Fruto de palmeira da mata atlântica pode se tornar o 'novo açaí'

Proibição da retirada do palmito incentivou o uso da polpa e gera renda para comunidades tradicionais

LAURA VALENTE
Ubatuba (SP)

Você conhece a juçara. Seu subproduto mais famoso, o palmito, é um antigo frequentador das prateleiras dos supermercados. Com a extração proibida, já que a espécie estava entrando em risco de extinção, comunidades caiçaras, quilombolas e indígenas de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, vêm se voltando para uma outra parte da palmeira —seus frutos.

Na região, já é comum encontrar o produto em feiras de orgânicos, em saquinhos de polpa congelada. A semelhança com o açaí chama a atenção. E está virando negócio.

Keko Anderson, da comunidade de Itamambuca, já trabalhou como coletor do fruto e, hoje, faz testes para criar um "açaí de juçara". "Em vez do guaraná, para adoçar, uso frutas como banana e jaca. O inhame entra para dar consistência no lugar de um emulsificante. E, em vez de conservante, uso limão. Tudo natural", diz. Para ele, o que falta agora é um investidor que leve a produção à larga escala.

Na tentativa de estimular o uso sustentável da palmeira, a Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo lançou um concurso de receitas, que está com inscrições abertas. A lista de finalistas sai em outubro. E a final está marcada para o mês seguinte, durante o evento Semana Mesa SP.

A juçara é uma árvore importante na cadeia alimentar da floresta, pois o fruto serve de alimento a pássaros como tucanos e jacutingas. "A ideia de usar o fruto para ajudar a preservar a palmeira surgiu durante os primeiros projetos com sistemas agroflorestais, entre 2006 e 2009", lembra Renata Pinassi, bióloga e secretária-executiva do Instituto de Permacultura e Ecovilas da Mata Atlântica, o Ipema.

Há oito anos, esse instituto fez um trabalho de capacitação com comunidades tradicionais da região. "Além de aprender o manejo do plantio e preparar a polpa segundo as regras da Anvisa, cada comunidade recebeu um kit com todo o equipamento necessário para montar uma cozinha industrial", lembra Pinassi.  

Os resultados do projeto eram comemorados no festival anual da juçara, nos meses de maio, época alta da safra.

"Foi uma das melhores coisas que aconteceram aqui", diz Laura de Jesus Braga, do quilombo da Fazenda. "Antes a gente fazia a retirada clandestina do palmito. Hoje usa a polpa, vende a muda, lança a semente na mata", conta.

Braga é responsável por algumas das receitas com a polpa da juçara que mais fizeram sucesso pelos festivais. Tanto que a comunidade de Ubatumirim acabou virando o maior núcleo produtor do fruto e fornece a polpa para a merenda escolar da rede municipal.

Dalva Aparecida dos Santos, que vende a polpa em uma feira de Ubatuba, conta um dos seus segredos na hora da despolpa —a extração a frio. "Para amolecer os frutos, a gente pode dar um choque de água quente ou deixar de molho na água fria. Prefiro deixar na água fria, a cor fica mais viva, o roxinho é mais bonito."


Veja onde provar

São Paulo 

Maha Mantra Culinária Orgânica

 r. Fradique Coutinho, 766, tel. (11) 3032-2560

Feira Paturebas 2018

Quando: 4 de agosto, das 13h às 19h, na Casa das Caldeiras, r. Francisco Matarazzo, 2.000, saintvinsaint.com.br/feira/ 

Ubatuba (SP)

Grão Culinária Integral

O que tem: Suco de juçara r. Conceição, 120, tel. (12) 3836-1631

Padaria Integrale 

O que tem: Pão de juçara r. Dr. Esteves da Silva, 360, tel. (12) 3836-1836

Empório Cerealista

O que tem: Polpa de juçara congelada para levar r. Salvador Correa, 28, tel. (12) 3836-1528 

Mangarito

O que tem: Juçara na tigela e suco de juçara com banana e laranja av. Capitão Felipe, 406, tel. (12) 3835-1586

Paraty (RJ)

Manuê

O que tem: Creme de juçara r. João do Prado, 57, tel. (24) 3371-5096

Erramos: o texto foi alterado

O produtor Keko Coimbra é da comunidade de Itamambuca, não de Ubatumirim, em Ubatuba (SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.