Socióloga citada por Bolsonaro diz que presidente nunca endossou Moro no combate à corrupção

Ilona Szabó protagonizou em 2019 primeiro recuo do ex-ministro da Justiça, que revogou nomeação da especialista após pressão de bolsonaristas

São Paulo

Após ser citada por Jair Bolsonaro em discurso na sexta-feira (24), a cientista política e colunista da Folha Ilona Szabó de Carvalho afirma, em nota, que o compromisso do ex-ministro da Justiça Sergio Moro de combater a corrupção, o crime organizado e o crime violento jamais foi endossado pelo presidente da República.

"Sergio Moro chegou ao governo no auge de sua popularidade e, apesar de sair sob evidente desconforto, foi derrubado por um presidente sem compromisso real com a democracia", diz a cientista política.

Ilona Szabó durante debate em comemoração aos 98 anos da Folha, realizado no auditório do jornal - Bruno Santos - 21.fev.2019/Folhapress

Em fevereiro de 2019, Ilona Szabó de Carvalho protagonizou episódio que marcou o primeiro veto de Bolsonaro ao então "superministro", que havia sido nomeado com o compromisso de ter carta branca.

Após onda de ataques nas redes sociais e de pressão do próprio presidente, Moro revogou a nomeação de Szabó como membro suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

O episódio foi lembrado por Bolsonaro em discurso na última sexta-feira, no qual acusou a cientista política de defender o aborto e a "ideologia de gênero”.

"Nós sabemos que essa senhora ou senhorita tem publicações, as mais variadas possíveis, defendendo o aborto, ideologia de gênero entre tantas outras coisas que são em completo desacordo com as bandeiras que eu defendi, que os cristãos brasileiros também defendiam e até os ateus defendiam também", disse Bolsonaro.

Com 15 anos de atuação, Szabó tem mestrado em estudos de conflito e paz pela Universidade de Uppsala, na Suécia, e é cofundadora e diretora-executiva do Instituto Igarapé, que produz pesquisas sobre segurança, justiça e desenvolvimento.

Na opinião da especialista, a saída de Moro deverá causar um impacto profundo e de longo prazo para o país.

"Além de colocar em xeque a confiança e a autonomia dos órgãos responsáveis por fazer cumprir a lei, as consequências podem impactar as investigações que envolvem os filhos do presidente Jair Bolsonaro em acusações de corrupção e os episódios ainda não bem explicados envolvendo as relações familiares com as milícias", afirma Szabó.

Em sua nota, ela diz que a gestão de Moro não pode se apropriar das recentes reduções das taxas de homicídio no país —"as tendências de queda começaram no início de 2018", afirma—, mas elogia a criação de centros integrados de inteligência em todo o país e o lançamento de programas pilotos de prevenção à violência em municípios.

"Este é o momento de a sociedade brasileira, e as instituições republicanas em especial, observarem atentamente os próximos passos, sem admitir retrocessos para além daqueles já promovidos até aqui. Já fomos longe demais", conclui Szabó.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.