Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Maioria no Rio aprova intervenção federal mas não vê melhora na cidade

Segundo Datafolha, 76% dos que vivem na capital do estado apoiam a medida

Luiza Franco Júlia Barbon
São Paulo e Rio de Janeiro

O vigia José Nascimento, 65, estava de plantão quando avistou uma viatura da Polícia Militar. O fundo do veículo se soltou ao passar em um quebra-molas, e José passou a tarde ajudando os policiais no conserto do carro. "Quer dizer, uma polícia nessas condições tem como correr atrás de bandido? Não dá, tinha que chamar o Exército mesmo."

Naquela mesma semana, José seguia de ônibus para a sua casa, na zona oeste do Rio, quando uma bala perdida atravessou um vidro e atingiu o braço de um passageiro. "Ou seja, não mudou nada, a situação continua péssima." 

A opinião do vigia é a mesma da maioria dos moradores da cidade do Rio. Segundo pesquisa Datafolha feita nos últimos dias na cidade, 76% são favoráveis à intervenção federal na segurança pública do estado, contra 20% de contrários —5% não opinaram.

No mesmo levantamento, o instituto mapeou a opinião dos cariocas sobre as investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e a reprodução de informações falsas a respeito dela —bem como os atuais índices de popularidade do prefeito Marcelo Crivella (PRB) e do governador Luiz Fernando Pezão.

A maioria, porém, avalia que a ação do Exército desde o mês passado não fez diferença no combate à violência na cidade (71%). Outros 21% acham que a situação melhorou com os militares, enquanto 6% acham que piorou.

Ainda assim, 52% estão otimistas e acreditam que, até o fim da intervenção federal, marcada para dezembro, a segurança no município irá melhorar —36% acham que ficará como estava antes.

A intervenção foi determinada em 16 de fevereiro pelo presidente Michel Temer (MDB), que escalou como interventor o general do Exército Walter Braga Netto

Em todas as regiões da cidade e em todos os segmentos socioeconômicos há uma maioria a favor da intervenção. "Não tinha jeito. A polícia não tem moral para combater criminosos. Todos sabem que eles estão envolvidos. Trazer as Forças Armadas foi a única solução possível", afirma a aposentada Lucília de Castro, 89.

A região que mais apoia a intervenção é a zona oeste (81%), de onde vem o vigia José Nascimento, e a que menos a apoia é a sul (63%). Uma das taxas mais altas de reprovação vem dos mais jovens (31% entre os que têm de 16 e 24 anos), como o estudante de artes cênicas Gabriel Lopes, 21.

"As Forças Armadas não são treinadas para fazer o que estão fazendo. Podem até piorar. A gente já viu aí várias violações dos direitos das pessoas das favelas", diz ele.

Nos quesitos escolaridade e renda, o apoio à intervenção é mais baixo entre pessoas com nível superior completo (70%) e com renda familiar mensal de mais de dez salários mínimos (66%).

Há pouca diferença entre as opiniões de quem mora dentro e fora das favelas (78% e 75% são a favor da intervenção, respectivamente). A posição também não muda com a cor da pele: é de 76% entre brancos, pardos e negros.

Em comparação à pesquisa feita em outubro do ano passado, o apoio de maneira geral ao uso das Forças Armadas no Rio recuou. Naquele momento, 83% eram a favor da sua convocação --agora, 79% aprovam a sua atuação.

sensação

As Forças Armadas estão nas ruas do Rio desde setembro passado. Com a intervenção, um general do Exército também assumiu o comando das polícias Civil e Militar, além de todo o sistema penitenciário do estado.

"Eu tenho a sensação de que melhorou, mas não em todos os lugares. No Rio, me sinto mais segura hoje do que há um ano, mas na Baixada [Fluminense], onde moro, não mudou nada, está muito perigoso, como tem sido desde 2012", relata a cuidadora Mel Menne, 43.

Sem um plano e um orçamento definidos, a intervenção foi anunciada às pressas pelo Planalto, com aval do governador Luiz Fernando Pezão (MDB).

Inicialmente, cogitou-se o uso de mandados coletivos de prisão nas favelas, mas o governo logo recuou.

Depois, adotou-se a favela Vila Kennedy, na zona oeste, como espécie de laboratório da intervenção. Após um mês de operações, porém, o governo anunciou que pretende deixar o patrulhamento da comunidade até o início de abril.

Mesmo com a intervenção, episódios de violência continuam acontecendo na cidade. O caso mais emblemático foi o assassinato há 11 dias de Marielle Franco, 38, e de seu motorista, Anderson Gomes, 39, ainda não esclarecido.

Nos dias seguintes, um bebê de dois anos, uma mulher e um homem morreram alvos de bala perdida no Complexo do Alemão. Na semana passada, um tiroteio no centro da cidade matou um pedestre, e ao menos três policiais militares foram mortos no estado.

A opinião dos moradores do Rio mudou pouco depois do assassinato da vereadora. Pesquisa Datafolha feita na semana anterior ao crime mostrava que 79% dos entrevistados eram favoráveis à intervenção e 17%, contrários.

O questionário mais recente, feito em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, ouviu 1.012 pessoas de quarta (20) a sexta-feira (22). A margem de erro é de três pontos percentuais.

MEDO

A sensação de insegurança na cidade continua alta. A grande maioria dos moradores afirma que gostaria de deixar o Rio por causa da violência (73%). A proporção é similar à registrada em outubro de 2017 (72%).

"Se pudesse, gostaria de ir morar no interior. O Rio já deixou de ser cidade maravilhosa faz tempo", afirma Menne.

Ainda sobre o medo da população, em outubro, 5% disseram não sair à noite por causa da insegurança. A proporção subiu para 12% na pesquisa da semana passada.

"Tenho muito medo de assalto. Se for sair na rua perto de casa, levo o celular dentro da calça", conta a professora de culinária Carolina Lisboa, 27, moradora do bairro de Irajá (norte), que fica próximo a favelas violentas.

O Rio passa por uma grave crise política e econômica, com reflexos diretos na segurança pública. Desde junho de 2016, o estado está em situação de calamidade pública.

O interventor federal cobra verba extra para que o estado possa equipar as polícias, por exemplo, o que deve ser aprovado somente no segundo semestre pelo Congresso. Atualmente, não há recursos para pagar servidores e para contratar PMs já aprovados em concurso.

Policiais trabalham com armamento obsoleto e sem combustível para o carro das corporações, e faltam equipamentos como coletes e munição. A falta de estrutura atinge em cheio o moral da tropa policial e torna os agentes vítimas da criminalidade.

Somente neste ano, 31 PMs foram assassinados no estado —foram 134 ao longo de todo o ano passado.
Policiais, por outro lado, também estão matando mais. O número de homicídios decorrentes de oposição à intervenção policial voltou a patamares anteriores à gestão de José Mariano Beltrame na Secretaria de Segurança (2007-2016), após uma queda de 2007 a 2013. No ano passado, 1.124 pessoas foram mortas pela polícia.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.