'Pornografia está criando uma geração de homens violentos', afirma socióloga

Para Gail Dines, adolescentes aprendem que prazer é obtido de forma brutal

Bianka Vieira
São Paulo

​Em tempos digitais nos quais a pornografia pode ser considerada uma questão de saúde pública, se os pais não conversarem com seus filhos sobre o assunto a própria indústria pornográfica o fará —e da pior maneira possível.

Esse é o diagnóstico de Gail Dines, professora emérita de sociologia no Wheelock College, em Boston (EUA), e presidente da organização Culture Reframed, de luta contra a produção pornográfica.

Gail Dines, professora emérita de sociologia e estudos de mulheres no Wheelock College, de Boston (EUA), durante o terceiro fórum Exploração Sexual Infantil, em São Paulo - Reinaldo Canato/Folhapress

Dines, que há mais de 25 anos pesquisa essa indústria, participou do 3º fórum Exploração Sexual Infantil, realizado pela Folha, com patrocínio do Instituto Liberta, em São Paulo, na quarta-feira (15).

Assim que subiu ao palco, alertou os 250 presentes no auditório do Unibes Cultural que não tinha coisas agradáveis a dizer. “Um menino de 11 anos que pesquisa o termo pornografia no Google pode achar que vai ver mulheres nuas, mas encontrará muita brutalidade”, afirmou.

Levantamento sobre conteúdos mais recorrentes em produções pornográficas revelam mulheres engasgando durante a prática de sexo oral, ejaculação no rosto e sexo anal praticado com violência.
Segundo Dines, a pornografia tem mais visitantes que Amazon, Netflix e Twitter juntos. O PornHub, maior site do segmento do mundo, recebe cem milhões de visitas diárias.

A socióloga ainda mencionou casos de crianças de 7 a 12 anos diagnosticadas com compulsão por pornografia. “É a maior fonte de educação sexual para meninos do mundo inteiro que se masturbam pensando em violência sexual. O trauma faz parte do negócio pornô, e nós temos uma geração inteira de meninos crescendo com esse conteúdo.”

Dines faz uma associação direta entre casos de abuso ou exploração sexual infantil e a forma como a pornografia molda a cultura. O pornô torna aceitável que mulheres e crianças vendam seus corpos e dessensibiliza homens para com a dor sofrida por elas.

Em pesquisa realizada num presídio de segurança máxima de Connecticut, nos Estados Unidos, Gail Dines entrevistou oito homens que foram condenados por abuso sexual de crianças. Nenhum deles foi identificado como pedófilo, embora todos tivessem feito download de pornografia infantil meses antes de cometerem o ato.

“É difícil entender, mas pedófilos são homens que recebem um diagnóstico e, entre outras coisas, preferem crianças a adultos para fazer sexo”, explicou. “Nenhum desses oito homens tinha tocado em uma criança até os 40 anos de idade. O que eles disseram é que cansaram das ‘putas’ da pornografia e queriam algo ‘mais inocente’.”

O vício em pornografia, afirma, tem como característica a evolução gradual para conteúdo mais violento, e é dessa forma que espectadores chegam às imagens com crianças.

Dines classificou como pré-histórica a legislação brasileira para a pornografia, que versa sobre não expor, a menores de idade, DVDs e revistas com nudez em suas capas. “Não existem mais DVD e revista”, ironizou. 

Dines elogiou a legislação do Reino Unido, que a partir de julho passará a exigir a verificação de idade aos usuários de sites que ofertam conteúdo pornográfico.

Para ter login e senha, o usuário precisará de um cadastro, que pode ser feito com documentos, como passaporte, ou cartão de crédito.

Para aqueles que optarem por um login anônimo, será possível a compra de “passes” em pontos físicos como bancas de jornais mediante comprovação de maioridade. 

“É o primeiro projeto de lei contra a industria pornográfica, que é a menos regulamentada no mundo”, afirmou Dines. A empresa que se recusar a implantar o filtro estará sujeita a multa e até ao banimento em território britânico.

Ela aponta como indispensável a oferta de educação sexual por pais e nas escolas. “A gente precisa dar os nomes, o vocabulário, tirar os estigmas.”

Sua organização, a Culture Reframed, elaborou um passo-a-passo de como pais podem conversar sobre sexo com filhos adolescentes.

Capas de revistas, notícias e filmes que tendem a hiperssexualizar o corpo e a postura feminina demonstram como a cultura é moldada por essa indústria, afirmou a socióloga.

Em sua opinião, mulheres são divididas socialmente entre “invisíveis” e “fuckables” (algo como “comíveis”). Um exemplo de transição de um modelo para o outro e de sexualização precoce é a cantora norte-americana Miley Cyrus. Aos 16 anos, Miley fez ensaio polêmico para a publicação Vanity Fair e descolou-se da personagem Hannah Montana, dirigida ao público infantil.

“Tudo isso foi orquestrado por adultos, mas quem teve que se desculpar foi ela. A gente sempre culpa as meninas e as leva a se autoflagelarem.”

Não é possível viver numa cultura pornográfica sem ser impactado, reforçou ao citar o funk brasileiro.
“É vendido como mulheres se apropriando da sua sexualidade. Se fosse tão empoderador, os homens fariam o mesmo”, disse ao classificar a estética funk como industrializada, plastificada e hiperssexualizada. No dia anterior, Gail havia assistido pela primeira vez ao clipe de “Vai Malandra”, da cantora Anitta.

Dines ainda citou a cantora MC Melody, 12. “Nos Estados Unidos, seria visto como pornografia infantil. Que tipo de escolha ela teve?”, disse.

Após ser alvo de polêmicas e de ação do Ministério Público de São Paulo por sua exposição nas redes sociais, Melody hoje tem um perfil remodelado no Instagram, sem as fotos que a hiperssexualizavam.

Ao final de sua fala, Gail Dines foi aplaudida de pé.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.