Exposições e tours pela Europa celebram 500 anos da morte de da Vinci

Louvre e museus italianos terão mostras sobre o polímata ao longo do ano

Nora Walsh
The New York Times

Este ano marca o 500º aniversário da morte de Leonardo da Vinci, o mestre do Renascimento italiano que morreu em maio de 1519. Para celebrar a vida e obra do prodigioso polímata, museus estão organizando exposições especiais e operadoras de excursões estão conduzindo turistas em viagens inspiradas por da Vinci a diversos lugares da Europa Ocidental.

No Reino Unido, o Royal Collection Trust organizou uma exposição nacional de desenhos, "Leonardo da Vinci: A Life in Drawing", que está em cartaz desde fevereiro. Os museus e galerias participantes, em 12 cidades, de Belfast a Southampton, exibem cada qual 12 desenhos de da Vinci, além de 50 desenhos adicionais em exibição na Galeria da Rainha, no Palácio de Buckingham, até 13 de outubro. O conjunto todo representa a maior mostra de obras de da Vinci em cartaz no Reino Unido em mais de 65 anos.

A porção final da mostra, entre 22 de novembro e 15 de março, destacará 80 desenhos na Galeria da Rainha no palácio de Holyroodhouse, em Edimburgo, Escócia. A coleção, organizada de forma a destacar os variados interesses do artista, da engenharia à botânica, "nos permite entrar em uma das maiores mentes da história", diz Martin Clayton, diretor de gravuras e desenhos no Royal Collection Trust.

A Itália está celebrando um de seus filhos mais importantes com exposições que o homenageiam em todo o país, e uma das mais abrangentes dentre elas é "Leonardo da Vinci: Desenhando o Futuro", em cartaz entre 15 de abril e 14 de julho nos Museus Reais de Turim. Mais de 50 desenhos estão em exibição, entre os quais "Códice sobre o Voo dos Pássaros" e "Rosto de uma Menina". O famoso "Autorretrato" de da Vinci faz parte da mostra.

Simultaneamente (18 de abril a 14 de julho), a Gallerie dell'Accademia, em Veneza, exibirá 25 desenhos de da Vinci, entre os quais a obra-prima "Homem Vitruviano", raramente exposta, e o Castelo Sforza em Milão vai reinaugurar a Sala delle Asse, depois de uma restauração, com uma mostra de outros trabalhos de da Vinci que entra em cartaz em 2 de maio, a data da morte do artista.

Em Florença, o Palazzo Strozzi organizou uma retrospectiva com 120 pinturas, esculturas e desenhos dedicada ao mestre renascentista Andrea del Verrocchio; trabalhos de da Vinci e outros de seus pupilos estão incluídos (em cartaz de 9 de março a 14 de julho). Em setembro, uma versão da mostra será levada à Galeria Nacional de Arte de Washington. Também nos Estados Unidos, o Museu de Natureza e Ciência de Denver organizou a exposição "Leonardo da Vinci: 500 Years of Genius", em cartaz de 1º de março a 25 de agosto com reproduções das invenções de da Vinci, recriações históricas e a única réplica da "Mona Lisa" em 360 graus já realizada.

O Museu do Louvre, em Paris, que abriga cerca de um terço das obras sobreviventes de da Vinci, entre as quais a "Mona Lisa", planeja mostrar uma retrospectiva das pinturas do artista, a partir de 24 de outubro. "Queremos ilustrar a importância enorme que ele dava à pintura", disse Vincent Delieuvin, um dos curadores da exposição, "e a forma pela qual sua investigação do mundo, a que ele se referia como 'ciência da pintura', funcionava como um instrumento de sua arte, buscando nada menos que levar a vida às suas pinturas".

Para levar visitantes a essas exposições, a outras obras-primas decisivas e aos lugares que determinaram a vida e a arte de da Vinci, agências de viagens estão organizando excursões pela Europa Ocidental. A Audley Travel oferece visitas personalizadas de 12 dias à Itália, Reino Unido e França, com o objetivo de oferecer insights sobre as inspirações e os pares artísticos de Leonardo, e o clima sociopolítico do Renascimento. "Criamos uma viagem que acompanha todo o arco da vida de da Vinci, oferecendo aos viajantes um panorama holístico e uma imersão na vida e nas inspirações de da Vinci", disse Isabel Norman-Butler, gerente da empresa. A Red Savannah recentemente lançou uma nova série de itinerários europeus que podem ser adaptados para incluir visitas guiadas por historiadores da arte à "Última Ceia", em Milão, e expedições ao local de nascimento de da Vinci na Toscana, com excursões fechadas ao Museo Leonardiano Vinci.

A Smithsonian Journeys criou a excursão "O Gênio de Leonardo da Vinci: Celebrando o 500º Aniversário", uma visita de oito dias a Florença, Vinci e Milão conduzida por Ross King, escritor e especialista em historia do Renascimento. Os viajantes podem optar entre fazer a visita na primavera ou outono, e durante o percurso King discutirá a conexão entre os interesses científicos de Leonardo e sua arte [a excursão de outono sai em 9 de novembro, com preço inicial de US$ 4.995 (R$ 19.630) por pessoa, com alojamento em quartos para duas pessoas]. "Quero que os viajantes explorem a cultura e sociedade florentinas do século 15, que permitiram a um menino da parte mais rústica da Toscana se tornar um dos maiores artistas e pensadores de todos os tempos", disse King.

Na França, a European Waterways oferece um cruzeiro em um barco de luxo para seis passageiros, chamado Nymphea, pelo vale do rio Loire, onde da Vinci viveu suas últimas semanas, com partidas semanais do final de junho até setembro [o preço, incluindo refeições, começa em US$ 4.650 (R$ 18.274) por pessoa, em quarto duplo]. O cruzeiro de seis noites oferece visita guiada à tumba de da Vinci no Château d'Amboise, entre outras excursões, e também visitas a castelos renascentistas que fazem parte da lista de patrimônio cultural da Unesco, e a eventos culturais na região.
 
Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.