São Paulo

A capital da República Tcheca conserva diversas construções históricas, como a ponte Carlos, que data de 1357.

Apresentação: Terra do escritor Franz Kafka, Praga é a capital e maior cidade da República Tcheca, com 1,3 milhão de habitantes. Só em 2017, recebeu mais de 3,5 milhões de visitantes. Por sua beleza, é comparada a Paris.

O que fazer: Conhecer o Relógio Astronômico, na praça da Cidade Velha, e assistir ao pequeno show a cada batida de hora cheia, quando saem dele pequenos bonecos que anunciam o horário para a multidão.

O Castelo de Praga é outra atração, um complexo com museus, igrejas e a residência do presidente tcheco. Outra visita histórica é ao bairro judeu, repleto de sinagogas.

Para uma Praga mais moderna, vale ir até o Dancing House, projeto dos arquitetos Frank Gehry e Vlada Milunic. Por lá, há um hotel, um bar e um restaurante. Assim como Paris, Praga é uma boa cidade para andar a pé, se perder e descobrir ruas charmosas.

Sinta-se lá: O livro “A Insustentável Leveza do Ser”, de Milan Kundera, que viveu boa parte de sua vida adulta em Praga, se passa na cidade, no final dos anos 1960, quando o país foi invadido pela União Soviética.

Moeda: Na República Tcheca, a moeda é a coroa tcheca (R$ 1 vale 5,38 coroas). Não vale a pena adquirir a moeda no Brasil, isso se for possível encontrá-la.

O mais vantajoso para o turista é levar moedas fortes, como euros, dólares e libras, e trocar quando chegar ao país (mas evite o aeroporto, onde a cotação costuma ser pior). A cerveja é barata, meio litro custa cerca de 30 coroas (R$ 5,60).

Confira o que fazer nos 50 destinos eleitos pelo júri de Turismo

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.