Astronauta Marcos Pontes será ministro da Ciência do governo Bolsonaro

Primeiro astronauta do Brasil chegou a ser cotado a vice; Comunicação deve ser separada do ministério

Talita Fernandes Gabriel Alves
Rio de Janeiro e São Paulo

Rio de Janeiro e São Paulo O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou no Twitter o astronauta Marcos Pontes como futuro ministro da Ciência e Tecnologia. 

“Comunico que o Tenente-Coronel e Astronauta Marcos Pontes, engenheiro formado no ITA, será indicado para o Ministério da Ciência e Tecnologia. É o quarto Ministro confirmado!”, escreveu.

O anúncio se deu um dia após a primeira reunião de Bolsonaro com seu núcleo duro, no Rio, para discutir a formação de governo. 

Pelo plano, a pasta deve ganhar nova formatação: as Comunicações, hoje atreladas à Ciência e à Tecnologia, devem compor uma pasta com Transportes e Infraestrutura.

Ficaria também sob os cuidados de Pontes a área de ensino superior, ensino superior, atrelada ao MEC (Ministério da Educação).

Galeria
Marcos Pontes
Marcos Pontes
Astronauta brasileiro será ministro de Ciência de Bolsonaro

Desde a fusão do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) com o das Comunicações em 2016, boa parte da comunidade acadêmica pedia pela separação. A proposta ganhou força não só pela simbologia mas também por conta do corte de verbas federais para o financiamento de projetos, que desde 2013 caiu quase pela metade.

Primeiro astronauta brasileiro a ir para o espaço, em 2006, Pontes chegou a ser cotado a vice de Bolsonaro. Ele é o segundo militar escolhido para compor  novo ministério. O primeiro foi o general Augusto Heleno, para a Defesa.

Nesta quarta (31), durante palestra para jovens em Manaus, Pontes disse estar vivendo um “momento muito, muito especial” e pediu à plateia que comemorasse com ele. Em seguida, o militar da reserva agradeceu a Bolsonaro pela escolha e “pela confiança depositada”.

“Estou a serviço do país. A confiança é mútua, ninguém faz nada sozinho. Agora é juntar e unir os brasileiros em prol dessa bandeira. Vocês têm um parceiro que vai defender isso e que vai servir a comunidade. Líder não comanda, líder ajuda a servir.”

Pontes enalteceu o ministério, afirmou que a tecnologia “é importante em todas as áreas” e prometeu trazer o assunto “mais próximo do dia a dia”, em sintonia com o que costuma dizer Bolsonaro.
Também disse que, a exemplo do juramento feito na Academia da Força Aérea, combaterá “inimigos internos e externos com o mesmo sacrifício de vida”.

O programa de governo de Bolsonaro registrado no TSE afirma que é preciso buscar parcerias com empresas privadas para transformar ideias em produtos. 

“Isso gera riqueza, desenvolvimento e bem-estar para todos. Os melhores pesquisadores seguem suas pesquisas em mestrados e doutorados próximos das empresas. O campo da ciência e do conhecimento nunca deve ser estéril”, diz o texto.

O presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e professor de física da UFRJ, Luiz Davidovich, diz que espera que o ministro ouça a comunidade científica, que já elaborou “várias propostas de políticas de Estado” que podem ser aproveitadas.

Para o físico, a incorporação da área de ensino superior ao MCTI é uma surpresa, mas pode ter vantagens por haver convergência nos temas. “Mas não se pode afastar a educação superior da educação básica”, alerta. Ele cita o exemplo de programas de pós-graduação direcionados para professores da educação básica.

“Nessa área, há uma diversidade muito grande. Só 25% dos alunos estão em instituições onde há pesquisa. Das instituições privadas, as católicas e o Mackenzie são exemplos de onde há pesquisa, mas muitas outras não fazem. Se isso se concretizar, é uma área que o MCTI nunca conheceu. É um desafio possível, mas a carga é muito pesada.”

Ainda há a questão da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), fundação vinculada ao MEC e que tem papel importante na avaliação de programas de pós e no financiamento de bolsas de pesquisa. “É importante preservar esse trabalho”, diz Davidovich.

Outro desafio de Pontes é recompor o orçamento do ministério, diz Fernando Peregrino, do Confies (conselho de fundações de apoio às Instituições de ensino superior). “A queda é de 40% em comparação a quatro, cinco anos atrás. É uma atividade dispendiosa, mas os benefícios são grandes”, afirma.

Marcos Pontes é uma pessoa de perfil técnico, conhecedora de tecnologias aeroespaciais e cujo currículo suplanta alguns ministros já escolhidos para a pasta e que não tinham nada a ver com a área”, diz Peregrino, que é doutor em engenharia pela UFRJ.

Ele vê como pontos positivos no pensamento de Pontes a ideia de desburocratizar a realização de pesquisa no país, como na importação de insumos e da papelada para fazer pesquisas de biodiversidade.
Em resposta a questionamentos da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) e da ABC, Bolsonaro disse na semana passada que a provável escolha por Pontes se devia à meritocracia, e não ao “toma lá, dá cá”.

Segundo a carta enviada à SBPC, o astronauta pediu que o governo fosse agressivo na estratégia de investimento na área e lembrou  que países desenvolvidos investem até 3% do PIB em ciência, tecnologia e inovação (CT&I) —hoje, o Brasil investe cerca de 1%. A meta é chegar com ao novo patamar.

Para o então candidato à Presidência era preciso “garantir que os resultados práticos da tecnologia cheguem à população e no setor econômico, justificando os gastos públicos perante o povo (dono do dinheiro), e motivando o investimento privado.” 

Bolsonaro disse que não há mais espaço para que a área de Ciência e Tecnologia seja “comandada de Brasília e dependente exclusivamente de recursos públicos” e enaltece empreendedorismo e o desenvolvimento científico em parceria com empresas.

A meta seria atingir entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões de orçamento para a área até o fim do mandato. “Nós passamos por um momento muito difícil de crise no país, [...] mas CT&I não é gasto, é investimento”, diz.

O orçamento aprovado para 2018 foi de R$ 4,6 bilhões.


Quem é Marcos Pontes

Nasceu em Bauru (SP). É tenente-coronel-aviador, piloto da Força Aérea Brasileira e engenheiro aeronáutico formado pelo ITA, com mestrado em engenharia de sistemas pela Naval Postgraduate School, em Monterrey, Califórnia.

Foi incorporado à classe de astronautas da Nasa em 1998. Em seu período como astronauta ativo da agência espacial americana, Pontes passou boa parte do tempo servindo não só como interface entre a Agência Espacial Brasileira e o programa da Estação Espacial Internacional mas também como representante da própria Nasa em outras partes do programa.

Passou sete anos (1998 a 2005) no Centro Espacial Lyndon Johnson da Nasa, em Houston, EUA, familiarizando-se com todos os detalhes de como se voar no complicado ônibus espacial.

Em 29 de março de 2006, decolou de uma base no Cazaquistão rumo à Estação Espacial Internacional, com Pavel Vinogradov, da Rússia, e Jeffrey Williams, dos Estados Unidos. Passou dez dias no espaço a um custo de US$ 10 milhões ao governo.

UOL
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.