Sob pressão por boas práticas ambientais, pecuária bate recorde

Alta manteve o Brasil como o segundo maior rebanho bovino do mundo e o principal exportador de carne e derivados

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ribeirão Preto

Com exportação recorde e faturamento alto, a pecuária cresce sob a pressão também crescente da busca por sustentabilidade.

O Brasil nunca exportou tanta carne bovina como em 2020, impulsionada pelo consumo chinês, com 2,01 milhões de toneladas, ou 8% mais que em 2019. O faturamento atingiu US$ 8,49 bilhões, alta de 11% segundo a Abrafrigo (Associação Brasileira de Frigoríficos).

Após dois anos de queda, o rebanho bovino voltou a crescer em 2019, mostra última pesquisa do IBGE. São 214,7 milhões de cabeças, no país de 213 milhões de habitantes.

A ligeira alta de 0,4% em relação ao ano anterior manteve o Brasil como o segundo maior rebanho bovino do mundo e o principal exportador de carne e derivados. Nesse cenário, os mercados têm cobrado mais ações de sustentabilidade no setor.

Gado descansa na fazenda Ipê Ouro, em Uberaba, que adota ações de sustentabilidade e faz integração entre floresta e pecuária
Gado descansa na fazenda Ipê Ouro, em Uberaba, que adota ações de sustentabilidade e faz integração entre floresta e pecuária - Divulgação/Fazenda Ipê Ouro

“Embora alvo de muitas críticas, algumas até com fundamento, a pecuária, precisamos reconhecer, cresceu de forma sustentável. Estamos produzindo muito mais com muito menos área”, diz Paulo Mustefaga, presidente da Abrafrigo.

De 2008 a 2017, o rebanho bovino de corte passou de 166,7 milhões de cabeças para 183,7 milhões (10,1%). No período, a área de criação foi de 139 milhões de hectares para 141 milhões (1,43%).
É o que mostrou um estudo da pegada de carbono e hídrica na cadeia da carne, parte do projeto do Instituto Escolhas intitulado ‘‘Do Pasto ao Prato: Subsídios e Pegada Ambiental da Carne Bovina”.

“Há questões a serem corrigidas, principalmente em relação a pastagens. É preciso melhorar, e o país tem potencial para aumentar mais a produção por área”, diz Mustefaga.

De acordo com ele, para que isso ocorra é preciso haver equilíbrio entre questões econômicas, ambientais e sociais. “O econômico é o gargalo. É comum a gente ouvir palavras soltas, ‘tem de dobrar a produtividade’. Do ponto de vista agronômico, é possível, mas, e do econômico, é viável?”, questiona, citando a necessidade de altos investimentos em pastagem e genética. Para Mustefaga, o produtor nacional deve buscar sustentabilidade independentemente de pressões externas.

É o que faz o pecuarista Arnaldo Manuel de Souza Machado Borges, da fazenda Ipê Ouro, em Uberaba (MG). “Meus avós eram fazendeiros, sempre tiveram cuidado de preservar reservas e nascentes, dar conforto aos animais. Cresci vendo essa necessidade”.

Na propriedade, touros ocupam áreas com sombra, o que contribui na produção de mais e melhor sêmen.
“Não é só aqui. Hoje, nos confinamentos, a maioria coloca cobertura para dar sombreamento aos animais. Os que ficam expostos a sol, chuva e vento têm carne sem a qualidade dos que estão em ambiente confortável”, diz ele.

A fazenda de 1.000 hectares tem cinco nascentes protegidas. “Genética, que a gente desenvolve, e manejo têm de estar em perfeito equilíbrio.”

O setor produtivo está hoje mais interessado em garantir que o negócio não tenha impacto negativo, na visão do agrônomo Francisco Beduschi Neto, executivo da NWF (National Wildlife Federation) no Brasil. No caso da pecuária, a entidade contribui para que o setor cresça sem causar danos ao ambiente.

O engenheiro diz perceber mudança comportamental de consumidores e produtores. “Isso afunila no frigorífico, que faz o link entre sistema produtivo e consumo. Nossa abordagem é ajudar o frigorífico a entender de onde vem toda essa pressão e construir pontes entre as partes.”

O frigorífico deve conhecer toda sua cadeia, não só fornecedores diretos. Saber quem vendeu o bezerro que chega ao confinamento e quem vendeu o milho para alimentá-lo, diz. “Está claro que há problemas na cadeia de produção no Brasil, não adianta varrer a sujeira para debaixo do tapete, chegar e dizer que o país tem 66% de florestas preservadas. O consumidor vai falar: ‘mas e queimada, desmatamento ilegal e tudo mais?’. ‘Ah, não é o agronegócio, é o grileiro’ —mas está vinculado à cadeia”, diz Beduschi Neto.

E essa alta nas exportações, é sustentável a longo prazo? Mustefaga diz que sim, e projeta avanço de 5% em 2021.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.