vice, Hamilton Mourão.

O vice afirmou na última semana que a orientação é para o distanciamento social e manteve o tom em entrevista à Folha publicada neste domingo. Ele disse ainda que é necessário haver coordenação nas ações de combate ao coronavírus.

Em uma fala de 20 minutos, o presidente repetiu diversas vezes que não vai deixar de ir às ruas e que vê em seu papel, como chefe do Poder Executivo, o de prestação de um serviço.

"Se eu fosse perguntar para outros, que têm uma boa vida, se eu deveria ir para rua, seria quase uma unanimidade: não. Mas não existe isso, eu estou na linha de frente com os meus soldados. Sou um general, mas estou na linha de frente. Se precisar fazer de novo, farei. Estarei com a população junto para buscar a solução."

Ao defender a volta das atividades, Bolsonaro disse que, por ele, a própria filha voltaria imediatamente às aulas. Ele se referia a Laura, 9, que mora com ele e com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em Brasília.

O presidente colocou em xeque a defesa sobre o isolamento dizendo que nenhum estudo mostra que isso fará com que haja diminuição do número de casos no país.

"Ninguém está dizendo desses isolamentos ou quarentena, aí, horizontal, vertical, que tantas pessoas não serão infectadas. Ninguém fala de número, o número é o mesmo, só que alarga, alonga um pouquinho mais. Em vez de você ser infectado hoje, vai ser semana que vem ou daqui duas ou três semanas", afirmou.

Cientistas de todo o mundo, líderes de Estado e até o ministro da Saúde defendem o isolamento social para que a curva de infecção cresça de forma mais lenta. Assim, evitando-se um pico muito alto de doentes, o sistema de saúde dos países teria mais capacidade de atender a população e, com isso, diminuir a letalidade da Covid-19.

Esse dado não foi mencionado pelo presidente. Em entrevistas recentes, Mandetta chegou a falar em "colapso" do sistema de saúde se houver um número muito elevado de infectados simultaneamente.​

No fim da tarde, Bolsonaro publicou um vídeo em suas redes sociais no qual ele diz que recomenda a visita que fez ao comércio a todos os políticos do Brasil.

"Agora pouco estive em ​Ceilândia e em Taguatinga, fui ver na ponta da linha como está o nosso povo, em especial os informais, os mais atingidos por essa onda de desemprego. Uma experiência que eu recomendo a todos os políticos do Brasil. Na última quinta-feira tivemos uma reunião do G-20 onde os líderes se comprometeram com os seguintes itens: 1) proteger vidas, 2) salvaguardar os empregos e a renda das pessoas, 3) restabelecer a confiança e 4) minimizar interrupções no comércio. Com muita responsabilidade estamos cumprindo a agenda do G-20", afirmou. ​

Apesar da afirmação, Bolsonaro destoa dos gestos e discursos adotados inclusive por seus aliados, como o americano Donald Trump, que tem tratado com mais severidade a crise do coronavírus.

A agenda presidencial teve início no fim de semana com um encontro com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, a pedido do advogado-geral da União, André Mendonça, e do ministro Jorge Oliveira (Secretaria-Geral).

O argumento para a conversa com Gilmar foi sua experiência como advogado-geral da União no governo Fernando Henrique Cardoso durante a crise do apagão, em 2001.

Preocupam os ministros os reveses que o governo vem tomando na Justiça, seja por decisões do próprio Supremo ou por liminares da Justiça Federal nos estados, como a que suspendeu decisão de Bolsonaro de autorizar funcionamento de lotéricas e igrejas.

Gilmar tentou mostrar ao presidente que é preciso fortalecer no momento o diálogo com Judiciário e Congresso.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.