Painel

Editado por Fábio Zanini, espaço traz notícias e bastidores da política. Com Guilherme Seto e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel

Lira busca alternativas para MP com 'jabuti' sobre Jovem Aprendiz

De acordo com entidades do setor, medidas propostas pelo governo reduzem quase pela metade alcance do programa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) se reúne nesta segunda-feira (13) com o relator da Comissão Especial do Estatuto do Aprendiz, deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), para encontrar uma solução à medida provisória apresentada pelo governo federal sobre o mesmo assunto.

A Câmara já vinha discutindo o programa quando o presidente Jair Bolsonaro (PL), em maio, editou a MP sobre a inclusão das mulheres no mercado de trabalho, acrescentando como "jabutis" alterações no que diz respeito aos jovens. O termo é utilizado no Congresso em referência a matérias que não têm relação com o tema principal da legislação proposta.

A​ ação foi vista como um atropela aos trabalhos da Câmara e desagradou tanto que parlamentares se articulam para derrubar as alterações.

Homem mostra carteira de trabalho enquanto procura por oportunidades de emprego no centro de São Paulo Foto: REUTERS/Amanda Perobelli ORG XMIT: GGG-AMP04 - REUTERS

Em um primeiro momento, cogitou-se deixar a medida caducar, ou seja, perder a validade sem análise da Câmara. O problema é que ela trata de ações voltadas para as mulheres, e os deputados também não querem deixar de apreciar essa parte do texto.

Estuda-se, portanto, a viabilidade regimental de fatiá-la, desconsiderando os trechos rejeitados pelos parlamentares. Ou então apresentar uma série de emendas supressivas, ou seja, propostas para retirar da medida as alterações sobre os demais assuntos.

Essas seriam as alternativas mais viáveis para se retomar o que já vinha sendo debatido pelos parlamentares. Como a MP se sobrepõe à atual legislação, não é possível apresentar como emenda o estatuto já debatido porque ele faz referência a artigos da lei que já não existem mais.

De acordo com o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola), a proposta do governo reduz muito o alcance do Jovem Aprendiz. Segundo suas estimativas, as vagas disponíveis cairiam de 450 mil para 250 mil.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.