Águas de Bonito (MS) ainda mais claras atraem turistas após pandemia

Cidade do Pantanal oferece mergulhos, trilhas e passeios em cachoeiras e piscinas naturais

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rafael Ribeiro
São Paulo

Após mais de um ano da retomada com o arrefecimento da pandemia, o turismo de Bonito, no Mato Grosso do Sul, busca passar confiança aos viajantes para recuperar o fôlego de outros tempos. E tem, como principal atração, uma natureza ainda mais exuberante aos olhos de quem procura a cidade para conhecer seus cenários paradisíacos.

Por conta do período sem visitações, as paisagens e águas que são o principal atrativo da cidade ficaram ainda mais transparentes e bonitas, com a recuperação da flora, segundo relatos dos responsáveis locais pelo turismo. Antes da quarentena, em 2019, a cidade chegou a sofrer com alguns locais tomados por águas turvas.

Fenômeno semelhante no mundo durante a pandemia ocorreu em Veneza, na Itália. Pelo isolamento social, os canais da cidade italiana pareciam mais limpos.

Mergulhador nada no rio da Prata, em Jardim (MS), na região de Bonito
Mergulhador nada no rio da Prata, em Jardim (MS), na região de Bonito - Daniel De Granville/Divulgação Recanto Rio da Prata

Durante a pandemia, no Pantanal, sem a presença dos turistas, as onças-pintadas chegaram a se aproximar e percorrer passarelas antes usadas só pelo público em um hotel-fazenda em Miranda (MS).

Os visitantes poderão contemplar cenários como a Gruta do Lago Azul, cartão postal de Bonito, com passeio completo a R$ 130 na alta temporada.

Para quem com cautela prefere atividades ao ar livre, a opção é pelos pontos de flutuação nos balneários e os tradicionais serviços de flutuação.

O mais procurado é o do Aquário Natural de Bonito. Por até R$ 280, para crianças a partir dos 7 anos, o passeio inicia com uma trilha de 400 metros.

Impressiona o turista a limpidez da água, onde é possível flutuar —ao longo de cerca de 800 metros— com várias espécies de peixes e grande vegetação aquática do rio Baia Bonita. No local, é possível observar animais da região na trilha dos animais, carretilha, cachoeira e piscina natural.

Para quem tem fôlego, a opção é pelas trilhas e cachoeiras. Por até R$ 595, com café da manhã e almoço inclusos, os visitantes terão, por todo o dia, um passeio composto de uma caminhada ao longo de 6,5 km pela mata preservada. Ali é possível conhecer a vegetação típica com 15 paradas em cachoeiras e nove pontos de banho, incluindo a cachoeira Boca da Onça, a maior do estado, com 156 metros de altura.

Para quem quer conhecer Bonito de forma mais acessível, há opções mais viáveis, como o Balneário Municipal, às margens do Rio Formoso, com ingresso a R$ 70, além do aquário (entrada a R$ 50) e o Bio Park (R$ 90), abrigos naturais e locais de preservação da imensa fauna local para visitação.

Na gastronomia, a pedida para quem quer sentir a vida no Pantanal são as cavalgadas com opção de almoço (até R$ 162), em que, no final do passeio, às margens dos rios, é servido o tradicional arroz carreteiro, prato típico do estado que envolve carne e mandioca.

Para quem busca um prato com ingredientes exclusivos da terra, a pedida são os restaurantes no centro da cidade que oferecem pratos doces e salgados com guavira, uma fruta típica do Pantanal, e guariroba, uma espécie de palmito cultivado por tribos indígenas locais.

Medidas sanitárias

As empresas do setor garantem que seguem cumprindo os protocolos. Há atrações, como a própria Gruta do Lago Azul, onde há limitação de entrada de pessoas de uma vez, por exemplo. Mas, segundo os responsáveis pelo turismo local, há adesão dos visitantes.

Gruta do lago Azul, uma das atrações mais famosas de Bonito (MS)
Gruta do lago Azul, uma das atrações mais famosas de Bonito (MS) - Marcio Cabral

Para a retomada das atividades turísticas após mais de cem dias suspensas, os diversos setores uniram esforços para criar os protocolos de biossegurança que estão vigentes até hoje.

