Doria e Leite acirram disputa no PSDB e ambos projetam vitória no 1º turno em prévias presidenciais

Equipe de Doria minimiza apoios a Leite e diz ter 65% dos votos; gaúcho rebate e afirma ter 62%

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Os governadores João Doria (PSDB-SP) e Eduardo Leite (PSDB-RS) afirmam que, se as prévias presidenciais tucanas fossem hoje, estariam eleitos no primeiro turno da disputa interna, marcada para 21 de novembro.

Segundo a coordenação da campanha de Doria afirmou à imprensa nesta quinta-feira (7), a estimativa é de 65% de votos do eleitorado tucano ao paulista.

Leite faz outra projeção: de 62% de apoio a ele, contra 37% do rival —além de 1% de Arthur Virgílio, ex-prefeito de Manaus que também concorre na eleição interna para decidir o candidato do partido à Presidência da República.

O calendário tucano das prévias estipula que, caso nenhum candidato obtenha mais de 50% dos votos, haverá segundo turno em 28 de novembro.

Os governadores João Doria (PSDB-SP) e Eduardo Leite (PSDB-RS) - Pedro Ladeira - 9.out.2018/Folhapress

Questionado pela Folha sobre a projeção de vitória antecipada representar um desdém em relação a campanha de Leite e seus apoios, Marco Vinholi, presidente do PSDB-SP, afirmou que não há essa leitura.

"É somente a realidade dos números das prévias, que apresentamos com transparência", disse.

Em entrevista, Vinholi e o coordenador da campanha de Doria, Wilson Pedroso, afirmaram que a vantagem do governador paulista advém do maior peso de São Paulo na composição do PSDB no país e dos apoios que Doria obteve em outros estados.

​O cálculo que determina o vencedor das prévias tucanas, no entanto, não é simples —não depende exclusivamente de obter maioria entre filiados ou entre os diretórios tucanos de cada estado.

Segundo as regras aprovadas pelo PSDB, a eleição será indireta e o voto é secreto.

Cada grupo terá 25% de peso na votação —há um grupo de filiados; um grupo de prefeitos e vice-prefeitos; um grupo de vereadores e deputados estaduais; e um último grupo de governadores, vice-governadores, senadores, deputados federais, ex-presidentes do PSDB e o presidente atual, Bruno Araújo.

Portanto, as previsões atuais consideram o peso de cada estado nesse desenho. Como São Paulo concentra filiados e mandatários do PSDB em relação a outros estados, seu peso é de quase 26%. Ou seja, se todos os tucanos de São Paulo votarem em Doria, o governador larga com 26%.

Depois de São Paulo, os estados com maior peso são Minas Gerais (13,7%) e Rio Grande do Sul (6,4%), ambos apoiadores de Leite.

Membros do partido que acompanham as prévias de perto, contudo, fazem ressalvas em relação aos números divulgados por Leite e Doria, que levam em conta essa proporção de cada estado na estrutura nacional do PSDB.

O primeiro porém é o de que há dissidências nos estados, o que não permite dizer que o peso de cada unidade da federação vai corresponder à votação de Doria ou Leite. Dissidências já declaradas estão contabilizadas nas projeções tucanas, mas ainda não é possível medi-las com exatidão —principalmente entre os colégios eleitorais maiores, de vereadores e filiados.

O segundo ponto, e mais problemático, é o de que as estimativas levam em conta o total de filiados do PSDB (cerca de 1,3 milhão) e sua distribuição pelos estados, mas a grande maioria não deve votar.

Para votar, cada filiado deve baixar um aplicativo e fazer sua inscrição entre 14 de outubro e 14 de novembro. Somente a partir de então, as projeções estarão mais próximas da realidade —levando em conta não a distribuição total de filiados entre os estados, mas a distribuição de filiados cadastrados nas prévias entre os estados.

Há ainda uma terceira questão que pode modificar as estatísticas de Leite e Doria. Aliados do governador de São Paulo contam com uma série de apoiadores que se filiaram ao PSDB após 31 de maio, incluindo prefeitos e a deputada federal Joice Hasselmann, que trocou o PSL pelo PSDB nesta quinta.

Segundo determinou o PSDB, apenas os filiados antes de 31 de maio participarão das prévias, o que vale para mandatários no entendimento da executiva nacional do partido. Como mostrou o Painel, alguns aliados de Doria, no entanto, pretendem insistir para que Joice possa votar.

