Diretores de centros de pesquisa pediram que Pontes intercedesse por diretor do Inpe

Bolsonaro criticou dados de desmate; ministro não se manifestou publicamente a favor de Ricardo Galvão e o exonerou

Phillippe Watanabe
São Paulo

Diretores de instituições de pesquisa ligadas ao MCTIC (Ministério da Ciência e Tecnologia) pediram que o ministro Marcos Pontes intercedesse junto ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) pelo diretor do Inpe, Ricardo Galvão, e esclarecesse a confiabilidade das informações prestadas por órgãos científicos nacionais —como os dados sobre desmatamento na Amazônia, fonte de questionamento por parte do presidente.

Pontes exonerou Galvão na manhã desta sexta (2).

“Acreditamos que o Senhor Presidente está mal informado sobre o processo envolvido na coleta de dados científicos, sobre os mecanismos de aferição da confiabilidade e transparência dos dados”, afirma carta de 21 de julho à qual a Folha teve acesso. “Dados científicos não devem ser passíveis de manipulação para atender a conveniências políticas.”

O presidente Jair Bolsonaro abraça o ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia)
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) - Pedro Ladeira/Folhapress

No documento, os pesquisadores afirmam que Bolsonaro questionou a integridade de Galvão e que o histórico de pesquisa do diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) é público. 

Em café da manhã com jornalistas estrangeiros no último dia 19, Bolsonaro afirmou que os dados do desmatamento prejudicam a imagem do Brasil e que Galvão poderia estar a “serviço de alguma ONG”.

O texto diz: “O Senhor Presidente da República apresentou Ciência e Tecnologia como uma das prioridades de seu governo, o que foi recebido com grande esperança. A prioridade começa com a isenção das atividades das unidades de pesquisas deste Ministério de injunções de caráter político ou de interesse econômico”.

Durante a campanha presidencial, Bolsonaro disse que seu objetivo era que o investimento em ciência no país alcançasse 3% do PIB até o fim do mandato, somando recursos públicos e privados.

Após os ataques iniciais de Bolsonaro, Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, e Pontes também criticaram os dados produzidos pelo Inpe. 

Salles afirmou que os informações sobre crescimento do desmatamento apresentam erros e que houve “sensacionalismo e manipulação de dados na mídia”. O ministro do Meio Ambiente, contudo, disse, em entrevista coletiva do último dia 31, que de fato a destruição da Amazônia cresceu.

Pontes, por sua vez, nos bastidores, afirmava não ter dúvidas quanto aos dados de desmatamento produzidos pelo Inpe. Publicamente, contudo, o ministro não se posicionou ao lado de Galvão. Inclusive, em uma rede social, no dia seguinte à data da carta dos diretores, Pontes afirmou que compartilhava da “estranheza” de Bolsonaro quanto aos dados.

Após a exoneração, também por rede social, Pontes agradeceu a Galvão e afirmou que a dedicação do pesquisador “deixa um grande legado para a instituição e para o país”. O ministro finaliza a postagem com “abraços espaciais”.

Leia abaixo íntegra da carta:

Campo Grande, 21 de julho de 2019
Senhor Ministro,

Tomamos conhecimento das declarações do Exmo. Sr. Presidente da República, Jair Bolsonaro, proferidas em entrevista a jornalistas estrangeiros no último dia 19, questionando a confiabilidade dos dados sobre o desmatamento da Amazônia, coletados pelo INPE e divulgados pelo IBAMA. Acreditamos que o Senhor Presidente está mal informado sobre o processo envolvido na coleta de dados científicos, sobre os mecanismos de aferição da confiabilidade e transparência dos dados. Como qualquer atividade humana, os dados poderiam ter falhas. No entanto, os mecanismos de controle e da validação dos dados asseguram que a existência de falhas seja rapidamente corrigida e, quando publicadas, eles sejam confiáveis. Dados científicos não devem ser passíveis de manipulação para atender a conveniências políticas.

Por outro lado, nesta entrevista, a integridade do Senhor Diretor do INPE, Prof. Ricardo Galvão, também é questionada. Pedimos ao Senhor Ministro que esclareça ao Sr. Presidente que toda a vida científica do Prof. Galvão, como de resto de todos os cientistas deste País, é pública e pode ser consultada facilmente por qualquer cidadão, usando o Currículo LATTES, do CNPq. As informações contidas no LATTES são auditadas pelo CNPq.

Não bastasse os mecanismos públicos de aferição da respeitabilidade científica do INPE, como de resto de todas Unidades de Pesquisas deste Ministério, sofremos todos intensos escrutínios dos órgãos de controle da República.

O Senhor Presidente da República apresentou Ciência e Tecnologia como uma das prioridades de seu governo, o que foi recebido com grande esperança. A prioridade começa com a isenção das atividades das unidades de pesquisas deste Ministério de injunções de caráter político ou de interesse econômico. Confiamos na sua habilidade em convencer o Sr. Presidente de que as unidades deste Ministério são fontes confiáveis de informação, que permitam ao Governo Federal planejar ações para alavancar o desenvolvimento do País.


 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.