Descrição de chapéu Coronavírus

Zema destoa de 25 governadores e não endossa carta que cobra ação de Bolsonaro contra pandemia

Chefe do Executivo de MG defende união de gestores e refuta citação ao presidente no documento

Belo Horizonte

Apenas dois governadores não assinaram a carta de chefes de Executivos estaduais sobre a crise atravessada pelo país com a pandemia da Covid-19: Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais, e Coronel Marcos Rocha (PSL), de Rondônia.

O documento foi elaborado depois de uma reunião conjunta entre todos os governadores e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), ocorrida na quarta-feira (25).

Na carta, os estados pedem ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido) medidas como suspensão do pagamento das dívidas dos estados com a União por 12 meses, viabilização emergencial de recursos, aprovação imediata do Regime de Recuperação Fiscal, apoio para adquirir equipamentos e liberação de recursos ligados às perdas da Lei Kandir, que isentou a exportação de alguns produtos da cobrança do ICMS (taxa estadual).

Ao final do texto, os governadores dizem que o Congresso Nacional deve assumir protagonismo na defesa do pacto federativo e pedem a Bolsonaro que una forças a eles contra a crise do novo coronavírus. Esta semana, o presidente voltou a criticar medidas como isolamento social e outras restrições efetivadas nos estados.

Em entrevista a jornalistas nesta quinta (26), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que todos os governadores haviam subscrito o documento, sem citar os dois que ficaram de fora.

“Vinte e seis governadores estiveram reunidos ontem virtualmente. E hoje o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), assinou a carta também. Portanto, agora, a totalidade dos governadores do Brasil assinou a carta que está sendoencaminhada neste momento ao presidente Jair Bolsonaro”, disse o governador paulista.

Em nota esclarecendo seu posicionamento, Zema diz que esse é um momento de união entre todos os gestores públicos e, por isso, não endossou a versão que cita Bolsonaro. O governador de Minas chegou a sugerir uma nova versão do texto, mas foi voto vencido.

Zema não concordou com o uso da palavra “protagonismo” para se referir ao papel do Congresso Nacional, nem com a citação ao presidente da República.

Ele havia topado a versão inicial do texto, na reunião de quarta, mas voltou atrás durante a discussão por meio de WhatsApp sobre a forma final, na madrugada de quinta.

Na segunda-feira, em entrevista transmitida nas redes sociais, Zema respondeu à questão da Folha sobre como via a posição do presidente depois da afirmação de que a população saberia que foi enganada por imprensa e governadores sobre a pandemia.

“Quem é leigo como eu e o presidente, na minha opinião, deve evitar entrar em um assunto que nem os especialistas têm 100% de certeza, porque há divergência. Tem coisas na medicina que todo mundo concorda, outras, não. Essa questão de combater uma pandemia como essa está nesse segundo caso”, afirmou ele.

Minas Gerais tem mais de 21 mil casos em investigação e 189 casos confirmados, até esta sexta (27). O estado segue com medidas de isolamento social, fechamento do comércio não essencial, com aulas suspensas e divisas fechadas.

Já no caso de Rocha, ele não havia criticado o teor da carta na sua leitura ao final da reunião, mas acabou não mais respondendo a mensagens sobre o texto final e sobre seu endosso. Pessoas envolvidas na confecção do documento acreditam que ele não quis participar, já que é apoiador de Bolsonaro.

Outro bolsonarista, o governador Mauro Mendes (DEM-MT), levantou preocupações com a questão econômica decorrente da crise, posição endossada pelo presidente, mas aceitou assinar a carta.

O governo de Rondônia não respondeu ao contato da Folha até a publicação. O estado tem seis casos confirmados da doença, segundo o último boletim, divulgado na sexta.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.