Descrição de chapéu Coronavírus

População saberá que foi enganada por governadores e imprensa sobre coronavírus, diz Bolsonaro

Em entrevista, presidente voltou a acusar chefes estaduais de politizar combate à Covid-19

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) manteve neste domingo (22) um discurso de minimizar as medidas de restrições de circulação e consequente atividade econômica tomada por governadores diante do avanço da crise do coronavírus.

Segundo Bolsonaro, a população logo saberá que foi enganada pelos governadores e pela mídia na pandemia.

"Brevemente o povo saberá que foi enganado por esses governadores e por grande parte da mídia nessa questão do coronavírus ", disse Bolsonaro, em entrevista à TV Record. "Espero que não venham me culpar lá na frente pela quantidade de milhões e milhões de desempregados na minha pessoa."

Segundo Bolsonaro, "não podemos politizar isso aqui, só falei isso porque eles me atacam constantemente". Na sequência, o presidente afirmou que as críticas que tem recebido envolvendo as medidas contra a pandemia fazem parte de um movimento para tirá-lo do cargo.

"A grande mídia, governadores, de olho na minha cadeira, se puder antecipar minha saída, eles farão isso aí, mas da minha parte não terão oportunidade disso, nós vamos continuar nosso papel".

Na entrevista, Bolsonaro disse que a população não pode entrar em pânico e que doenças como essa costumam ocorrer pelo mundo. "Mais importante que a economia é a a vida. Mas nós não podemos extrapolar na dose, com o desemprego aí, a catástrofe será maior."

Questionado acerca dos dados sobre os quais trabalha, Bolsonaro disse que há exageros nos dados do Ministério da Saúde. "Eu não trabalho [com projeções de números], não interfiro no trabalho do Luiz Mandetta, nosso ministro da Saúde, eu vejo os números que partem de lá, dessas projeções, e to achando que há um exagero nisso daí."

No sábado (21), Bolsonaro acusou governadores, a quem chamou de irresponsáveis, de quererem aumentar a taxa de desemprego no país ao restringirem a atividade econômica com medidas de precaução contra a pandemia do coronavírus.

"No momento, a minha grande preocupação é com a vida das pessoas, bem como com o desemprego que é proporcionado por esses governadores irresponsáveis", afirmou ele, em entrevista à CNN Brasil.

A crítica é uma referência às gestões de João Doria (São Paulo) e de Wilson Witzel (Rio de Janeiro) que decretaram o fechamento de serviços não essenciais em seus respectivos estados.

Bolsonaro disse que governadores estão exterminando empregos. "[A recomendação é ter] calma, tranquilidade, não levar pânico à população, não exterminar empregos, senhores governadores, sejam responsáveis", disse.

"No momento já temos um problema, os governadores são os verdadeiros exterminadores de emprego. Parte dos governadores, deixo claro, estão exterminando empregos no Brasil. Essa é uma crise muito pior do que o próprio coronavírus vem causando no Brasil e pode causar ainda."

Na entrevista, Bolsonaro falou em governadores de forma genérica, mas citou Doria ao mencionar que o governador paulista esteve em eventos com grandes públicos semanas atrás, como o Carnaval.

Bolsonaro tem enfrentado uma série de panelaços nos últimos dias em várias cidade do país. Ele disse não estar preocupado com popularidade e afirmou que as manifestações foram incentivadas pela imprensa.

"É uma campanha deslavada, campanha descomunal, absurda contra o chefe de estado que simplesmente teve coragem de cortar propaganda dessas grandes empresas. Acabou a mamata para eles e querem me tirar de qualquer maneira."

O presidente disse acreditar na eficácia das medidas do governo federal para reduzir o impacto para a população. Ele citou o não recolhimento de tributos federais, facilidade de crédito da Caixa Econômica e o adiantamento das parcelas do 13º para aposentados e pensionistas.

Questionado sobre o que o governo pode fazer com a chegada da doença em comunidades pobres, Bolsonaro disse que é preciso ter cuidados e evitar a circulação, mas fez referência a existência de outras doenças.

"Tem uma comunidade do Rio de Janeiro, não vou falar o nome porque vão falar que estou discriminando, [que] tem um número de tuberculosos muito alto. Entrando o vírus lá, com toda certeza nessa comunidade, vai ter muita gente que vai perder a vida."

Bolsonaro tem minimizado os impactos da doença no Brasil desde fevereiro, quando o primeiro caso foi registrado no país. Ele já afirmou que "tá havendo uma histeria".

Apesar de o vírus ter infectado 24 pessoas que estiveram com o presidente nos Estados Unidos, no início de março, Bolsonaro se nega a divulgar os resultados de seus testes que, segundo ele, deram negativo .

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.