Na sabatina Folha/UOL, França erra sobre creches, moradores de rua e auxílio emergencial

Candidato do PSB, empatado tecnicamente em terceiro lugar com Boulos (PSOL), foi entrevistado nesta terça (3)

Agência Lupa

Seguindo a série de sabatinas da Folha e do UOL com os candidatos à prefeitura de São Paulo, Márcio França (PSB) foi entrevistado nesta terça-feira (3).

O ex-governador errou ao comentar a demanda por creches na capital paulista e também exagerou informações sobre moradores de rua e sobre o total de paulistanos recebendo o auxílio emergencial do governo federal durante a pandemia.

A Lupa checou, ao vivo, as falas de França. Veja o resultado a seguir.


“Como já fiz no governo do estado, pela Univesp com EAD [Ensino a Distância], saiu de 3.000 alunos para 50 mil alunos em oito meses”
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

FALSO Em 2017, a Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo) tinha 19 mil alunos. Márcio França assumiu o governo do estado em abril de 2018. Naquele ano, a Univesp realizou dois vestibulares, que ofereceram 42 mil vagas e resultaram em cerca de 38 mil matrículas na graduação.

Portanto, nos oito meses de governo de França, o número de estudantes não subiu de 3.000 para 50 mil.

Em 2015, quando França acumulava a função de vice-governador com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, a Univesp ofereceu no vestibular 2.034 vagas; Já o curso de tecnologia em gestão empresarial EAD, elaborado e produzido pela Univesp com o Centro Paula Souza, ofereceu, naquele ano, 3.960 vagas.

Em nota, a assessoria de França diz que o número citado por ele leva em consideração o período no qual França foi secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia.


“Hoje nós temos 18 mil crianças sem creche”
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

FALSO Segundo a Secretaria Municipal de Educação, em setembro de 2020, último dado disponível, a demanda por vagas em creche na cidade de São Paulo era de 6.670 —2.771 pais aguardavam a vaga há mais de 30 dias. Já a fila para pré-escola está, atualmente, zerada. As creches recebem crianças de 0 a 3 anos e a pré-escola, crianças de 4 e 5.

Em nota, a assessoria do candidato disse que ele se baseou em “dados da própria Secretaria Municipal de Educação obtidos via Lei de Acesso à Informação em agosto deste ano”. Ele diz, ainda, que a pandemia gerou “distorções” nesse número.


"Aqui em São Paulo, nós estamos com 2,7 milhões de pessoas vivendo com os tais R$ 600 que viraram R$ 300 [do auxílio emergencial]"
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

EXAGERADO Os dados do Portal da Transparência mostram que 2,4 milhões de pessoas receberam uma parcela do auxílio emergencial na cidade de São Paulo em agosto (dado mais recente disponível no site). O número citado por França é 12,5% maior do que o real.

Ao longo de toda a pandemia, 3,4 milhões de pessoas (3.493.270) receberam o auxílio emergencial na capital paulista entre os meses de abril, quando começou o pagamento do benefício, e agosto deste ano.


“Estamos com 30 mil, 28 mil e poucas pessoas [morando na rua]”
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

EXAGERADO O último Censo da População em Situação de Rua, feito em 2019 pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, contabilizou 24,3 mil pessoas nessa situação na cidade de São Paulo, um aumento de 53% em relação a 2015, quando o número era de 15,9 mil.

Em nota, a assessoria do candidato diz que o censo “traz uma informação estimada e foi feito por amostragem” e que não reflete “a situação de pessoas que vivem debaixo de viadutos ou que foram alvo de despejos e desocupações especialmente durante a grave crise econômica acentuada pela pandemia”.


“O Boulos está filiado há um ano, dois, nem sei. Recém-filiado.”
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

VERDADEIRO Guilherme Boulos filiou-se ao PSOL em março de 2018, ano em que concorreu à Presidência da República pelo partido. Antes disso, o historiador militou na UJC (União Juventude Comunista), no MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) e no MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), mas não tinha se filiado a nenhum partido político formal.


“Na última eleição de governador aqui na capital, a gente ganhou com quase 1 milhão de votos à frente do Doria”
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

VERDADEIRO No segundo turno da eleição para governador de São Paulo de 2018, França recebeu 3.393.092 votos de eleitores da capital paulista, contra 2.447.309 de João Doria (PSDB), uma diferença de 945.783 votos. No primeiro turno do período eleitoral, porém, Doria conquistou 231.720 votos a mais que França, considerando apenas o município de São Paulo.


“Eu fui reeleito com 93% dos votos como prefeito”
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

VERDADEIRO França foi eleito prefeito da cidade de São Vicente duas vezes, em 1996 e 2000. Na primeira eleição, ele venceu com 44,33% dos votos válidos. Na segunda, foi reeleito com 93%.


“São Paulo recebeu durante a pandemia mais de R$ 1 bilhão em recursos que vieram do governo federal”
Márcio França (PSB), candidato a prefeito de São Paulo, na sabatina feita pela Folha, em parceria com o UOL, em 3 de novembro de 2020

VERDADEIRO Segundo o Monitoramento dos Gastos da União com Combate à Covid-19, do Tesouro Nacional, a cidade de São Paulo recebeu do governo federal R$ 1,39 bilhão de auxílio financeiro.

Carol Macário , Chico Marés , Gustavo Queiroz , Ítalo Rômany , Juliana Almirante e Maurício Moraes

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.