Descrição de chapéu

Com o aval dos militares, Mandetta diz que Bolsonaro fica onde está

Após fritura terminal, ministro da Saúde explicita a anomalia na cadeia de comando em Brasília

São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro ameaçou "usar a caneta" para calar "as estrelas" de sua equipe no domingo (5), e sinalizou a demissão de Luiz Henrique Mandetta (Saúde) durante toda a segunda, convocando inclusive uma reunião ministerial sobre a crise da Covid-19.

Ao fim, o que se viu foi um calmo Mandetta convocar uma entrevista coletiva para dizer que, apesar de ter seu trabalho atrapalhado pelo Palácio do Planalto, não vai deixar o cargo. Em outras palavras, o ministro disse que o presidente fica onde está.

Foi mais uma cena extraordinária da crise do coronavírus, que rearranjou a ordem natural das coisas em Brasília. O que se viu no Ministério da Saúde foi um titular reafirmando que só trabalhará pela ciência —várias vezes, para delimitar a linha entre seu pensamento e a de seu superior e sua base de apoio.

Mandetta joga álcool em gel na mão de Bolsonaro durante entrevista coletiva
Mandetta joga álcool em gel na mão de Bolsonaro durante entrevista coletiva - Sérgio Lima - 18.mar.2020/AFP

Até a hidroxicloroquina, vendida por Bolsonaro como o elixir definitivo para a cura da Covid-19, foi colocada no patamar de remédio em teste que é pelo ministro.

Se queixou que a politicagem do dia, marcado até por uma reunião do presidente com Osmar Terra, pretendente à sua cadeira. Considerou uma jornada de trabalho perdida.

Sobrou até uma ironia com o mito da caverna, de Platão, sobre a obscuridade que envolve processos mentais no centro do poder, e o elogio da dúvida —algo que soa como heresia ao bolsonarismo.

O agudo processo de fritura do titular da Saúde tem sido inédito. Nem tanto pela humilhação pública, já que para tanto há diversos exemplos na história recente, mas por ele acontecer no meio de uma crise sem nenhum precedente.

A permanência de Mandetta é mais uma vitória momentânena da ala militar do governo. Capitaneada pelo ministro Fernando Azevedo (Defesa) e operacionalizada por Walter Braga Netto (Casa Civil), está buscando reduzir a temperatura dos movimentos abruptos do chefe.

Conseguiu em alguns momentos, como ao tomar para si a comunicação da crise nas entrevistas comandadas pelo general Braga Netto e na modulação do pronunciamento de Bolsonaro da terça-feira da semana passada (31). Mas não teve sucesso em vários outros, notadamente as postagens incendiárias de Bolsonaro contra governadores e suas políticas de isolamento social.

A aposta de Bolsonaro é claramente intuitiva, o que é uma constante de sua gestão. Ele se guia pelo que dizem suas redes sociais, em especial o que é filtrado e magnificado pelo filho vereador Carlos (Republicanos-RJ), aquele que na sexta (3) acusou o vice-presidente Hamilton Mourão de uma conspiração contra seu pai.

Nesses canais, cuja confiabilidade é mínima e a ação de robôs impera, há um país clamando pelo fim das quarentenas no qual o presidente diz acreditar. Enquanto isso, a crise ia sendo tocada pelas pastas da Saúde e da Economia, às turras com o Congresso e o Judiciário, com estados e municípios operando na ponta.

Contra Bolsonaro está a opinião pública, conforme o Datafolha demonstrou em pesquisa sobre sua gestão à frente da crise. Além disso, o apoio de três quartos da população a medidas de isolamento, e os 71% que dizem aceitar até restrições mais duras dão fôlego para os governadores, que majoritariamente adotaram o isolamento.

Agora, a permanência de Mandetta mostra um presidente em pleno exercício da tutela que lhe é imposta. Foi convencido, segundo relatos, pela ameaça de uma perda terminal de capacidade de governar que a demissão do ministro traria. Resta saber por quanto tempo tal estrutura se mantém de pé.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.