Empresários, em parceria com o poder público e instituições, implantaram sete protocolos de biossegurança com orientações específicas para a prevenção da Covid-19.

"Os protocolos setoriais foram formulados para preservar a saúde dos visitantes e dos colaboradores das centenas de passeios, hotéis, bares, restaurantes, empresas de transporte, lojas e agências de turismo", diz a turismóloga Janaina Mainchein, secretária executiva do Bonito Convention & Visitors Bureau e coordenadora do Observatório do Turismo e Eventos de Bonito.

Além dos protocolos, foi implantado o programa "Bonito Seguro", que forneceu consultorias gratuitas de biossegurança, desenvolvidas em parcerias para os empresários do município.

Por conta do esforço nas ações de biossegurança adotadas, Bonito recebeu o selo internacional de turismo seguro "Safe Travels" criado pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo, tornando Mato Grosso do Sul o primeiro estado brasileiro a conquistar o selo.

"Nos unimos, fechamos, organizamos, auxiliamos ao setor público, até cobramos lei seca, toque de recolher –por mais difícil e oneroso que fosse. Essa é uma característica de quem tem como atividade principal o ecoturismo. Dependemos da natureza e temos que nos dobrar a ela e respeitá-la", diz Silvia Schmidt, proprietária do Hotel Paraíso das Águas e da Associação Bonitense de Hotéis.

Para acelerar a retomada total do turismo, a prefeitura de Bonito aponta que realizou uma vacinação em massa da população. A cidade tem aproximadamente 22,1 mil habitantes, sendo que 18,2 mil em idade vacinal, ou seja, superior a 12 anos.

Do público adulto, 99,18% receberam a primeira dose da vacina e 84,56%, a segunda dose ou dose única. "Iniciamos agora a campanha para aplicação da terceira dose em todas as pessoas a partir de 18 anos. Entre os adolescentes, 101,25% receberam a primeira dose e 54,53% já estão imunizados", afirma o prefeito Josmail Rodrigues (PSB).

Na avaliação do Observatório de Turismo, os finais de semana e feriados têm atraído para a cidade um público mais jovem, que busca diversões noturnas como festas e bares com música ao vivo.

Este público é mais resistente no cumprimento dos protocolos. Mas a confiança nos protocolos se baseia principalmente no fato da maioria das atividades oferecidas serem ao ar livre.

Dados do órgão apontam que Bonito vem sendo mais procurada por moradores de estados vizinhos, muito pela possibilidade de acesso de carro —situação que deve mudar ainda em dezembro, quando linhas aéreas comerciais começarão a operar na cidade.


TRILHA E CACHOEIRA
PARQUE DAS CACHOEIRAS COM NASCENTE


Trilha de 1.700 metros pelo Rio Mimoso, onde 80% acontecem sob plataforma de madeira. Ao longo do passeio é possível observar a fauna e a flora locais. No trajeto, há visita à nascente Mara e a mais sete cachoeiras formadas por tufas calcárias, pequenas cavernas e piscinas naturais, sendo uma delas com um salto de sete metros de altura. A trilha deve ser feita exclusivamente no período matutino —após o passeio, a fazenda oferece estrutura com piscina de borda infinita e redário para relaxar.

Distância: 17 km. Duração: 3h30min.
Preços: adulto R$ 159 (baixa temporada), R$ 189 (alta temporada) e R$ 239 (superalta temporada no Réveillon e no Carnaval); criança (seis a 11 anos) R$ 129 (baixa temporada), R$ 154 (alta temporada) e R$ 215 (superalta temporada no Réveillon e no Carnaval); melhor idade (acima de 60 anos) R$ 144 (baixa temporada) e R$ 169 (alta temporada).

Informações

Site: www.agenciasurucua.com.br
Telefone: (67) 3255-2500 (Fixo) / (67) 9 8468-4331 (Oi) / (67) 9 9838-8748 (Vivo) / (67) 9 9231-6185 (Claro) / (67) 9 9170-6410 (Claro)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.