Durante sua filiação, Joice afirmou que não vota nas prévias, mas trabalhará para conseguir votos a Doria. "Eu não voto, mas estou conseguindo voto, viu?". E acrescentou: "Bem que a executiva podia mudar de ideia. Eu já vou começar a trabalhar para mudar de ideia."

Portanto, na avaliação de tucanos envolvidos na votação, qualquer projeção deve ser vista com cautela uma vez que nem o colégio eleitoral está totalmente definido.

Entre membros da direção do PSDB, a leitura hoje é a de que Leite é favorito no quarto grupo, que reúne parlamentares e dirigentes, e entre deputados estaduais —o que lhe dá dianteira nas prévias. Diante da rejeição de boa parte dos tucanos a Doria, o entendimento é o de que o gaúcho largou na frente.

Por outro lado, líderes do PSDB também observam que Doria vem ganhando terreno.

Nesse sentido, o que pode ser determinante para uma vitória de Doria ou Leite é que eles convençam filiados, prefeitos e vereadores que os apoiam a de fato se inscreverem e votarem nas prévias.

Para evitar fraudes, o aplicativo de cadastro terá reconhecimento facial. Vereadores e filiados devem votar por meio do aplicativo. Já prefeitos, parlamentares, governadores e a cúpula do PSDB são esperados em um evento em Brasília.

A ideia é que eles votem presencialmente em urnas eletrônicas da Justiça Eleitoral —o que é visto como uma forma de o PSDB valorizar a votação eletrônica, alvo de notícias falsas e ataques do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O otimismo da equipe de Doria se baseia na preponderância do estado nos quatro grupos de eleitores. O Estado de São Paulo, sozinho, concentra 41% dos prefeitos tucanos do Brasil, além de 28% dos vice-prefeitos, 27% dos vereadores e 26% dos filiados, segundo Vinholi.

A aposta da equipe de Doria é a de que os filiados paulistas, além de serem maioria, terão maior participação nas prévias em comparação com os demais estados. O estado já teve duas votações de prévias, em 2016 e 2018, o que ajuda a organizar a militância paulista.

Pedroso afirmou que a "capacidade de organização e mobilização" do PSDB de São Paulo a favor de Doria é grande.

Ainda assim, o comparecimento de filiados passará longe do 1,3 milhão de tucanos. Nas prévias estaduais de 2018, por exemplo, Doria teve 80% dos votos de cerca de 15 mil filiados —o total do estado na época era de aproximadamente 310 mil.​​​​

Apoiador de Leite em São Paulo, o prefeito de Santo André, Paulo Serra, diz que a indefinição do colégio eleitoral de filiados torna a projeção de Doria vazia.

"A análise que Doria propõe hoje é totalmente vazia. Isso porque as inscrições para quem estiver apto a votar vão de 14 de outubro a 14 de novembro. Hoje, não tem como levantar este número. O filiado precisa se cadastrar e isso ocorre dentro deste período", afirma.

"O que temos hoje são os estados que apoiam os candidatos. E, neste quesito, o Leite tem muito mais estados do que o Doria. Este tipo de análise é espuma, portanto vazia", completa Serra.

Até agora, Doria recebeu o apoio formal dos diretórios estaduais do PSDB de São Paulo, Acre, Distrito Federal, Pará e Tocantins.

Leite tem ao seu lado os diretórios do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, Bahia, Ceará, Alagoas e Amapá.

Cada um dos governadores, no entanto, acumula apoios minoritários mesmo em estados considerados adversários. Doria, por exemplo, conta com a ex-governadora Yeda Crusius no Rio Grande do Sul e com o deputado federal Domingos Sávio em Minas Gerais.

Em São Paulo, Leite tem o apoio do prefeito Serra, do vereador da capital paulista Xexéu Tripoli e de dois ex-presidentes do PSDB-SP, Pedro Tobias e Antonio Carlos Panunnzio —nomes ligados ao ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que se tornou desafeto de Doria e está de saída do partido.

Pedroso classificou o apoio de paulistas a Leite como "uma gota no oceano" em meio ao favoritismo de Doria no estado.

O governador de São Paulo já esteve em 14 estados em agendas relacionadas às prévias e pretende alcançar os 27 até o dia 21 de novembro.

Leite também vem fazendo viagens pelo país. Nesta semana, porém, interrompeu a campanha das prévias para atender a compromissos do Governo do Rio Grande do Sul na Europa.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.