Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/09/2010 - 18h30

Justiça do RS concede liberdade para sargento acusado de acessar dados ilegalmente

Publicidade

JEAN-PHILIP STRUCK
DE SÃO PAULO

Atualizado às 19h19.

O sargento César Rodrigues de Carvalho, pivô do escândalo de espionagem política no Rio Grande do Sul foi solto hoje, segundo seu advogado. Ele permaneceu 12 dias detido num batalhão da Brigada Militar. O pedido foi concedido pela 3ª Vara Criminal de Canoas, que não quis divulgar detalhes da concessão de liberdade alegando que o caso está sob segredo de Justiça.

Acompanhe a Folha Poder no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

César Carvalho foi preso no dia 3 de setembro, sob suspeita de obstruir as investigações sobre ele. Segundo o Ministério Público do Rio Grande do Sul, usando o sistema Consultas Integradas, o sargento acessou dados do ex-ministro e candidato ao governo Tarso Genro (PT) e do diretório estadual do Partido dos Trabalhadores, além de dados da própria governadora Yeda Crusius (PSDB) e de assessores dela.

O sargento ficou lotado por dois ano no Palácio Piratini, sede do governo estadual. Em depoimento, ele disse que só acessou dados sigilosos dos bancos de dados da Segurança Pública do RS porque recebeu ordens de superiores.

Carvalho também é suspeito de receber propina de contraventores.

O militar, segundo a polícia, também acessou o sistema Consultas Integradas para verificar a existência de investigações sobre a governadora Yeda Crusius e assessores próximos a ela. A Folha mostrou no dia 8 de setembro que assessores diretos da governadora tiveram acesso a informações obtidas pelo sargento no sistema.

Segundo o advogado Adriano Pereira, o militar nega ter cometido qualquer ilegalidade nas consultas e ter recebido propina de contraventores.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página