Violonista Sidney Molina indica 5 salas de concerto para visitar no mundo

Crítico de música sugere lugares famosos pela acústica e história, de Belém a Tóquio

São Paulo

O violonista Sidney Molina, crítico de música da Folha e fundador do Quaternaglia String Quartet, indica salas de concerto famosas pela acústica e pela história.

 

 

Teatro alla Scala

Milão, Itália

Situado no coração da cidade, próximo à galeria Vittorio Emanuele 2º, é o centro mundial da ópera. Lá estrearam algumas das mais famosas composições de Giuseppe Verdi (1813-1901) e "Il Guarany", do brasileiro Antônio Carlos Gomes (1836-1896)

Concertgebouw

Amsterdã, Holanda

Destaca-se pela acústica e pela tradição de uma orquestra que, desde a sua fundação, em 1888, só teve sete regentes titulares. Fica perto do museu Van Gogh, na capital

Suntory Hall

Tóquio, Japão

A tecnologia do prédio, inaugurado em 1986, impressiona. A temperatura do camarim, localizado dois andares abaixo do palco, é a mesma do nível superior, o que evita que os instrumentos desafinem. Todo o backstage é interligado por câmaras, que permitem acompanhar em tempo real tudo o que ocorre no palco e na plateia

Carnegie Hall

Nova York, Estados Unidos

Conserva a memória dos principais pianistas, violinistas, cantores e orquestras dos séculos 20 e 21, mas não só: foi nessa sala que, em 1938, o jazz passou a ganhar respeito do público tradicional, e a bossa nova brasileira mostrou sua força, no histórico concerto de 1962

Theatro da Paz

Belém (PA), Brasil

Entre as tantas salas de apresentações brasileiras, esta, aberta em 1878, se diferencia pelo equilíbrio da qualidade sonora com a arquitetura e história centenárias

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.