Google torna gratuita ferramenta de videoconferência Meet

Produto rivaliza com Zoom e ferramentas como do Skype e do Facebook

Paresh Dave
Oakland (Califórnia) | Reuters

O Google anunciou nesta quarta-feira (29) que qualquer usuário poderá em breve promover uma videoconferência com sua ferramenta Meet, tornando o produto, antes pago e voltado a empresas, em um grande rival à Zoom e outras empresas que estão disputando usuários em meio à pandemia de coronavírus.

Zoom Video Communications, Skype e Messenger, do Facebook, lançaram recursos neste mês para atraírem usuários que buscam opções gratuitas para reunirem amigos e familiares por meio de videoconferências.

Logo do Google; Fundo destina de US$ 5 mil a US$ 30 mil para 5.300 redações no mundo - Robyn Beck - 8.jan.2020/AFP

Mas o Meet, que tem 100 milhões de usuários diários, exigia uma conta corporativa ou acadêmica do Google para fazer as chamadas. Por isso, o Google anunciou que vai gradualmente abrir o Meet nas próximas semanas.

O Google fornece videoconferências gratuitamente há quase 12 anos por meio do serviço Hangouts, mas os recursos dele são ultrapassados em termos de segurança e tecnologia e sua popularidade foi diminuindo. A empresa também tem o Duo, um aplicativo de videochamada para smartphones.

Smita Hashim, diretora de produto do Google, afirmou que a companhia recomenda o Meet em vez do Hangouts.

"Como o​ Covid-19 impactou a vida de todos, vimos motivo para levar para todos uma ferramenta criada para empresas", disse ela. "É um produto mais seguro, confiável e moderno."

Mas o Meet vai limitar as chamadas gratuitas a uma hora de duração a partir de outubro, enquanto os rivais Skype e Messenger não têm essa limitação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.